Sérgio Conceição acha exagerado o castigo de Herrera

O treinador Sérgio Conceição desvalorizou hoje a diferença de pontos entre o FC Porto e o Feirense, adversário da 16.ª jornada da I Liga de futebol, garantindo que os 'dragões' esperam um jogo difícil.

O técnico portista salientou a organização defensiva do Feirense, mas destacou também outras condicionantes que podem dificultar a tarefa do FC Porto no jogo desta quarta-feira.

"Não olhamos para a diferença de pontos do adversário, mas para o que o adversário pode fazer. Olhamos sim para os pontos fortes e fracos, mas nunca olhamos para a tabela. Nestes jogos há sempre uma motivação grande e vontade de se superar. Vamos ter jogo um difícil, onde o adversário quer acabar com esse ciclo menos positivo que tem tido, mas nós temos que pensar no nosso objetivo independentemente da vontade do adversário, do relvado, da luz, independentemente das dificuldades que podemos encontrar", esclareceu.

Sobre o adversário, Sérgio Conceição tem boas referências, nomeadamente o treinador, Nuno Manta Santos.

"O Feirense é uma equipa bem organizada defensivamente. Contra os grandes tem demonstrado essa consistência defensiva. Mas nós criámos dificuldade em situações de finalização. Não é por acaso que somos a equipa com mais golos. Conheço bem o Nuno, é um treinador inteligente e sabe organizar bem a equipa. Jogar um jogo grande faz com que a equipa crie dificuldades, mas isso é o que estamos à espera. Não vai ser fácil", disse ainda.

Sérgio Conceição explicou ainda que não está a pensar no resultado do 'clássico' (Sporting-Benfica) e que se preocupa essencialmente "com o trabalho da equipa" portista.

"Estou focado no nosso jogo. Se ganharmos podemos ganhar pontos aos dois ou a um deles. Não faço contas nesse sentido. O importante é fazermos o nosso trabalho. Nada é decisivo nesta altura, temos mais de metade do campeonato para jogar ainda", acrescentou.

O treinador da equipa 'azul e branca' comentou o castigo de dois jogos a Herrera, que no passado jogo com o Paços de Ferreira, para a Taça da Liga, foi expulso com cartão vermelho direto.

" Penso que, de certa forma, é exagerado. Não estou muito por dentro das regras. Ele teve o gesto, é verdade. Não sei é se é merecedor de dois jogos. Mas, não sei o que dizem as regras. Ele teve uma atitude que não devia ter, não estará com o Feirense, estará outro. Temos o Sérgio Oliveira, o Óliver, o André André, o Layún também pode jogar ali. O Herrera tem sido muito importante para nós, mas esta é a vida das equipas", afirmou.

Sérgio Conceição comentou ainda a possibilidade de reforçar o plantel no mercado de inverno.

"O que o presidente disse é que se não houvessem castigos ou lesões não havia necessidade de contratações. O Herrera está castigado, o Otávio está lesionado. Não podemos prever isso", concluiu.

O FC Porto, líder da I Liga de futebol, desloca-se esta quarta-feira, às 18:15 horas, a Santa Maria da Feira para defrontar o Feirense, 13.º classificado, em jogo da 16.ª jornada da prova.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Henrique Burnay

Discretamente, sem ninguém ver

Enquanto nos Estados Unidos se discute se o candidato a juiz do Supremo Tribunal de Justiça americano tentou, ou não, há 36 anos abusar, ou mesmo violar, uma colega (quando tinham 17 e 15 anos), para além de tudo o que Kavanauhg pensa, pensou, já disse ou escreveu sobre o que quer que seja, em Portugal ninguém desconfia quem seja, o que pensa ou o que pretende fazer a senhora nomeada procuradora-geral da República, na noite de quinta-feira passada. Enquanto lá se esmiúça, por cá elogia-se (quem elogia) que o primeiro-ministro e o Presidente da República tenham muito discretamente combinado entre si e apanhado toda a gente de surpresa. Aliás, o apanhar toda a gente de surpresa deu, até, direito a que se recordasse como havia aqui genialidade tática. E os jornais que garantiram ter boas fontes a informar que ia ser outra coisa pedem desculpa mas não dizem se enganaram ou foram enganados. A diferença entre lá e cá é monumental.

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.