Fernando Santos recusa fazer "contas" e lembra que Hungria está na luta

O selecionador nacional destacou que a seleção nacional depende de si própria, enquanto Pepe lembrou que, afinal, a equipa das quinas não está tão mal como querem fazer crer.

Fernando Santos reforçou esta terça-feira que a seleção nacional depende apenas de si própria para se apurar para os oitavos de final do Euro 2020 e recusou "fazer contas" antes do derradeiro jogo do Grupo F, com a França, marcado para amanhã (20.00 horas) em Budapeste.

"Esquecer a Hungria é esquecer com quem jogaram no último jogo. Foi contra a França, campeã do mundo, e terminou 1-1. Toda a gente dizia que a Hungria iria acabar ali, mas agora já conta para o apuramento", afirmou o selecionador nacional, em conferência de imprensa, no Estádio Illovsky Rudolf, em Budapeste.

O técnico, que fazia a antevisão da partida com a França, da terceira jornada do Grupo F, na quarta-feira, recusou liminarmente que alguém na equipa lusa esteja a "fazer contas", apesar da variabilidade de resultados que permitirão o apuramento para os 'oitavos', inclusive uma derrota por dois golos diferença e desde que a Hungria não vença a Alemanha.

"Não podemos fazer contas e os meus jogadores sabem disso. Dependemos de nós, mas já sabíamos isso antes dos resultados de outros grupos. Sabendo isso, agora, é fazermos o nosso trabalho, colocando em campo a nossa capacidade, vontade, entrega e solidariedade. Dependemos de nós e isso é importante", referiu.

Com a derrota com a Alemanha (4-2), na segunda ronda, Portugal caiu para o terceiro lugar do Grupo F, com três pontos, os mesmos dos germânicos, segundos, e a um dos franceses, líderes, que empataram 1-1 com a Hungria, quarta, com um.

Face à situação, Fernando Santos referiu que os jogadores têm "noção da responsabilidade", mas assegurou que, no dia seguinte ao desaire em Munique, "a equipa já estava a reagir e em curva ascendente".

"Temos jogadores muito experientes, que jogam em equipas de topo, estão habituados a jogar ao domingo e à quarta-feira, e a reagir quando há uma derrota. Outras seleções terão maior dificuldade em reagir em situações destas, porque não têm jogadores que jogam ao domingo e à quarta", observou.

Após o encontro de Munique, Fernando Santos admitiu que Portugal foi uma equipa pouco agressiva e que, por isso, teve maiores dificuldades em controlar os ataques germânicos. Contudo, questionado sobre essa afirmação, salientou que a agressividade individual e coletiva não se adquire nos treinos.

"Não é uma coisa que se faça num treino. Só se fizermos um combate de boxe ou um treino com os rangers. A agressividade tem de ser dentro de campo. Fizemos uma introspeção do que poderíamos ter feito melhor e todos chegámos à conclusão de que a matriz de Portugal não esteve presente no jogo com a Alemanha", disse.

"Pode parecer que estamos assim tão mal, mas não estamos", diz Pepe

O defesa Pepe disse que Portugal não está assim tão mal como pode transparecer e revelou que o campeão europeu vai apresentar-se com "linhas muito juntas" frente à França.

"Em nove ponto possíveis, podemos fazer seis. Num grupo extremamente difícil pode parecer que estamos assim tão mal, mas não estamos assim tão mal. O futebol dá oportunidade de mostrar já no jogo seguinte como estamos", começou por dizer o defesa-central, durante a antevisão ao encontro desta quarta-feira.

Um dos mais experientes do grupo de 26 convocados lembra que a equipa das 'quinas' "só depende de si própria" e garante que, apesar de ser um desafio "muito difícil", os lusos vão procurar estar da "melhor maneira possível para corresponder às expectativas de todos e conseguir o objetivo de apurar" para os oitavos de final.

Para o duelo com a campeã mundial, na Puskás Arena, com cerca de 67.000 adeptos nas bancadas, Portugal vai atuar com "as linhas muito juntas, muito solidário e a trabalhar em prol da equipa", segundo o central do FC Porto.

E acrescentou: "Temos de ser uma equipa aguerrida dentro de campo, pondo sempre em prática aquilo que o nosso selecionador nos pede. Sabemos que vamos defrontar uma grande seleção, mas também temos as nossas armas e vamos procurar atacar".

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG