Federer garante liderança e iguala melhor início de ano de sempre

Suíço só perdeu um jogo nos últimos 38 que disputou, obra do belga David Goffin. Hoje discute lugar na final de Indian Wells

Aos 36 anos, Roger Federer não para de surpreender. Na madrugada de ontem, o tenista suíço avançou para as meias-finais do torneio de Indian Wells, ao bater o sul-coreano Hyeon Chung por esclarecedores 7-5 e 6-1, e assegurou desde já por mais duas semanas a liderança do ranking mundial. Mas há mais. Com este triunfo, Federer igualou o seu melhor arranque de ano da carreira, com 16 vitórias consecutivas, repetindo o feito alcançado em 2006, quando tinha... 24 anos.

Hoje, nas meias-finais do torneio estadunidense, o número 1 mundial (que não perdeu qualquer set no torneio) vai medir forças com o croata Borna Coric (49.º), que, finalmente, chegou a umas meias-finais de um torneio ATP 1000 depois de ter despachado o sul-africano Kevin Anderson (9.º) nos quartos-de-final da competição. E pode bater este seu recorde. "Foi há 12 anos [última vez que alcançou 16 vitórias consecutivas a abrir o ano]? Já passou muito tempo. Já nem me recordo qual o primeiro torneio que ganhei nesse ano. Tive temporadas em que obtive muitas conquistas, 30, 40 jogos a ganhar, mas nunca logo no início do ano. É um ótimo início de 2018. E espero vencer o próximo jogo para quebrar essa minha melhor série", referiu Federer após o jogo com Hyeon Chung.

Mas estará o suíço a ser brando nas palavras? Desde 7 de setembro do ano passado que Roger Federer apenas perdeu um jogo. O tenista obreiro desse êxito foi o belga David Goffin em pleno Masters de Londres. Assim como não quer a coisa estamos a falar de uma derrota em... 38 encontros.

Ou seja, nos últimos seis meses o helvético conquistou o Open de Shanghai, o Open de Basileia, disputado na sua cidade natal, a Taça Hopman, o Open da Austrália e, finalmente, o Open de Roterdão. Em tudo em que participou Federer deixou a sua marca, com exceção do Masters de Londres.

Mas há mais... nos últimos dez encontros, Federer concedeu apenas um set e para o agora retirado Robin Haase.

Aos 36 anos, o tenista suíço parece estar a dar razão ao velho ditado de que velhos são os trapos. E, já agora, quem sabe se Federer não quer atingir a barreira dos cem milhões de euros em prémios - para já, vai em 94...

Exclusivos

Premium

Nuno Severiano Teixeira

"O soldado Milhões é um símbolo da capacidade heroica" portuguesa

Entrevista a Nuno Severiano Teixeira, professor catedrático na Universidade Nova de Lisboa e antigo ministro da Defesa. O autor de The Portuguese at War, um livro agora editado exclusivamente em Inglaterra a pedido da Sussex Academic Press, fala da história militar do país e da evolução tremenda das nossas Forças Armadas desde a chegada da democracia.

Premium

Ferreira Fernandes

A angústia de um espanhol no momento do referendo

Fernando Rosales, vou começar a inventá-lo, nasceu em Saucelle, numa margem do rio Douro. Se fosse na outra, seria português. Assim, é espanhol. Prossigo a invenção, verdadeira: era garoto, os seus pais levaram-no de férias a Barcelona. Foram ver um parque. Logo ficou com um daqueles nomes que se transformam no trenó Rosebud das nossas vidas: Parque Güell. Na verdade, saberia só mais tarde, era Barcelona, toda ela.

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

Dos pobres também reza a história

Já era tempo de a humanidade começar a atuar sem ideias preconcebidas sobre como erradicar a pobreza. A atribuição do Prémio Nobel da Economia esta semana a Esther Duflo, ao seu marido Abhijit Vinaayak Banerjee e a Michael Kremer, pela sua abordagem para reduzir a pobreza global, parece indicar que estamos finalmente nesse caminho. Logo à partida, esta escolha reforça a noção de que a pobreza é mesmo um problema global e que deve ser assumido como tal. Em seguida, ilustra a validade do experimentalismo na abordagem que se quer cada vez mais científica às questões económico-sociais. Por último, pela análise que os laureados têm feito de questões específicas e precisas, temos a demonstração da importância das políticas económico-financeiras orientadas para as pessoas.