Sérgio aposta num onze e apresenta-se com goleada

O camaronês Aboubakar fez os dois primeiros golos na apresentação frente ao Deportivo da Corunha, que terminou em goleada (4-0) de uma equipa já muito unida

O FC Porto venceu 4-0 o Deportivo da Corunha no jogo de apresentação aos sócios que, como é habitual, esgotaram a lotação e gostaram do que viram. Aboubakar marcou os dois primeiros e na segunda parte Corona fez o terceiro e Marega o quarto, ou seja, golos de avançados para lançar a época, uma goleada que não tem sido costume nestes jogos mas que é fruto da insistência do treinador no mesmo onze.

Não houve surpresas na apresentação do plantel, só as caras conhecidas, embora ainda vá haver entradas e saídas. Óliver herdou o 10 de André Silva e o número é um sinal para um jogador que tem de melhorar muito em relação ao ano passado. Aboubakar fica com o 9 que era de Depoitre, o que também é interessante - ontem voltou a fazer boa dupla com Soares.

Sérgio Conceição tem um objetivo, que é encontrar a sua equipa o mais rapidamente possível. E por isso voltou a apostar no onze que tem sido mais habitual. Em 4-4-2 e com grande capacidade de pressão alta (mesmo que nem sempre muito organizada), porque essa é já uma das imagens de marca da equipa. O golo de Corona é um exemplo daquilo que a equipa faz bem já bastantes vezes, porque há uma atitude virada para isso.

Como sempre nestes jogos, a minha chave de avaliação é sempre muito mais a primeira parte, quando as equipas estão estruturadas. E aí o FC Porto fez meia hora muito boa, nem tanto no último quarto de hora porque a proposta de jogo é exigente, física e mentalmente falando, porque obriga os jogadores a grande atenção. E isso paga-se nesta fase. A equipa foi capaz de dominar, de ser forte e também de ser simples e direta na forma de chegar à área contrária. Boas indicações, sim, partindo de um sistema defensivo diferente do de Nuno Espírito Santo, que protegia muito os defesas. Neste, Marcano e Felipe jogam bem mais longe da sua baliza, o que obriga a outras exigências e exposição ao adversário. Isto para que a equipa chegue com muito mais gente à área adversária.

O FC Porto marcou cedo - algo que tem acontecido com regularidade nesta pré-época e não por acaso. A equipa aposta muito em entrar forte, algo que não era habitual nos últimos anos e que fazia falta. Sobretudo pensando na I Liga, onde muita coisa depende, muitas vezes, do primeiro golo.

A equipa abriu cedo as hostilidades. Aos 10" canto curto, cruzamento de Corona e Felipe de cabeça a obrigar Rúben a boa defesa; aos 12" marcou Aboubakar, depois de bela jogada coletiva e envolvente na esquerda, entendimento Brahimi-Óliver-Brahimi, o argelino rematou e Corona emendou ao poste, enquanto o camaronês recargou, à segunda, para a baliza.

O Depor, no seu nono jogo de preparação, apareceu com o lateral esquerdo Luisinho, um português, a capitão de equipa - não é muito habitual. O treinador Pepe Mel, que conseguiu salvar a equipa da descida, viu o Depor responder bem no último quarto de hora da primeira parte, em que esteve várias vezes perto do empate, nomeadamente pelo português Bruno Gama, antes de Aboubakar fazer o segundo mesmo antes do intervalo, emendando centro de Corona.

O mexicano e Brahimi são as fontes de jogo, com Óliver, sendo certo que houve um elemento claramente abaixo do que se lhe conhece - Danilo. Muitas coisas lhe saíram mal e veio ao de cima a solidariedade da equipa, um ponto forte que vem da época passada mas desenvolvido no que já se viu este ano.

Com 2-0 ao intervalo, o jogo foi menos interessante na segunda parte, em que o Depor teve períodos bons, em que fez sofrer o FC Porto, ainda que tenha sido Corona a fazer o terceiro golo, na tal pressão alta que permitiu ao mexicano isolar-se e marcar de pé esquerdo. Como marcou o quarto, por Marega, também ao obrigar a erros da defesa galega. Com tantas substituiçoões não se pode pedir muito mais à equipa num jogo com uma formação espanhola que, como é habitual em La Liga, ataca melhor do que defende.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Saúde

Empresa de anestesista recebeu meio milhão de euros num ano

Há empresas (muitas vezes unipessoais) onde os anestesistas recebem o dobro do oferecido no Serviço Nacional de Saúde para prestarem serviços em hospitais públicos carenciados. Aquilo que a lei prevê como exceção funciona como regra em muitas unidades hospitalares. Ministério diz que médicos tarefeiros são recursos de "última instância" para "garantir a prestação de cuidados de saúde com qualidade a todos os portugueses".