Pinto da Costa vai receber Medalha de Honra da cidade

Presidente portista vai ser homenageado durante a receção ao novo campeão nos Paços do Concelho

A Câmara Municipal do Porto, liderada por Rui Moreira, anunciou esta segunda-feira a atribuição da Medalha de Honra da cidade ao presidente do FC Porto, Pinto da Costa. A cerimónia vai ocorrer no próximo fim-de-semana, após o último jogo dos dragões no campeonato, em Guimarães - ainda falta a confirmação oficial da data do jogo por parte da Liga.

Na nota divulgada pelos serviços de comunicação da CM Porto, é referido que "a proposta, que será levada ao Executivo e Assembleia Municipal pelo presidente da Câmara, Rui Moreira, para ratificação, já mereceu a concordância unânime das forças políticas representadas naqueles dois órgãos."

A Medalha de Honra da Cidade em ouro destina-se a galardoar pessoas singulares ou coletivas, nacionais ou estrangeiras que tenham prestado à Cidade do Porto serviços ou concedido benefícios de excecional relevância ou se tenham distinguido, pelo seu valor, em qualquer ramo da atividade humana (ou ainda por relevante ato de coragem ou abnegação).

O FC Porto vai voltar a ser oficialmente recebido nos Paços do Concelho, de onde esteve arredado durante os anos de Rui Rio à frente da autarquia.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ricardo Paes Mamede

A "taxa Robles" e a desqualificação do debate político

A proposta de criação de uma taxa sobre especulação imobiliária, anunciada pelo Bloco de Esquerda (BE) a 9 de setembro, animou os jornais, televisões e redes sociais durante vários dias. Agora que as atenções já se viraram para outras polémicas, vale a pena revistar o debate público sobre a "taxa Robles" e constatar o que ela nos diz sobre a desqualificação da disputa partidária em Portugal nos dias que correm.

Premium

Rosália Amorim

Crédito: teremos aprendido a lição?

Crédito para a habitação, crédito para o carro, crédito para as obras, crédito para as férias, crédito para tudo... Foi assim a vida de muitos portugueses antes da crise, a contrair crédito sobre crédito. Particulares e também os bancos (que facilitaram demais) ficaram com culpas no cartório. A pergunta que vale a pena fazer hoje é se, depois da crise e da intervenção da troika, a realidade terá mudado assim tanto? Parece que não. Hoje não é só o Estado que está sobre-endividado, mas são também os privados, quer as empresas quer os particulares.