Paulo Fonseca: "Só a vitória nos passa pela cabeça"

Técnico do FC Porto assume o favoritismo, desvaloriza as várias declarações oriundas de Alvalade e crê que a sua equipa evoluiu no jogo com o Zenit.

Depois de ter comprometido a continuidade na Liga dos Campeões com uma derrota no Dragão frente ao Zenit (1-0), o FC Porto vai defrontar o Sporting sob pressão acrescida. Nada que preocupe Paulo Fonseca. "Estou sempre sob pressão. Temo-nos preparado bem e estamos prontos para dar uma resposta positiva em mais um jogo do campeonato. Estamos francamente otimistas", vincou, na antevisão à partida de domingo (19.45).

Líder isolado da I Liga à entrada para a 8.º jornada, o FC Porto não perde em jogos do campeonato, no Dragão, há cinco anos (75 jogos), e Paulo Fonseca não hesita em assumir o favoritismo no clássico. "Sim, o FC Porto é sempre favorito perante aquilo que é o nosso campeonato. Queremos ganhar sempre, assumo-o. Assumo o favoritismo de querer ganhar sempre e, como disse, esta partida não vai fugir à regra. Queremos ganhar e sinceramente não nos passa pela cabeça outro resultado que não a vitória", alertou.

O timoneiro dos dragões, ainda à procura de uma exibição que convença a massa adepta, recusou afirmar que o Sporting irá "pagar a fatura" (expressão celebrizada por Mourinho) pela derrota na Champions e até abdicou de responder às declarações de jogadores, dirigentes e presidente do Sporting, que ao longo da semana foram falando sobre o clássico, ao contrário dos dragões. "Não sou eu que tenho de falar. Não me preocupa minimamente o que se passa com o Sporting, apenas o que se passa e diz respeito ao FC Porto", justificou.

Paulo Fonseca aproveitou para reforçar a "confiança" em Herrera, expulso prematuramente (aos seis minutos) frente ao Zenit, e confirmou que Juan Quintero vai falhar o clássico, por lesão. "O FC Porto não está à procura de resultados, até porque está em primeiro no campeonato, está à procura é de melhorar a qualidade de jogo; que acho que tem vindo a subir. Agora, repito, este é apenas mais um jogo e não vale mais do que três pontos. É assim que o encaramos", declarou.

"Estou sempre pressionado, porque quem é treinador de um clube grande está sempre pressionado a vencer. Quem diz o contrário não fala a verdade. Mas o que sinto é a responsabilidade de quem é treinador, de quem dirige o FC Porto e sabe que tem de jogar sempre para vencer. Apenas isso. Neste caso, temos domingo mais um jogo para o campeonato, que vale três pontos que queremos conquistar", completou.

Exclusivos

Premium

João Taborda da Gama

Linhas cinzentas

Era muito arrogante, mas era verdade, e como era verdade e era arrogante eu não me cansava de o dizer, quando na minha vida a arrogância e a verdade tinham um peso maior do que hoje. E o que era verdade é que já tinha ido mais vezes a Paris do que a Cascais e o que era arrogante era dizê-lo em todo o lado, junto de quem quer que fosse, mesmo quem nunca tivesse ido a Paris, ou a Cascais, e quisesse. Tenho vindo aqui mais vezes nos últimos tempos descobrir novos nomes, novas terras, pôr caras nas terras, de Bicesse, que em criança achava ser em Angola, a Pau Gordo, que não sabia que existia.

Premium

Viriato Soromenho Marques

Na hora dos lobos

Na ação governativa emergem os sinais de arrogância e de expedita interpretação instrumental das leis. Como se ainda vivêssemos no tempo da maioria absoluta de um primeiro-ministro, que o PS apoiou entusiasticamente, e que hoje - acusado do maior e mais danoso escândalo político do último século - tem como único álibi perante a justiça provar que nunca foi capaz de viver sem o esbulho contumaz do pecúlio da família e dos amigos. Seria de esperar que o PS, por mera prudência estratégica, moderasse a sua ação, observando estritamente o normativo legal.

Premium

Rogério Casanova

Arquitectura fundida

Uma consequência inevitável da longevidade enquanto figura pública é a promoção automática a um escalão superior de figura pública: caso se aguentem algumas décadas em funções, deixam de ser tratadas como as outras figuras públicas e passam a ser tratadas como encarnações seculares de sábios religiosos - aqueles que costumavam ficar quinze anos seguidos sentados em posição de lótus a alimentar-se exclusivamente de bambu antes de explicarem o mundo em parábolas. A figura pública pode não desejar essa promoção, e pode até nem detectar a sua chegada. Os sinais acumulam-se lentamente. De um momento para o outro, frases suas começam a ser citadas em memes inspiradores no Facebook; há presidentes a espetar-lhes condecorações no peito, recebe convites mensais para debates em que se tenciona "pensar o país". E um dia, subitamente, a figura pública dá por si sentada à frente de uma câmera de televisão, enquanto Fátima Campos Ferreira lhe pergunta coisas como "Considera-se uma pessoa de emoções?" ou "Acredita em Deus?".

Premium

Maria do Rosário Pedreira

Ler e/ou escrever

Há muitos anos, recebi um original de ficção de uma autora estreante que pedia uma opinião absolutamente sincera sobre a sua obra. Designar por "obra" o que ainda não devia passar de um rascunho fez-me logo pensar em ego inflamado. Por isso decidi que, se a resposta fosse negativa, não entraria em detalhes, sob o risco de o castelo de cartas cair com demasiado estrondo. Comecei pela sinopse; mas, além de só prometer banalidades, tinha uma repetição escusada, uma imagem de gosto duvidoso, um parêntese que abria e não fechava e até um erro ortográfico que, mesmo com boa vontade, não podia ser gralha. O romance propriamente dito não era melhor, e recusei-o invocando a estrutura confusa, o final previsível, inconsistências várias e um certo desconhecimento da gramática.