Figo: "Gastar menos para aumentar responsabilidade social"

Luís Figo pensa que o futebol só pode aumentar a sua responsabilidade social em tempos de crise se não gastar "tanto dinheiro em transferências", mas admite que isso é "difícil de controlar", por se tratar da "lei do mercado".

"Em termos gerais, a única hipótese que vejo é que não se gaste tanto dinheiro em transferências, mas acho que isso é difícil, porque é uma lei do mercado e é difícil de controlar", disse à agência Lusa em Viena, onde na sexta-feira à noite disputou o anual jogo "All Stars" da Fundação Luís Figo (FLF).

O mais internacional dos futebolistas portugueses, com 127 jogos pela seleção, recordou, no entanto, que os clubes já "são bastante responsáveis socialmente, porque muitos deles têm as suas próprias fundações e trabalham com instituições de solidariedade".

O agora director de relações internacionais do Inter de Milão, de 38 anos, afirmou que, apesar da crise em Portugal, a Fundação Luís Figo, que iniciou a atividade em 2003, não tem recebido mais pedidos de auxílio nos últimos dois anos.

"Nós não somos uma fundação que doa dinheiro. Nós angariamos fundos para, primeiro, tentar realizar os nossos projectos durante o ano, dentro das áreas de intervenção que temos", frisou, adiantando: "Nós não temos condição financeira para distribuir dinheiro só por si".

Luís Figo recordou que, no passado, pontualmente foi doado "algum montante angariado nestes jogos", mas isso aconteceu relativamente a "projectos concretos em parceria" com outras fundações.

"Nós actuamos de uma forma em que escolhemos os projectos que mais se adequam às nossas áreas de intervenção quando não os realizamos pessoalmente. Acho que os pedidos têm sido os mesmos, mas há sempre uma forma de os analisar e de decidir quais são os melhores e os que entram nas áreas que trabalhamos", referiu.

A FLF organiza anualmente o jogo "All Stars" com o objectivo de "angariar fundos para projetos a favor de crianças e jovens desfavorecidos, nas áreas da saúde, educação, desporto e acção social".

Desde a primeira edição, em 2003, os jogos "All Stars" apoiaram projectos como a construção da Casa Ronald McDonald Portugal, a Casa das Cores do Movimento ao Serviço da Vida e o Centro de Acolhimento Temporário para crianças refugiadas, do Conselho Português para os Refugiados, além da UNICEF Portugal e a Fundação Laureus.

Este ano serão apoiados o projecto da Entreajuda "A Postos para a Escola", a campanha nacional de prevenção de afogamentos infantis da Associação para a Promoção da Segurança Infantil, a oferta de campos de férias para jovens com necessidades especiais do Banco de Informação de Pais para Pais e a Equipa Móvel de Desenvolvimento Infantil e Intervenção Precoce.

Exclusivos

Premium

Catarina Carvalho

Clima: mais um governo para pôr a cabeça na areia

Poderá o mundo comportar Trump nos EUA, Bolsonaro no Brasil, Erdogan na Turquia e Boris no Reino Unido? Sendo esta a semana do facto consumado do Brexit e coincidindo com a conferência do clima da ONU, vale a pena perguntarmos isto mesmo. E nem só por razões socioideológicas e políticas. Ou sobretudo não por estas razões. Por razões simples de simples sobrevivência do nosso planeta a que chamamos terra - porque é isso que é fundamentalmente: a nossa terra. Todos estes líderes são mais ou menos populistas, todos basearam as suas campanhas e posteriores eleições numa visão do mundo completamente conservadora - e, até, retrógrada - do ponto de vista ambiental. E embora isso seja facilmente explicável pelas razões que os levaram à popularidade, é uma das facetas mais perigosas da sua chegada ao poder. Vem tudo no mesmo sentido: a proteção de quem se sente frágil, num mundo irreconhecível, em acelerada e complexa mudança, tempos de um paradigma digital que liberta tarefas braçais, em que as mulheres têm os mesmos direitos que os homens, em que os jovens podem saber mais do que os mais velhos... e em que nem na meteorologia podemos confiar.

Premium

Pedro Lains

Boris Johnson e a pergunta do momento

Afinal, ao contrário do que esperava, a estratégia do Brexit compensou, isto é, os resultados das eleições desta semana deram uma confortável maioria parlamentar ao homem que prometeu a saída do Reino Unido da União Europeia. A dimensão da vitória põe de lado explicações baseadas na manipulação das redes sociais, da imprensa ou do eleitorado. E também põe de lado explicações que colocam o desfecho como a vitória de uma parte do país contra outras, como se constata da observação do mapa dos resultados eleitorais. Também não se pode usar o argumento de que a vitória dependeu de um melhor uso das redes sociais, pois esse uso estava ao alcance de todos e se o Partido Trabalhista não o fez só ele pode ser responsabilizado. O Partido Conservador foi mais profícuo em mentiras declaradas, mas o Partido Trabalhista prometeu coisas a mais, o que é diferente eticamente, mas não do ponto de vista da política eleitoral. A exceção, importante, mas sempre exceção, dada a dimensão relativa da região, foi a Escócia, onde Boris Johnson não entrou. Mas a verdade é que o Partido Conservador conseguiu importantes vitórias em muitos círculos tradicionalmente trabalhistas. Era nessas áreas que o Manifesto de esquerda tradicional teria mais hipóteses de ganhar, pois são as áreas mais afetadas pela austeridade dos últimos nove anos. Mas tudo saiu ao contrário. Porquê?