Sérgio Conceição: "Lamento profundamente se pensaram que foi uma ofensa"

Treinador do FC Porto retratou-se das palavras dirigidas a Rui Vitória

Sérgio Conceição pediu hoje, em conferência de imprensa, um FC Porto "pragmático e objetivo" na visita ao Moreirense, em jogo dos quartos de final da Taça de Portugal de futebol. E retratou-se das palavras dirigidas a Rui Vitória.

"Há uma polémica enorme que tem havido sobre as palavras que tive no final do jogo frente ao Vitória de Guimarães e eu quero esclarecer que nunca foi minha intenção ofender ninguém. Sou frontal. Falo de uma forma apaixonada. O exemplo que eu dei foi menos feliz da minha parte. Lamento profundamente se pensaram que foi uma ofensa, mas não foi, de forma nenhuma. Estava a referir-me à tal incoerência" disse o técnico sobre as declarações, no final do jogo entre o FC Porto e o Vitória de Guimarães, para o campeonato, nas quais comparou o técnico benfiquista a um boneco.

Sérgio Conceição ressalvou novamente o facto de não ter tentado ofender Rui Vitória, salientando: "Sou frontal. Não tenho medo das palavras. Mas não fui feliz num exemplo que dei de um colega meu de profissão".

O treinador do FC Porto revelou que está à espera de dificuldades no encontro em Moreira de Cónegos, não só devido ao valor do adversário, mas também devido às condições do Estádio Comendador Joaquim de Almeida Freitas, nomeadamente do relvado.

"Espera-nos um jogo certamente difícil. Não só pela capacidade e qualidade do Moreirense, mas também pelas condições que vamos encontrar, daquilo que é o terreno de jogo, as dimensões e o estado do terreno...tudo isso faz com que seja mais difícil o jogo. Estamos preparados. Temos de ser uma equipa pragmática e objetiva. Prevejo um jogo dentro daquilo que é a disputa das primeiras e das segundas bolas. Vamos, com certeza, estar preparados para que seja difícil jogar. Queremos passar, e vamos fazer tudo para que isso aconteça", disse Sérgio Conceição.

Relativamente ao mercado e à possível contratação de reforços, o treinador voltou a deixar no ar a possibilidade de entradas, caso essas se justifiquem.

"Há sempre a possibilidade de ajustar, mas se vier é alguém para acrescentar e não só por vir. Não gosto e não estou de acordo com o mercado de inverno. Deveria ser só de uma semana. Mesmo o tempo do mercado de verão é exagerado, começamos o campeonato e ainda está aberto. Aliás, no fórum de treinadores da UEFA isso foi discutido", referiu.

Ainda em relação ao mercado, Sérgio Conceição foi questionado sobre a transferência milionária de Philippe Coutinho, contratado pelo Barcelona ao Liverpool, adversário dos dragões nos oitavos de final da Liga dos Campeões, assumindo que é melhor para a sua equipa não ter pela frente o brasileiro.

"Sair o Coutinho? É positivo. A tendência do mercado é estes tubarões serem cada vez mais fortes em função da capacidade financeira que têm. Mas fiquei contente pelo Coutinho sair. É um jogador chave, muito importante no Liverpool", disse ainda.

O FC Porto desloca-se na quinta-feira ao terreno do Moreirense, em jogos dos quartos de final da Taça, com início agendado para as 20:30.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Henrique Burnay

A ameaça dos campeões europeus

No dia 6 de fevereiro, Margrethe Vestager, numa só decisão, fez várias coisas importantes para o futuro da Europa, mas (quase) só os jornais económicos repararam. A comissária europeia para a Concorrência, ao impedir a compra da Alstom pela Siemens, mostrou que, onde a Comissão manda, manda mais do que os Estados membros, mesmo os grandes; e, por isso mesmo, fez a Alemanha e a França dizerem que querem rever as regras do jogo; relançou o debate sobre se a Europa precisa, ou não (e em que condições), de campeões para competir na economia global; e arrasou com as suas possibilidades (se é que existiam) de vir a suceder a Jean-Claude Juncker.

Premium

Anselmo Borges

Islamofobia e cristianofobia

1. Não há dúvida de que a visita do Papa Francisco aos Emirados Árabes Unidos de 3 a 5 deste mês constituiu uma visita para a história, como aqui procurei mostrar na semana passada. O próprio Francisco caracterizou a sua viagem como "uma nova página no diálogo entre cristianismo e islão". É preciso ler e estudar o "Documento sobre a fraternidade humana", então assinado por ele e pelo grande imã de Al-Azhar. Também foi a primeira vez que um Papa celebrou missa para 150 mil cristãos na Península Arábica, berço do islão, num espaço público.

Premium

Adriano Moreira

Uma ameaça à cidadania

A conquista ocidental, que com ela procurou ocidentalizar o mundo em que agora crescem os emergentes que parecem desenhar-lhe o outono, do modelo democrático-liberal, no qual a cidadania implica o dever de votar, escolhendo entre propostas claras a que lhe parece mais adequada para servir o interesse comum, nacional e internacional, tem sofrido fragilidades que vão para além da reforma do sistema porque vão no sentido de o substituir. Não há muitas décadas, a última foi a da lembrança que deixou rasto na Segunda Guerra Mundial, pelo que a ameaça regressa a várias latitudes.