Pinto da Costa distinguido com prémio carreira

O presidente do FC Porto, Jorge Nuno Pinto da Costa, foi hoje distinguido com o prémio carreira nos Globe Soccer Awards, no Dubai, no dia em que completa 74 anos.

Pinto da Costa, que lidera o FC Porto desde 1982, é o presidente de clube com mais títulos a nível mundial, reunindo 55 troféus. Sob a sua gestão, os "dragões" conquistaram a Taça dos Campeões europeus duas vezes e a Taça UEFA outras tantas, além de terem ganho o campeonato nacional em 18 ocasiões e a Taça de Portugal em 12.

O prémio foi entregue pelo treinador italiano Fabio Capello, seleccionador de Inglaterra, numa gala que decorreu ao ar livre, no Armani Pavillion, junto à Burj Khalifa, a torre mais alta do mundo.

O júri foi composto por Adriano Galliani (Milan), Augusto César Lendoiro (Deportivo Corunha), Demetrio Albertini (Federação Italiana), Enrico Bendoni (Global Soccer), Fabio Capello, Giovani Branchini (agente FIFA), Luís Figo (Inter Milão), Mohamed Kamali (DubaiSports), Rob Jensen (Associação Europeia de Agentes) e Umberto Gandini (Associação Europeia de Clubes).

O FC Porto estava também nomeado também para o prémio de melhor clube do ano, juntamente com Barcelona e Borussia Dortmund, mas o galardão acabou por ir para os catalães, campeões de Espanha, da Europa e do Mundo.

Pinto da Costa referiu no Dubai que "os grandes da Europa olham para o FC Porto reconhecendo-lhe qualidades", falando à margem dos Globe Soccer Awards.

O dirigente salientou que "o FC Porto é o clube com mais títulos conquistados no século XXI, tendo ganho, neste período, quatro troféus internacionais".

O secretário-geral da UEFA (União Europeia de Futebol), Gianni Infantino, aconselhou os clubes a concentrar atenções nos exemplos do FC Porto, a propósito da sua capacidade de selecção e desenvolvimento de jogadores, e do FC Barcelona, hábil no merchandising.

O presidente portista enumerou como exemplos de contratações altamente promissoras e rentáveis, entre outros, os casos de Hulk, James, Iturbe e "a quantidade de ex-jogadores do FC Porto agora a representar as mais competitivas equipas da Europa".

O tema exportação justificou, inclusive, o alargamento da análise a treinadores de qualidade, como "José Mourinho, André Villas-Boas e até Jesualdo Ferreira e Fernando Santos, que nunca tinham sido campeões antes de chegar ao FC Porto e que apresentam agora carreiras que muito nos honram".

Exclusivos

Premium

história

A América foi fundada também por angolanos

Faz hoje, 25 de agosto, exatos 400 anos que desembarcaram na América os primeiros negros. Eram angolanos os primeiros 20 africanos a chegar à América - a Jamestown, colónia inglesa acabada se ser fundada no que viria a ser o estado da Virgínia. O jornal The New York Times tem vindo a publicar uma série de peças jornalísticas, inseridas no Project 1619, dedicadas ao legado da escravatura nos Estados Unidos. Os 20 angolanos de Jamestown vinham num navio negreiro espanhol, a caminho das minas de prata do México; o barco foi apresado por piratas ingleses e levados para a nova Jamestown. O destino dos angolanos acabou por ser igual ao de muitos colonos ingleses: primeiro obrigados a trabalhar como contratados e, ao fim de alguns anos, livres e, por vezes, donos de plantações. Passados sete anos, em 1626, chegaram os primeiros 11 negros a Nova Iorque (então, Nova Amesterdão) - também eram angolanos. O Jornal de Angola publicou ontem um longo dossiê sobre estes acontecimentos que, a partir de uma das maiores tragédias da História moderna, a escravatura, acabaram por juntar o destino de dois países, Angola e Estados Unidos, de dois continentes distantes.