Saiba o que o diretor do FC Porto disse ao árbitro em Braga

O dirigente, segundo o relatório do árbitro, dirigiu-se à equipa de arbitragem bastante exaltado e a gritar "a tua carreira vai ser curta"

Luís Gonçalves, diretor geral do FC Porto, foi suspenso por 30 dias e multado em 1913 euros por "injúrias e ofensas à reputação da equipa de arbitragem".

No túnel de acesso aos balneários, dirigiu-se ao quarto árbitro exaltado e a gritar "Nós sabíamos o que vinhas tudo para aqui fazer, nós vamos conversar mais tarde, a tua carreira vai ser curta", pode-se ler no mapa de castigos divulgado esta terça-feira pelo Conselho de Disciplina da Federação Portuguesa de Futebol.

Além do diretor foi também suspenso o team-manager da equipa portista, Rui Lowden, com dois dias e multado em 383 euros por "atitude incorreta para com a equipa de arbitragem", "Aquando o conflito junto do banco de suplentes do FC Porto, dirigiu-se para o árbitro com intuitos agressivos. Não tendo chegado mais próximo por ter sido agarrado por outros elementos do banco."

O FC Porto foi ainda multado em 5738 euros por comportamento incorreto do público.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ricardo Paes Mamede

A "taxa Robles" e a desqualificação do debate político

A proposta de criação de uma taxa sobre especulação imobiliária, anunciada pelo Bloco de Esquerda (BE) a 9 de setembro, animou os jornais, televisões e redes sociais durante vários dias. Agora que as atenções já se viraram para outras polémicas, vale a pena revistar o debate público sobre a "taxa Robles" e constatar o que ela nos diz sobre a desqualificação da disputa partidária em Portugal nos dias que correm.

Premium

Rosália Amorim

Crédito: teremos aprendido a lição?

Crédito para a habitação, crédito para o carro, crédito para as obras, crédito para as férias, crédito para tudo... Foi assim a vida de muitos portugueses antes da crise, a contrair crédito sobre crédito. Particulares e também os bancos (que facilitaram demais) ficaram com culpas no cartório. A pergunta que vale a pena fazer hoje é se, depois da crise e da intervenção da troika, a realidade terá mudado assim tanto? Parece que não. Hoje não é só o Estado que está sobre-endividado, mas são também os privados, quer as empresas quer os particulares.