Roma quer Jackson: "Agora custa menos", diz empresário

O filme do namoro entre Jackson Martinez e o campeonato italiano pode conhecer novos capítulos este Verão. Depois do Nápoles, é a vez da Roma querer contratar o avançado colombiano, que segundo o seu agente "pode sair abaixo da cláusula".

Segundo notícia a Gazzetta dello Sport, a AS Roma está fortemente interessada no concurso do melhor marcador do campeonato português em 2012-2013 e 2013-2014.

Apurada diretamente para a Liga dos Campeões, fruto do segundo lugar no campeonato italiano da temporada que agora findou, o clube da capital italiana informou-se junto de um dos representantes de Jackson, Peppino Tirri, sobre as exigências do FC Porto para vender um dos seus principais ativos. Segundo Tirri, Jackson poderá acabar mesmo por rumar a Itália no próximo mercado de transferências:

"Não há nada com o Nápoles. A Roma é que está interessada em comprá-lo", começou por dizer o empresário, esclarecendo depois que "quem quiser comprar o jogador talvez não tenha de pagar o valor da cláusula de rescisão".

Perante estas declarações, a imprensa italiana foi peremptória em garantir que "o FC Porto não pode exigir mais de 30 milhões de euros, já que o contrato de Jackson expira em 2016 e a intenção do jogador não é renovar".

Jackson Martinez tem sido associado ao interesse de vários emblemas europeus, como o Chelsea, Nápoles e Atlético de Madrid.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Opinião

Os irados e o PAN

A TVI fez uma reportagem sobre um grupo de nome IRA, Intervenção e Resgate Animal. Retirados alguns erros na peça, como, por exemplo, tomar por sério um vídeo claramente satírico, mostra-se que estamos perante uma organização de justiceiros. Basta, aliás, ir à página deste grupo - que tem 136 000 seguidores - no Facebook para ter a confirmação inequívoca de que é um grupo de gente que despreza a lei e as instituições democráticas e que decidiu fazer aquilo que acha que é justiça pelas suas próprias mãos.

Premium

Margarida Balseiro Lopes

Falta (transparência) de financiamento na ciência

No início de 2018 foi apresentado em Portugal um relatório da OCDE sobre Ensino Superior e a Ciência. No diagnóstico feito à situação portuguesa conclui-se que é imperativa a necessidade de reformar e reorganizar a Fundação para a Ciência e a Tecnologia (FCT), de aumentar a sua capacidade de gestão estratégica e de afastar o risco de captura de financiamento por áreas ou grupos. Quase um ano depois, relativamente a estas medidas que se impunham, o governo nada fez.