Sérgio Conceição: "Temos uma dinâmica muito forte mas ainda não conquistámos nada"

Treinador dos dragões analisou a visita deste domingo do FC Porto ao terreno do Portimonense, que terminou com vitória azul e branca por 5-1, em partida da 24.ª jornada da I Liga

"Entramos sempre fortes no jogo e a estratégia passava por meter intensidade no jogo e condicionar dinâmica do Portimonense. Estávamos precavidos para o jogo direto. Anulámos o ponto forte do Portimonense, que são as transições e a verticalidade. Com o 3-0, baixámos a intensidade e permitimos algumas ocasiões ao Portimonense. Ficou demonstrado que temos uma equipa com uma dinâmica muito forte. Mas ainda não conquistámos nada. Continuamos o nosso caminho. Palavra para o Portimonense, que tem feito um campeonato bastante bom mas hoje encontrou um FC Porto bastante forte", começou por dizer Sérgio Conceição, na zona de entrevistas rápidas da Sport TV.

"Não jogamos para mostrar algo aos outros. Jogamos para mostrarmos a nós próprios que somos capazes de colocar em prática o que trabalhamos. Ficamos agradados em ganhar os jogos, mas não vivemos, treinamos ou jogamos a pensar no que os outros podem fazer", afirmou, quando questionado se a goleada em Portimão podia servir para enviar uma mensagem ao próximo adversário, o Sporting, que se desloca ao Dragão na sexta-feira.

Sobre a estreia de Diogo Dalot a titular na I Liga, o técnico portista disse que o jovem lateral "esteve bem, como toda a equipa". "É um miúdo que tem feito um trabalho excecional na equipa B. Tem a ver com o trabalho que o Folha tem feito na equipa B. Teve um comportamento muito bom, mas foi só um jogo. O sucesso não tem a ver com uma ou outra boa exibição, mas sim em dar continuidade. Ele tem qualidade para se afirmar no FC Porto", aditou, ainda sem informações sobre a lesão de Soares, que foi substituído no decorrer da segunda parte devido a queixas musculares.

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Almeida Moreira

Bolsonaro, curiosidade ou fúria

Perante um fenómeno que nos pareça ultrajante podemos ter uma de duas atitudes: ficar furiosos ou curiosos. Como a fúria é o menos produtivo dos sentimentos, optemos por experimentar curiosidade pela ascensão de Jair Bolsonaro, o candidato de extrema-direita do PSL em quem um em cada três eleitores brasileiros vota, segundo sondagem de segunda-feira do banco BTG Pactual e do Instituto FSB, apesar do seu passado (e presente) machista, xenófobo e homofóbico.