Froome voltou a ganhar em Peña Cabarga, a pensar na vitória final

Ciclista britânico bateu Nairo Quintana ao sprint e reduz o atraso na classificação geral

A subida a Peña Cabarga não proporcionou grandes movimentações entre os ciclistas da Vuelta, mas ainda assim Chris Froome (Sky) aproveitou para bater ao 'sprint' Nairo Quintana (Movistar) e reduzir alguns segundos o atraso na classificação geral.

O britânico Froome 'explicou' à concorrência que não é só o mais forte dos favoritos no contrarrelógio e que também consegue ganhar em escaladas tão duras como a de esta quarta-feira, repetindo o sucesso de há cinco anos, no que foi a primeira grande vitória da carreira.

A etapa, de 168,6 quilómetros, entre Colunga e Peña Cabarga, termina com uma escalada de 5,6 quilómetros, com uma inclinação média de 9,8%, que chegava nos segmentos mais duros aos 18%.

Quando os favoritos passaram pelos últimos fugitivos e ficaram na frente da corrida, Quintana atacou e Froome foi o que respondeu melhor, para na aproximação à meta se adiantar um pouco, garantindo assim os dez segundos de bonificação sobre o líder da Movistar, que continua de vermelho.

Froome ganhou em 3:44.17 horas, o mesmo tempo que foi atribuído a Quintana. Alejandro Valverde (Movistar) foi terceiro, a seis segundos, e Alberto Contador (Tinkoff) o quinto, a oito segundos.

Na geral, os primeiros ficaram ligeiramente mais destacados e cada vez é mais evidente que, salvo qualquer 'golpe de teatro', a prova se decidirá entre os líderes da Movistar e da Sky: Quintana comanda, Froome está a 54 segundos, Valverde a 1.05 minutos, o colombiano Esteban Chaves (Orica-GreenEdge) - que tentou a sua sorte, no início da escalada - a 2.34 e Contador a 3.08.

Entre os portugueses, o destaque vai para Tiago Machado (Katusha), prémio de combatividade, num dia em que José Gonçalves (Caja Rural) abandonou, deixando o grupo de lusos na prova reduzido a quatro.

Machado esteve na fuga principal da etapa, de 23 ciclistas, quando estavam decorridos um pouco menos de 50 quilómetros. A 38 da meta, Machado escapou-se ao grupo e andou alguns quilómetros sozinho na frente, mas na subida para Peña Cabarga já tinha sido neutralizado o ataque.

Não seria o primeiro português na meta. Esse foi, mais uma vez, José Mendes, da Bora-Argon 18, 25.º a 1.38 de Froome. Machado seria 104.º, a 8.47. Mário Costa (Lampre) e Sérgio Paulinho (Tinkoff) perderam mais de 10 minutos e José Gonçalves (Caja Rural) desistiu.

Com menos de 70 quilómetros de corrida, Gonçalves parou a bicicleta e abandonou aVuelta, devido a problemas físicos.

Na geral, Mendes é 26.º, a 10.31, e Machado o 71.º, a 1:08.08 horas. Mais atrasados na geral estão Sérgio Paulinho e Mário Costa.

Mais Notícias

Outros conteúdos GMG