Sérgio Conceição acha exagerado o castigo de Herrera

O treinador Sérgio Conceição desvalorizou hoje a diferença de pontos entre o FC Porto e o Feirense, adversário da 16.ª jornada da I Liga de futebol, garantindo que os 'dragões' esperam um jogo difícil.

O técnico portista salientou a organização defensiva do Feirense, mas destacou também outras condicionantes que podem dificultar a tarefa do FC Porto no jogo desta quarta-feira.

"Não olhamos para a diferença de pontos do adversário, mas para o que o adversário pode fazer. Olhamos sim para os pontos fortes e fracos, mas nunca olhamos para a tabela. Nestes jogos há sempre uma motivação grande e vontade de se superar. Vamos ter jogo um difícil, onde o adversário quer acabar com esse ciclo menos positivo que tem tido, mas nós temos que pensar no nosso objetivo independentemente da vontade do adversário, do relvado, da luz, independentemente das dificuldades que podemos encontrar", esclareceu.

Sobre o adversário, Sérgio Conceição tem boas referências, nomeadamente o treinador, Nuno Manta Santos.

"O Feirense é uma equipa bem organizada defensivamente. Contra os grandes tem demonstrado essa consistência defensiva. Mas nós criámos dificuldade em situações de finalização. Não é por acaso que somos a equipa com mais golos. Conheço bem o Nuno, é um treinador inteligente e sabe organizar bem a equipa. Jogar um jogo grande faz com que a equipa crie dificuldades, mas isso é o que estamos à espera. Não vai ser fácil", disse ainda.

Sérgio Conceição explicou ainda que não está a pensar no resultado do 'clássico' (Sporting-Benfica) e que se preocupa essencialmente "com o trabalho da equipa" portista.

"Estou focado no nosso jogo. Se ganharmos podemos ganhar pontos aos dois ou a um deles. Não faço contas nesse sentido. O importante é fazermos o nosso trabalho. Nada é decisivo nesta altura, temos mais de metade do campeonato para jogar ainda", acrescentou.

O treinador da equipa 'azul e branca' comentou o castigo de dois jogos a Herrera, que no passado jogo com o Paços de Ferreira, para a Taça da Liga, foi expulso com cartão vermelho direto.

" Penso que, de certa forma, é exagerado. Não estou muito por dentro das regras. Ele teve o gesto, é verdade. Não sei é se é merecedor de dois jogos. Mas, não sei o que dizem as regras. Ele teve uma atitude que não devia ter, não estará com o Feirense, estará outro. Temos o Sérgio Oliveira, o Óliver, o André André, o Layún também pode jogar ali. O Herrera tem sido muito importante para nós, mas esta é a vida das equipas", afirmou.

Sérgio Conceição comentou ainda a possibilidade de reforçar o plantel no mercado de inverno.

"O que o presidente disse é que se não houvessem castigos ou lesões não havia necessidade de contratações. O Herrera está castigado, o Otávio está lesionado. Não podemos prever isso", concluiu.

O FC Porto, líder da I Liga de futebol, desloca-se esta quarta-feira, às 18:15 horas, a Santa Maria da Feira para defrontar o Feirense, 13.º classificado, em jogo da 16.ª jornada da prova.

Exclusivos

Premium

Ferreira Fernandes

"Corta!", dizem os Diáconos Remédios da vida

É muito irónico Plácido Domingo já não cantar a 6 de setembro na Ópera de São Francisco. Nove mulheres, todas adultas, todas livres, acusaram-no agora de assédios antigos, quando já elas eram todas maiores e livres. Não houve nenhuma acusação, nem judicial nem policial, só uma afirmação em tom de denúncia. O tenor lançou-lhes o seu maior charme, a voz, acrescida de ter acontecido quando ele era mais magro e ter menos cãs na barba - só isso, e que já é muito (e digo de longe, ouvido e visto da plateia) -, lançou, foi aceite por umas senhoras, recusado por outras, mas agora com todas a revelar ter havido em cada caso uma pressão por parte dele. O âmago do assunto é no fundo uma das constantes, a maior delas, daquilo que as óperas falam: o amor (em todas as suas vertentes).

Premium

Crónica de Televisão

Os índices dos níveis da cadência da normalidade

À medida que o primeiro dia da crise energética se aproximava, várias dúvidas assaltavam o espírito de todos os portugueses. Os canais de notícias continuariam a ter meios para fazer directos em estações de serviço semidesertas? Os circuitos de distribuição de vox pop seriam afectados? A língua portuguesa resistiria ao ataque concertado de dezenas de repórteres exaustos - a misturar metáforas, mutilar lugares-comuns ou a começar cada frase com a palavra "efectivamente"?

Premium

Margarida Balseiro Lopes

O voluntariado

A voracidade das transformações que as sociedades têm sofrido nos últimos anos exigiu ao legislador que as fosse acompanhando por via de várias alterações profundas à respetiva legislação. Mas há áreas e matérias em que o legislador não o fez e o respetivo enquadramento legal está manifestamente desfasado da realidade atual. Uma dessas áreas é a do voluntariado. A lei publicada em 1998 é a mesma ao longo destes 20 anos, estando assim obsoleta perante a realidade atual.