Soares promete dar tudo: "Não existem bolas perdidas para mim"

Avançado brasileiro ex-Vitória de Guimarães admite estar a "viver um sonho" ao mudar-se para o Dragão

Soares, reforço da equipa principal de futebol do FC Porto, revelou hoje que está "a realizar um sonho", prometendo "uma grande época".

O avançado brasileiro, que chegou do Vitória de Guimarães, prometeu ainda empenho para ajudar os 'dragões' a alcançar os objetivos pretendidos.

"Sou um jogador que não gosto de desistir facilmente, não existem bolas perdidas para mim. Tenho a certeza que vou dar o meu máximo para ajudar o FC Porto", começou por dizer o Soares em declarações ao Porto Canal.

O jogador explicou ainda que escolheu o FC Porto "pela grandeza do clube", admitindo estar a "realizar um sonho".

"Estou a dar um grande passo na minha carreira. E acredito que com a grandeza do FC Porto e com a ajuda dos meus novos companheiros vou evoluir ainda mais", afirmou ainda.

Aos adeptos Soares deixou a seguinte mensagem: "Acreditem na equipa do FC Porto que, com certeza, vai dar grandes vitórias. Vamos fazer uma grande época".

O FC Porto garantiu hoje a contratação de Soares, avançado de 26 anos, por quatro épocas e meia, ficando com uma cláusula de rescisão de 40 milhões de euros, anunciou o clube da I Liga portuguesa de futebol.

O ponta de lança brasileiro, que se desvinculou do Vitória de Guimarães no final da semana, é a primeira contratação para a equipa de Nuno Espírito Santo neste mercado de Inverno.

Após uma época e meia no Nacional, no qual somou 16 golos, Soares mudou-se depois para Guimarães, mantendo a veia de goleador, com oito golos em 21 jogos.

Exclusivos

Premium

Nuno Severiano Teixeira

"O soldado Milhões é um símbolo da capacidade heroica" portuguesa

Entrevista a Nuno Severiano Teixeira, professor catedrático na Universidade Nova de Lisboa e antigo ministro da Defesa. O autor de The Portuguese at War, um livro agora editado exclusivamente em Inglaterra a pedido da Sussex Academic Press, fala da história militar do país e da evolução tremenda das nossas Forças Armadas desde a chegada da democracia.

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

Dos pobres também reza a história

Já era tempo de a humanidade começar a atuar sem ideias preconcebidas sobre como erradicar a pobreza. A atribuição do Prémio Nobel da Economia esta semana a Esther Duflo, ao seu marido Abhijit Vinaayak Banerjee e a Michael Kremer, pela sua abordagem para reduzir a pobreza global, parece indicar que estamos finalmente nesse caminho. Logo à partida, esta escolha reforça a noção de que a pobreza é mesmo um problema global e que deve ser assumido como tal. Em seguida, ilustra a validade do experimentalismo na abordagem que se quer cada vez mais científica às questões económico-sociais. Por último, pela análise que os laureados têm feito de questões específicas e precisas, temos a demonstração da importância das políticas económico-financeiras orientadas para as pessoas.