Sérgio Conceição e o recorde de pontos: "Passa-me ao lado"

"Foco principal" do treinador do FC Porto é o jogo de sábado com o Vitória de Guimarães. Mercado de transferências "fica à porta do Olival".

Para o treinador do FC Porto, Sérgio Conceição, o "foco principal" é só um: o último jogo da I Liga 2017/18, frente ao Vitória de Guimarães (sábado, 16:00, na cidade-berço). A hipótese de bater o recorde de pontos da I Liga, em casa de triunfo, passa-lhe ao lado. E o mercado de transferências (quanto a entradas e saídas do clube, incluindo a sua) também. As garantias foram deixadas pelo treinador, esta sexta-feira, na conferência de imprensa de antevisão do encontro com o clube minhoto.

"O foco principal é este jogo. A estatística passa-me ao lado. Claro que ficaremos contentes com essa marca dos 88 pontos, mas não passa disso mesmo. Nunca fez parte do meu discurso", apontou o técnico. "Preparo o jogo não a pensar em recordes, mas sim com o intuito de ganhar", acrescentou, sem querer revelar em que jogadores vai apostar (nomeadamente, se vai dar os primeiros minutos na I Liga aos guarda-redes Vaná e Fabiano). "Não posso, porque isso não faz parte daquilo que sou enquanto treinador, daquilo que é a minha comunicação e gestão. Se fosse a dizer, vocês sabiam quem ia defender, quem ia ficar no banco... Nunca fiz isso. Tirando o Felipe, que já sabem que vai jogar [uma compensação, por ter falhado o jogo com o Feirense, por castigo], o resto vão saber amanhã", explicou Sérgio Conceição.

De resto, o treinador do FC Porto também não abriu o jogo quanto ao futuro - o seu e dos outros ativos do plantel. "Tudo o que é mercado neste momento não é importante, nem quero falar disso. Acho que, neste momento, o foco é preparar bem o jogo de amanhã", disse, sem deixar garantias aos adeptos quanto à próxima temporada. ""Não tenho de garantir nada. Não há nada para garantir. Sempre disse que tudo o que seja mercado, entradas e saídas, fica à porta do [centro de treinos] Olival. E fica. Não quer dizer que não se esteja já a pensar na próxima época, mas não é no Olival que se passa isso. É fora daqui", concluiu.

Ler mais

Exclusivos

Premium

nuno camarneiro

Uma aldeia no centro da cidade

Os vizinhos conhecem-se pelos nomes, cultivam hortas e jardins comunitários, trocam móveis a que já não dão uso, organizam almoços, jogos de futebol e até magustos, como aconteceu no sábado passado. Não estou a descrever uma aldeia do Minho ou da Beira Baixa, tampouco uma comunidade hippie perdida na serra da Lousã, tudo isto acontece em plena Lisboa, numa rua com escadinhas que pertence ao Bairro dos Anjos.

Premium

Rui Pedro Tendinha

O João. Outra vez, o João Salaviza...

Foi neste fim de semana. Um fim de semana em que o cinema português foi notícia e ninguém reparou. Entre ex-presidentes de futebol a serem presos e desmentidos de fake news, parece que a vitória de Chuva É Cantoria na Aldeia dos Mortos, de Renée Nader Messora e João Salaviza, no Festival do Rio, e o anúncio da nomeação de Diamantino, de Daniel Schmidt e Gabriel Abrantes, nos European Film Awards, não deixou o espaço mediático curioso.