CAF quer suspensão de quatro anos para Marrocos

Presidente da CAF admite que Marrocos terá que ser alvo de um castigo similar ao que a Nigéria enfrentou em 1996: quatro anos fora das provas internacionais.

O presidente da Confederação Africana de Futebol (CAF), Issa Hayatou (na foto), defendeu nesta sexta-feira uma suspensão de quatro anos para a seleção de Marrocos, depois de esta ter sido excluída da Taça das Nações Africanas de 2015 (CAN).

A organização da CAN 2015 tinha sido atribuída a Marrocos, mas o medo da propagação do vírus Ébola fez com que o país pedisse um adiamento do torneio.

A CAF, em resposta ao pedido de adiamento, retirou a organização a Marrocos e desclassificou-o da prova, alegando que isso tiraria toda a credibilidade da Confederação.

"As regras são claras", contou Hayatou, lembrando que, quando a Nigéria boicotou a CAN em 1996, depois de o seu presidente impedir a seleção de ir à África do Sul, esta ficou suspensa durante quatro anos.

"Não pode haver dois pesos e duas medidas", admitiu.

Outras Notícias

Outros conteúdos GMG