Dragões vencem em Guimarães e despedem-se da época com recorde

Golo de cabeça de Marcano, na resposta a um livre lateral apontado na esquerda por Alex Telles, deu a vitória ao FC Porto este sábado no terreno do Vitória minhoto, em partida da 34.ª e última jornada da I Liga

O FC Porto fechou este domingo a sua participação na I Liga 2017/18 com uma vitória no terreno do V. Guimarães (1-0), que permitiu igualar o recorde de pontos do campeonato português (88), estabelecido há dois anos pelo Benfica de Rui Vitória.

Depois de uma primeira parte amorfa, entre duas equipas já sem objetivos por concretizar, o único golo do encontro chegou aos 69 minutos pela cabeça de Marcano, na sequência de um livre apontado no lado esquerdo por Alex Telles.

Os vimaranenses mantêm, para já, o oitavo lugar, mas podem ser ultrapassados ainda este sábado pelo Boavista, que recebe o Belenenses (20.00).

Onzes iniciais:

V. Guimarães - Miguel Silva; Sacko, João Afonso, Jubal e Konan; Rafael Miranda e Wakaso; Raphinha, Mattheus e Heldon; Rafael Martins

Suplentes: Douglas, Francisco Ramos, João Aurélio, Estupiñan, Dénis, Tallo e Sturgeon

FC Porto - Vaná; Maxi Pereira, Felipe, Marcano e Alex Telles; Corona, Herrera, Óliver e Brahimi; Marega e Gonçalo Paciência.

Suplentes: Fabiano, Hernâni, Aboubakar, André André, Ricardo, Sérgio Oliveira e Soares

Árbitro: João Capela (AF Lisboa)

Ler mais

Exclusivos

Premium

Adriano Moreira

O relatório do Conselho de Segurança

A Carta das Nações Unidas estabelece uma distinção entre a força do poder e o poder da palavra, em que o primeiro tem visibilidade na organização e competências do Conselho de Segurança, que toma decisões obrigatórias, e o segundo na Assembleia Geral que sobretudo vota orientações. Tem acontecido, e ganhou visibilidade no ano findo, que o secretário-geral, como mais alto funcionário da ONU e intervenções nas reuniões de todos os Conselhos, é muitas vezes a única voz que exprime o pensamento da organização sobre as questões mundiais, a chamar as atenções dos jovens e organizações internacionais, públicas e privadas, para a necessidade de fortalecer ou impedir a debilidade das intervenções sustentadoras dos objetivos da ONU.