Blatter promete expulsar da FIFA todos os corruptos

A FIFA anunciou já a suspensão provisória de 11 pessoas, incluindo dois vice-presidentes, Jeffrey Webb e Eugenio Figueredo.

O presidente da FIFA, Joseph Blatter, garantiu hoje que os implicados no escândalo de corrupção que hoje abalou a instituição serão excluídos do futebol.

"É um momento difícil para o futebol, para os adeptos e para a FIFA. Este tipo de comportamentos não tem lugar no futebol e nós vamos assegurar-nos que os implicados serão excluídos do jogo", reagiu Blatter em comunicado.

Pouco antes da primeira reação do responsável máximo pelo futebol mundial, a FIFA tinha anunciada a suspensão provisória de 11 pessoas, incluindo os dois vice-presidentes Jeffrey Webb e Eugenio Figueredo.

Além de Webb e Figueredo, foram suspensos Eduardo Li, Júlio Rocha, Costas Takkas, Jack Warner e o seu filho Daryll Warner, Rafael Esquivel, José Maria Marin, Nicolás Leoz e Chuck Blazer, antigo homem forte do futebol dos Estados Unidos, ex-membro do Comité Executivo da FIFA e alegado informador da procuradoria norte-americana.

"Continuaremos a trabalhar com as autoridades competentes e vamos esforçar-nos com vigor, no interior da FIFA, para erradicar todo o comportamento inapropriado, de modo a recuperar a confiança", disse Blatter.

O dirigente revelou que a ação de hoje do Ministério Público suíço foi colocada em marcha quando a entidade que preside entregou um dossier às autoridades suíças no final do ano passado.

"Na sequência dos eventos de hoje, o comité independente de ética -- que está a analisar os processos de atribuição dos mundiais de 2018 e 2022 -- tomou medidas rápidas ao banir de qualquer actividade relacionada com futebol, a título provisório, os elementos publicamente nomeados pelas autoridades. Este tipo de ações junta-se aos passos que a FIFA deu no ano passado para afastar qualquer elemento que violasse o nosso código de ética", acrescentou.

O Departamento de Justiça dos Estados Unidos indiciou nove dirigentes ou ex-dirigentes e cinco parceiros da FIFA, acusando-os de conspiração e corrupção nos últimos 24 anos, num caso em que estarão em causa subornos no valor de 151 milhões de dólares (quase 140 milhões de euros).

Entre os acusados estão dois vice-presidentes da FIFA, o uruguaio Eugenio Figueredo e Jeffrey Webb, das Ilhas Caimão e que é também presidente da CONCACAF (Associação de Futebol da América do Norte, Central e Caraíbas), assim como o paraguaio Nicolás Leoz, ex-presidente da Confederação da América do Sul (Conmebol).

Dos restantes dirigentes indiciados fazem parte o brasileiro José María Marín, membro do comité da FIFA para os Jogos Olímpicos Rio2016, o costarriquenho Eduardo Li, Jack Warner, de Trinidad e Tobago, o nicaraguense Júlio Rocha, o venezuelano Rafael Esquivel e Costas Takkas, das Ilhas Caimão.

A FIFA suspendeu provisoriamente 11 pessoas de toda a atividade ligada ao futebol: os nove dirigentes ou ex-dirigentes indiciados e ainda Daryll Warner, filho de Jack Warner, e Chuck Blazer, antigo homem forte do futebol dos Estados Unidos, ex-membro do Comité Executivo da FIFA e alegado informador da procuradoria norte-americana, que já esteve suspenso por fraude.

A acusação surge depois de o Ministério da Justiça e a polícia da Suíça terem detido Webb, Li, Rocha, Takkas, Figueredo, Esquivel e Marin na quarta-feira, num hotel de Zurique, a dois dias das eleições para a presidência da FIFA, à qual concorrem o atual presidente, o suíço Joseph Blatter, e Ali bin Al-Hussein, da Jordânia.

Simultaneamente, as autoridades suíças abriram uma investigação à atribuição dos Mundiais de 2018 e 2022 à Rússia e ao Qatar, respetivamente.

Outras Notícias

Outros conteúdos GMG