Madjer e o golo de Brahimi: "Um momento espetacular, fiquei muito feliz por ele"

Madjer vibrou com o golo de Brahimi na Champions e não compreende como o compatriota não tem sido mais vezes titular

Quase 30 anos depois, um calcanhar argelino voltou a dar alegrias aos adeptos do FC Porto. Depois de Madjer ter marcado, na final da Taça dos Campeões Europeus de 1987, um dos mais audazes golos que a história já testemunhou, Yacine Brahimi reeditou a proeza do compatriota, ao marcar de calcanhar na goleada ao Leicester, por 5-0, que carimbou a qualificação dos dragões para os oitavos de final da Liga dos Campeões.

O gesto técnico não foi exatamente igual, mas foi o suficiente para trazer à memória o mais célebre golo de Madjer, que vibrou à distância com a ousadia de Brahimi. "Vi o jogo e fiquei muito feliz com aquele momento. Foi um espetacular momento de antologia. Lembrei-me do meu golo em Viena, claro, embora tenham sido diferentes. Eu estava de costas para a baliza, o Brahimi fez o remate um pouco em letra. Mas foi um momento espetacular, fiquei muito feliz por ele", disse ao DN o antigo futebolista argelino.

Curiosamente, os golos de calcanhar têm sido recorrentes no passado recente do FC Porto. Mangala, Indi, Héctor Herrera, Jackson Martínez e Falcao são exemplos de jogadores que fizeram golos desta forma pelos portistas. "São sempre momentos de antologia", diz Madjer, incapaz de escolher qual foi o mais bonito golo de calcanhar, se o seu ou o de Brahimi. "Não me peça isso, não o vou dizer. Não quero dizer que o meu foi melhor do que o dele ou o contrário. O importante é que o FC Porto ganhou e fico sempre feliz quando Brahimi faz a diferença", sublinhou.

Diante do Leicester, Brahimi foi titular apenas pela terceira vez nesta época, e a sua chamada à equipa titular foi motivada pela lesão de Otávio. O criativo argelino tinha feito apenas um jogo em novembro - frente ao Belenenses, na Taça da Liga -, mas revelou-se em forma diante de Sp. Braga e Leicester e reclama um lugar entre as opções de Nuno Espírito Santo.

"Não sei por que não joga mais, só sei que temos sempre que respeitar as decisões do treinador. O Brahimi sabe disso. A verdade é que ele já mostrou o grande jogador que é. É capaz de coisas incríveis. Sinceramente, penso que ele mostrou ao treinador que merece uma segunda chance para ser titular", defende Madjer.

Até à última jornada da fase de grupos, Brahimi tinha jogado apenas 50 minutos na Champions, mas após a exibição diante do Leicester Nuno Espírito Santo dificilmente resistirá em dar-lhe a titularidade frente ao Feirense, jogo em que o FC Porto terá a oportunidade de recuperar terreno em relação a Benfica ou Sporting - ou ambos, caso haja empate no dérbi na Luz.

Madjer tem acompanhado a temporada do FC Porto e acredita que esta vitória pode relançar a equipa. "O FC Porto esteve algum tempo sem marcar, mas é sempre uma equipa lutadora. Acredito que vai estar na luta até ao final. O Benfica está bem, mas o FC Porto já mostrou a sua força esta época. Continuo a acreditar claramente no título. Há que confiar nos jogadores e no treinador", defende a antiga glória portista, que não deixa de apelar a mais tempo de jogo para Brahimi. "Para mim, jogava sempre. Mas quero deixar claro que temos que respeitar o treinador, como sempre", vincou.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ferreira Fernandes

Conhecem a última anedota do Brexit?

Quando uma anedota é uma anedota merece ser tratada como piada. E se a tal anedota ocupa um importante cargo histórico não pode ser levada a sério lá porque anda com sapatos de tigresa. Então, se a sua morada oficial é em Downing Street, o nome da rua - "Downing", que traduzido diz "cai, desaba, vai para o galheiro..." - vale como atual e certeira análise política. Tal endereço, tal país. Também o número da porta de Downing Street, o "10", serve hoje para fazer interpretações políticas. Se o algarismo 1 é pela função, mora lá a primeira-ministra, o algarismo 0 qualifica a atual inquilina. Para ser mais exato: apesar de ela ser conservadora, trata-se de um zero à esquerda. Resumindo, o que dizer de uma poderosa governante que se expõe ao desprezo quotidiano do carteiro?

Premium

Adolfo Mesquita Nunes

A escolha de uma liberdade

A projeção pública da nossa atividade, sobretudo quando, como é o caso da política profissional, essa atividade é, ela própria, pública e publicamente financiada, envolve uma certa perda de liberdade com que nunca me senti confortável. Não se trata apenas da exposição, que o tempo mediático, por ser mais veloz do que o tempo real das horas e dos dias, alargou para além da justíssima sindicância. E a velocidade desse tempo, que chega a substituir o tempo real porque respondemos e reagimos ao que se diz que é, e não ao que é, não vai abrandar, como também se não vai atenuar a inversão do ónus da prova em que a política vive.

Premium

Marisa Matias

Penalizações antecipadas

Um estudo da OCDE publicado nesta semana mostra que Portugal é dos países que mais penalizam quem se reforma antecipadamente e menos beneficia quem trabalha mais anos do que deve. A atual idade de reforma é de 66 anos e cinco meses. Se se sair do mercado de trabalho antes do previsto, o corte é de 36% se for um ano e de 45%, se forem três anos. Ou seja, em três anos é possível perder quase metade do rendimento para o qual se trabalhou uma vida. As penalizações são injustas para quem passou, literalmente, a vida toda a trabalhar e não tem como vislumbrar a possibilidade de deixar de fazê-lo.

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

O planeta dos sustentáveis 

Ao ambiente e ao planeta já não basta a simples manifestação da amizade e da esperança. Devemos-lhes a prática do respeito. Esta é, basicamente, a mensagem da jovem e global ativista Greta Thunberg. É uma mensagem positiva e inesperada. Positiva, porque em matéria de respeito pelo ambiente, demonstra que já chegámos à consciencialização urgente de que a ação já está atrasada em relação à emergência de catástrofes como a de Moçambique. Inesperada (ao ponto do embaraço para todos), pela constatação de que foi a nossa juventude, de facto e pela onda da sua ação, a globalizar a oportunidade para operacionalizar a esperança.