Rúben Neves diz que lesão não foi grave e que volta em janeiro

O futebolista do FC Porto Ruben Neves revelou, numa mensagem publicada na sua página na rede social Facebook, que sofreu uma entorse no joelho direito, mas que vai voltar à competição em janeiro.

"Depois de concluídos os exames posso adiantar que graças a Deus não é nada de muito grave, 'apenas' uma entorse que em três ou quatro semanas está recuperada, foi um susto mas em janeiro estou de volta para continuar a nossa grande caminhada até ao objetivo final", escreveu o jovem jogador, de 17 anos.

Ruben Neves, que agradeceu o apoio dos adeptos portistas, lesionou-se na quarta-feira, durante o jogo da Liga dos Campeões com o Shakhtar Donetsk (1-1) e vai falhar o "clássico" com o Benfica, no domingo, da 13.ª jornada da I Liga.

Além do encontro com os "encarnados", o médio vai falhar também o jogo com o Vitória de Setúbal, da I Liga, e com o Rio Ave, de estreia na Taça da Liga, os últimos dois dos "dragões" em 2014.

O internacional sub-21 português foi substituído aos 40 minutos do sexto e último encontro do Grupo H, após choque fortuito com um dos adversários da equipa ucraniana.

Exclusivos

Premium

EUA

Elizabeth Warren tem um plano

Donald Trump continua com níveis baixos de aprovação nacional, mas capacidade muito elevada de manter a fidelidade republicana. A oportunidade para travar a reeleição do mais bizarro presidente que a história recente da América revelou existe: entre 55% e 60% dos eleitores garantem que Trump não merece segundo mandato. A chave está em saber se os democratas vão ser capazes de mobilizar para as urnas essa maioria anti-Trump que, para já, é só virtual. Em tempos normais, o centrismo experiente de Joe Biden seria a escolha mais avisada. Mas os EUA não vivem tempos normais. Kennedy apontou para a Lua e alimentava o "sonho americano". Obama oferecia a garantia de que ainda era possível acreditar nisso (yes we can). Elizabeth Warren pode não ter ambições tão inspiradoras - mas tem um plano. E esse plano da senadora corajosa e frontal do Massachusetts pode mesmo ser a maior ameaça a Donald Trump.