Sérgio Conceição pediu desculpa a Rui Vitória, mas ele não aceitou

Treinador do FC Porto explica zanga com Rui Vitória e reconhece que este "foi coerente"

Sérgio Conceição contou em entrevista à SIC que se excedeu com Rui Vitória e que depois lhe pediu desculpa. Algo que o treinador do Benfica não aceitou. Começando por dizer que não sabia se valia a pena "tocar no assunto", o treinador do FC Porto contou como foi a sua zanga com Rui Vitória.

"Lembro-me do nosso jogo com o Benfica aqui no Dragão, houve uns lances polémicos e no fim do jogo fui ter com o Rui Vitória e ele disse-me que não precisava de ver os lances porque já havia muita gente a fazê-lo", começa por contar Sérgio Conceição. Umas semanas mais tarde, viu o treinador do Benfica a comentar lances, da forma que antes se tinha recusado fazer. "Na semana seguinte fui um bocadinho longe demais, admito, ao comentar isso e depois pedi desculpa." Primeiro através do agente de Rui Vitória e depois no momento do jogo com o Benfica na Luz (que o Porto venceu). "Fui ter com ele para lhe pedir desculpa e ele não aceitou."

Na semana seguinte fui um bocadinho longe demais, admito, ao comentar isso e depois pedi desculpa

Uma atitude que Sérgio Conceição entende, tal como o facto de Rui Vitória não o ter felicitado por ter conquistado o campeonato. "Foi coerente, não me surpreendeu", apontou.

O treinador do FC Porto falou ainda das agressões aos jogadores do Sporting, em pleno balneário. "Lamento o que aconteceu. Isto não é futebol." Recusando comentar como reagiria se um presidente criticasse os seus jogadores em público, como Bruno de Caravlho fez.

Sérgio Conceição não quis revelar se se vai manter à frente do comando técnico da equipa azul e branca, mas sublinhou que o objetivo do FC Porto é continuar a ganhar títulos. Falando apenas que o que vê "no futuro próximo" é ir para o Olival trabalhar com a equipa.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Henrique Burnay

Discretamente, sem ninguém ver

Enquanto nos Estados Unidos se discute se o candidato a juiz do Supremo Tribunal de Justiça americano tentou, ou não, há 36 anos abusar, ou mesmo violar, uma colega (quando tinham 17 e 15 anos), para além de tudo o que Kavanauhg pensa, pensou, já disse ou escreveu sobre o que quer que seja, em Portugal ninguém desconfia quem seja, o que pensa ou o que pretende fazer a senhora nomeada procuradora-geral da República, na noite de quinta-feira passada. Enquanto lá se esmiúça, por cá elogia-se (quem elogia) que o primeiro-ministro e o Presidente da República tenham muito discretamente combinado entre si e apanhado toda a gente de surpresa. Aliás, o apanhar toda a gente de surpresa deu, até, direito a que se recordasse como havia aqui genialidade tática. E os jornais que garantiram ter boas fontes a informar que ia ser outra coisa pedem desculpa mas não dizem se enganaram ou foram enganados. A diferença entre lá e cá é monumental.