"Quanto mais nos aproximamos do final mais difíceis os jogos são"

O treinador do FC Porto, Sérgio Conceição, admitiu hoje um jogo complicado na visita de domingo ao Paços de Ferreira, na 26.ª jornada da I Liga de futebol, considerando que o penúltimo lugar não reflete o real valor do adversário.

Em conferência de imprensa, Sérgio Conceição revelou-se preparado para as dificuldades que o adversário vai apresentar ao líder do campeonato e garantiu estar focado apenas na vitória.

"Este é um campo complicado. O Paços de Ferreira é um clube que tem sócios muito apaixonados. As equipas são sempre muito competitivas e criam dificuldades. Ainda por cima estando na situação complicada. Têm um grupo bem organizado e essa posição na tabela não demonstra o real valor enquanto equipa", começou por afirmar o treinador dos 'dragões'.

Sérgio Conceição desvalorizou ainda o facto de os pacenses estarem em posição de descida, afirmando que o FC Porto não olha para a posição dos adversários.

"Preparamo-nos em função do que é a nossa equipa estando, obviamente, atentos ao que é a valia do adversário e dos pontos que achamos importantes, tanto defensivamente como ofensivamente. E sabemos que vamos encontrar dificuldades", sublinhou.

Quando questionado se a possibilidade de ser campeão é, nesta altura, um sonho ou uma obsessão, Sérgio Conceição foi claro.

"O título nesta casa não tem que ser um sonho. Sonho é para as equipas que não estão habituadas a ganhar. Nós estamos. Mas há um longo caminho. Estamos numa situação boa porque estamos em primeiro, mas só isso não chega. É preciso trabalhar da mesma forma, encarar os nove jogos como finais e encarar o próximo jogo como o mais importante. Não vai mudar nada até ao final. Tendo sempre a consciência de que quanto mais se vai aproximando o final os jogos são mais difíceis", referiu.

A polémica que tem envolvido o Benfica, nomeadamente o caso 'e-toupeira', e que levou à detenção de Paulo Gonçalves, assessor jurídico dos 'encarnados', não passou despercebida ao treinador que não quis, no entanto, alargar-se muito no tema.

"A partir do momento que entramos aqui no Olival toda a bicharada fica lá fora, sejam toupeiras, contratos, jogadores que renovam. Não se comenta nada no balneário. A partir do momento em que entramos neste portão falamos só da dinâmica diária. Obviamente que estamos atentos, mas temos pessoas que falam disso, nomeadamente o responsável pela comunicação, que o faz melhor que eu. De futebol falo eu e o presidente", disse.

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Gobern

As vidas atrás dos espelhos

Mais do que qualquer apetite científico ou do que qualquer desejo de mergulho académico, o prazer dos documentários biográficos vai-me servindo sobretudo para aconchegar a curiosidade e a vontade de descobrir novos pormenores sobre os visados, até para poder ligar pontas que, antes dessas abordagens, pareciam soltas e desligadas. No domínio das artes, essas motivações crescem exponencialmente, até por permitirem descobrir, nas vidas, circunstâncias e contextos que ganham reflexo nas obras. Como estas coisas valem mais quando vão aparecendo naturalmente, acontecem-me por revoadas. A presente pôs-me a ver três poderosos documentos sobre gente do cinema, em que nem sempre o "valor facial" retrata o real.

Premium

nuno camarneiro

Uma aldeia no centro da cidade

Os vizinhos conhecem-se pelos nomes, cultivam hortas e jardins comunitários, trocam móveis a que já não dão uso, organizam almoços, jogos de futebol e até magustos, como aconteceu no sábado passado. Não estou a descrever uma aldeia do Minho ou da Beira Baixa, tampouco uma comunidade hippie perdida na serra da Lousã, tudo isto acontece em plena Lisboa, numa rua com escadinhas que pertence ao Bairro dos Anjos.

Premium

Rui Pedro Tendinha

O João. Outra vez, o João Salaviza...

Foi neste fim de semana. Um fim de semana em que o cinema português foi notícia e ninguém reparou. Entre ex-presidentes de futebol a serem presos e desmentidos de fake news, parece que a vitória de Chuva É Cantoria na Aldeia dos Mortos, de Renée Nader Messora e João Salaviza, no Festival do Rio, e o anúncio da nomeação de Diamantino, de Daniel Schmidt e Gabriel Abrantes, nos European Film Awards, não deixou o espaço mediático curioso.