Roma quer Jackson: "Agora custa menos", diz empresário

O filme do namoro entre Jackson Martinez e o campeonato italiano pode conhecer novos capítulos este Verão. Depois do Nápoles, é a vez da Roma querer contratar o avançado colombiano, que segundo o seu agente "pode sair abaixo da cláusula".

Segundo notícia a Gazzetta dello Sport, a AS Roma está fortemente interessada no concurso do melhor marcador do campeonato português em 2012-2013 e 2013-2014.

Apurada diretamente para a Liga dos Campeões, fruto do segundo lugar no campeonato italiano da temporada que agora findou, o clube da capital italiana informou-se junto de um dos representantes de Jackson, Peppino Tirri, sobre as exigências do FC Porto para vender um dos seus principais ativos. Segundo Tirri, Jackson poderá acabar mesmo por rumar a Itália no próximo mercado de transferências:

"Não há nada com o Nápoles. A Roma é que está interessada em comprá-lo", começou por dizer o empresário, esclarecendo depois que "quem quiser comprar o jogador talvez não tenha de pagar o valor da cláusula de rescisão".

Perante estas declarações, a imprensa italiana foi peremptória em garantir que "o FC Porto não pode exigir mais de 30 milhões de euros, já que o contrato de Jackson expira em 2016 e a intenção do jogador não é renovar".

Jackson Martinez tem sido associado ao interesse de vários emblemas europeus, como o Chelsea, Nápoles e Atlético de Madrid.

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Gobern

País com poetas

Há muito para elogiar nos que, sem perspectivas de lucro imediato, de retorno garantido, de negócio fácil, sabem aproveitar - e reciclar - o património acumulado noutras eras. Ora, numa fase em que a Poesia se reergue, muitas vezes por vias "alternativas", de esquecimentos e atropelos, merece inteiro destaque a iniciativa da editora Valentim de Carvalho, que decidiu regressar, em edições "revistas e aumentadas", ao seu magnífico espólio de gravações de poetas. Originalmente, na colecção publicada entre 1959 e 1975, o desafio era grande - cabia aos autores a responsabilidade de dizerem as suas próprias criações, acabando por personalizá-las ainda mais, injectando sangue próprio às palavras que já antes tinham posto ao nosso dispor.