Frederico em alta com triunfo na Praia Grande

Kikas bateu Vasco Ribeiro na final e relançou esperança na conquista da Liga Moche. Emoção reservada para a decisão em Cascais

Frederico Morais está em alta. Em abril venceu na Caparica a 2.ª etapa da Liga Moche, no mesmo mês conseguiu o primeiro título no circuito de qualificação para o Mundial e ontem voltou a segurar um troféu. Foi no Allianz Sintra Pro, Praia Grande, quarta e penúltima etapa da Liga Moche. Kikas não vacilou na final e bateu o amigo Vasco Ribeiro, o surfista mais bem pontuado em todas as rondas do evento. O campeão nacional já leva duas vitórias nas três etapas em que participou (falhou a prova na Ericeira). Com este resultado, subiu do 11.º para o 5.º lugar do ranking e reacendeu a esperança na revalidação do título.

Foi uma final muito disputada entre os dois surfistas que são a maior esperança da modalidade em voltar a ter um representante (ou dois) na elite mundial - por enquanto, Tiago Pires continua a ser o único que logrou alcançar tal feito. Mal a buzina tocou, Vasco arrancou na primeira onda e conseguiu 7,5 pontos. Kikas partiu de seguida e passou a pressão para o adversário, com um 7,75. O surfista da Poça voltou à liderança com um 7,15. Frederico manteve a concentração e minutos depois fez a melhor onda da bateria, com 8,65. Vasco já não conseguiu recuperar.

Ambos tinham-se defrontado recentemente nos quartos-de-final do QS3000 da Martinica (que Kikas acabou por vencer), e o resultado acabou por pender para o mesmo lado. Frederico Morais registou a sua 12.ª vitória em provas da Liga Moche, enquanto Vasco Ribeiro continua a sua seca: não conseguiu qualquer triunfo. Apesar de tudo, o ex-campeão mundial júnior parte para a última etapa, em Cascais, mais bem posicionado que Kikas para o assalto ao título que conquistou pela última vez em 2014.

Rivais na competição e amigos fora de água, os jovens terminaram o evento com elogios. "É uma óptima vitória, principalmente contra o Vasco. É um privilégio poder viajar e não estar sozinho nesta luta que temos no WQS [circuito de qualificação para o mundial]. Ter um amigo, uma pessoa que puxa por mim, que me faz querer ir surfar, evoluir... é de tirar o chapéu e de louvar esta amizade que temos. Respeitamo-nos dentro de água e sabemos perder e ganhar um ao outro", afirmou Frederico Morais.

"Antes de mais queria dar os parabéns ao Kikas por todo o bom surf. Fazer uma final contra ele é incrível, é sempre muito divertido e disputado. É meu amigo, viajamos e competimos juntos, puxa pelo meu surf", destacou o segundo classificado na Praia Grande. Mas Vasco não se foi embora de mãos a abanar: venceu a Allianz Triple Crown, prémio ao surfista com melhores resultados nas provas da Ericeira, Costa de Caparica e Praia Grande. No surf feminino, Carol Henrique foi a vencedora do troféu.

Num dia cheio de bom surf, apesar do mar pequeno, Vasco Ribeiro afastou Tiago Pires num emocionante heat das meias-finais. Antes, Frederico Morais batera José Ferreira. Os juniores Jácome Correia e Dylon Groen, que estavam a ser a surpresa na Praia Grande, caíram nos quartos-de-final 1x1, o melhor resultado de ambos na Liga Moche.

Mesmo eliminado nos quartos-de-final por José Ferreira, Pedro Henrique deixa a Praia Grande na liderança do ranking nacional (Gony Zubizarreta falhou esta etapa e desceu para sétimo classificado), a mesma posição ocupada pela sua irmã Carol em femininos. Basta olhar para a classificação atual para perceber que a última etapa em Cascais (Guincho ou Carcavelos), de 6 a 8 de outubro, será emocionante: 1.º Pedro Henrique, 2840 pontos; 2.º Vasco Ribeiro, 2730; 3.º José Ferreira, 2570; 4.º Tiago Pires, 2520; 5.º Frederico Morais, 2500.

Mais Notícias

Outros conteúdos GMG