O produtor de café ajuda o dragão a ser o único invicto

Miguel Layún marcou e assistiu Aboubakar frente a sadinos. Brincalhão e fã de golfe, lateral mexicano faz negócio com as críticas

Foi "um jogo de sonho", confessou Miguel Layún, no final do jogo com o Vit. Setúbal (2-0), no domingo, em que ofereceu um golo a Aboubakar e marcou outro. A veia goleadora do lateral mexicano, que tanto joga no lado esquerdo da defesa como na ala (na seleção vai ser opção a lateral direito!), veio ao de cima no dragão. Layún já tinha marcado ao Maccabi, na Liga dos Campeões.

Mas quem é Miguel Layún, o lateral goleador emprestado pelo Watford até junho de 2016? Natural de Córdoba, no México, tinha 7 anos quando começou a "chatear" o pai, jogador de fim de semana, a dizer que já sabia o que queria ser quando fosse grande: jogador de futebol. Por isso, hoje diz sentir-se abençoado por saber desde bem cedo o que queria ser na vida. "Passava a vida na rua a jogar", confessou numa entrevista que deu no México.

Começou no Cruz Azul (México), aos 15 anos, depois de ir a um treino de captação com mais 300. Foi um dos três escolhidos. O sonho começava aí, mas o profissionalismo só chegou aos 18 anos, no Veracruz. E a promessa que fez aos pais - se não conseguisse ser profissional até aos 20 anos desistia do futebol e continuava a estudar arquitetura - deixou de fazer sentido. Guardou o primeiro salário para se recordar o quanto "era importante aquele dinheiro".

Hoje, quando marca um golo procura os familiares na bancada para lhes dedicar. É uma forma de agradecer o apoio que lhe deram quando as críticas eram o pão nosso de cada dia. E que até deram origem ao #TodoEsCulpaDeLayún. A frase chegou a ecoar no México. Na hora das derrotas do América, onde jogou cinco épocas e meia, o primeiro a quem apontavam o dedo era Layún. Foi vítima de bullying nas redes sociais e nas manchetes da comunicação social.

Deu a volta, tornou-se capitão do América e passou a ser um indiscutível nas escolhas do México. "Quando te ris de ti mesmo a vida corre melhor", disse, depois de transformar o #TodoEsCulpaDeLayún num negócio de vestuário (a que junta o de produtor de café na terra natal, Córdoba).

A mulher diz que ele é um brincalhão e passa o dia a tentar pregar partidas. Ele diz que para relaxar gosta de jogar golfe, passar um dia no spa ou de um passeio de automóvel. Adora conduzir e desfrutar dos carros que tem. E também gosta de estar em casa, jogar FIFA com os amigos e ir ao cinema.

Aos 20 anos tentou emigrar e foi acusado de comprar um lugar na equipa do Atalanta. Teve de esclarecer que foi prestar provas e ficou por mérito (e por ter passaporte espanhol), mas sem saber uma palavra de italiano não foi fácil - contou com a ajuda de Costinha, "um português que tinha jogado no At. Madrid e falava espanhol".

A experiência durou pouco. Fez dois jogos e voltou ao México para jogar no América. Na época passada foi para o Watford de Inglaterra, que neste ano o emprestou ao FC Porto, por uma temporada, com opção de compra fixada em seis milhões de euros.

14 jogos sem derrotas

No domingo, ajudou o FC Porto manter a invencibilidade na época 2015-16. Os dragões são agora a única equipa invicta em todas as competições, entre os 15 países com o melhor ranking na UEFA, já que o Real Madrid perdeu em Sevilha (3-2), na liga espanhola. São 14 jogos - entre Liga, Taça de Portugal e Liga dos Campeões -, dez vitórias e quatro empates. A equipa de Julen Lopetegui lidera o Grupo G da Champions, mas ocupa a segunda posição na Liga, a cinco pontos do Sporting (com menos um jogo).

Outro clube invicto para além dos portistas é o Anorthosis Famagusta, do Chipre, mas este não está a participar em provas internacionais.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG