O maior teste do "formador" Lopetegui

FC Porto tem o maior orçamento de sempre em 2014/15 e ofereceu um plantel de luxo a Lopetegui, mas o "clássico" com o Benfica é a derradeira hipótese de evitar uma temporada sem títulos.

Julen Lopetegui enfrenta neste domingo o seu maior teste no futebol português, estando obrigado a vencer o Benfica para continuar a depender de si próprio para evitar uma época a "seco" no que a títulos diz respeito.

Quando Julen Lopetegui foi anunciado como treinador do FC Porto muitas sobrancelhas se ergueram. "Julen quê?". Depois de uma época tenebrosa, em que tudo o que podia correr mal correu, os adeptos portistas esperavam um nome impactante que fizesse esquecer as agruras de um terceiro lugar com o cunho de Paulo Fonseca (e posteriormente Luís Castro), que chegou ao clube com a aura de futuro do futebol português e saiu pela porta pequena.

Mas Jorge Nuno Pinto da Costa tinha uma ideia diferente. "Foi a primeira, a segunda e a terceira escolha", garantiu o presidente na apresentação do basco, nascido em Asteasu (Gipuzkoa). Em vez de optar por um técnico com currículo em grandes clubes, Pinto da Costa preferiu o "formador" Lopetegui, responsável pelo título europeu sub-19 da Espanha, em 2012, e de sub-21 no ano seguinte.

O FC Porto versão 2014/2015 era um viveiro de jovens talentos e ninguém melhor que um homem com credenciais comprovadas na formação para geri-lo. "Percebi que queriam criar uma maneira de entender o jogo. Por isso, contrataram 16 jogadores novos. É a equipa mais jovem da história do FC Porto", revelou em fevereiro, numa entrevista ao El País, o antigo guarda-redes suplente de Real Madrid e FC Barcelona.

Homem de desafios, Lopetegui nem hesitou. (Muito) interventivo, quer nos treinos, quer no banco, o espanhol, de voz segura e gestos frenéticos, começou por impor a sua filosofia de jogo, uma filosofia em que a posse de bola é o eixo central, fortemente suportada pela ideia de um campo mais amplo, com desmarcações nas linhas.

Na pré-época, o antigo comentador desportivo não se saiu mal: zero derrotas em oito jogos, embora nenhum deles tenha sido com um colosso do futebol atual. E no 'play-off' de apuramento para a Liga dos Campeões também não, com o Lille a ser a vítima do novo FC Porto.

O caminho na I Liga começou seguro, com três vitórias, mas, aos poucos, percebeu-se que a equipa não jogava 'à Porto', ou seja, com a garra e a raça reconhecida nos 'dragões'. Foram três os empates, com Vitória de Guimarães, Boavista e Sporting, que valeram as primeiras críticas ao basco, mas foi a derrota em casa com o Benfica que irritou verdadeiramente os portistas.

Lopetegui, de rosto permanentemente fechado e sério e jeito brusco, não convencia os adeptos e as exibições da sua jovem equipa também não. A eliminação da Taça de Portugal, na terceira eliminatória, no estádio do Dragão, com uma derrota por 3-1 com o Sporting, foi a gota de água.

A instabilidade em torno do espanhol tornou-se evidente. Trocou galhardetes com Jorge Jesus e com o vice-presidente do Benfica Rui Gomes da Silva, com o treinador português Manuel José, lançou farpas à Federação Portuguesa de Futebol, à Liga e aos árbitros, ao mesmo tempo que, no campo, a sua equipa fracassava nos momentos importantes, desaproveitando sucessivamente os tropeções dos 'encarnados'.

No domingo, quando se sentar no banco do Estádio da Luz para defrontar o líder Benfica, que está a três pontos, o espanhol, de 48 anos, enfrentará, muito provavelmente, o mais sério teste à sua condição de treinador por três épocas do FC Porto. Se perder, com os 'dragões' já afastados da Taça de Portugal, da Taça da Liga e da 'Champions', na sequência do 1-6 de terça-feira, em Munique, Lopetegui arrisca-se a ser coresponsável por uma época sem títulos.

Exclusivos

Premium

Viriato Soromenho Marques

Madrid ou a vergonha de Prometeu

O que está a acontecer na COP 25 de Madrid é muito mais do que parece. Metaforicamente falando, poderíamos dizer que nas últimas quatro décadas confirmámos o que apenas uma elite de argutos observadores, com olhos de águia, havia percebido antes: não precisamos de temer o que vem do espaço. Nenhum asteroide constitui ameaça provável à existência da Terra. Na verdade, a única ameaça existencial à vida (ainda) exuberante no único planeta habitado conhecido do universo somos nós, a espécie humana. A COP 25 reproduz também outra figura da nossa iconografia ocidental. Pela 25.ª vez, Sísifo, desta vez corporizado pela imensa maquinaria da diplomacia ambiental, transportará a sua pedra penitencial até ao alto de mais uma cimeira, para a deixar rolar de novo, numa repetição ritual e aparentemente inútil.

Premium

Maria do Rosário Pedreira

Agendas

Disse Pessoa que "o poeta é um fingidor", mas, curiosamente, é a palavra "ficção", geralmente associada à narrativa em prosa, que tem origem no verbo latino fingire. E, em ficção, quanto mais verdadeiro parecer o faz-de-conta melhor, mesmo que a história esteja longe de ser real. Exímios nisto, alguns escritores conseguem transformar o fingido em algo tão vivo que chegamos a apaixonar-nos por personagens que, para nosso bem, não podem saltar do papel. Falo dos criminosos, vilões e malandros que, regra geral, animam a literatura e os leitores. De facto, haveria Crime e Castigo se o estudante não matasse a onzeneira? Com uma Bovary fiel ao marido, ainda nos lembraríamos de Flaubert? Nabokov ter-se-ia tornado célebre se Humbert Humbert não andasse a babar-se por uma menor? E poderia Stanley Kowalski ser amoroso com Blanche DuBois sem o público abandonar a peça antes do intervalo e a bocejar? Enfim, tratando-se de ficção, é um gozo encontrar um desses bonitões que levam a rapariga para a cama sem a mais pequena intenção de se envolverem com ela, ou até figuras capazes de ferir de morte com o refinamento do seu silêncio, como a mãe da protagonista de Uma Barragem contra o Pacífico quando recebe a visita do pretendente da filha: vê-o chegar com um embrulho descomunal, mas não só o pousa toda a santa tarde numa mesa sem o abrir, como nem sequer se digna perguntar o que é...

Premium

Adolfo Mesquita Nunes

Adelino Amaro da Costa e a moderação

Nunca me vi como especial cultor da moderação em política, talvez porque tivesse crescido para ela em tempos de moderação, uma espécie de dado adquirido que não distingue ninguém. Cheguei mesmo a ser acusado do contrário, pela forma enfática como fui dando conta das minhas ideias, tantas vezes mais liberais do que a norma, ou ainda pelo meu especial gosto em contextualizar a minha ação política e governativa numa luta pela liberdade.

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

"O clima das gerações"

Greta Thunberg chegou nesta semana a Lisboa num dia cheio de luz. À chegada, disse: "In order to change everything, we need everyone." Respondemos-lhe, dizendo que Portugal não tem energia nuclear, que 54% da eletricidade consumida no país é proveniente de fontes renováveis e que somos o primeiro país do mundo a assumir o compromisso de alcançar a neutralidade de carbono em 2050. Sabemos - tal como ela - que isso não chega e que o atraso na ação climática é global. Mas vamos no caminho certo.