Paulinho tem cláusula obrigatória de cinco milhões

Brasileiro mudou-se no último fim de semana para a Invicta, por cedência do Portimonense, que tinha outras propostas

O médio Paulinho já foi oficializado pelo FC Porto até final da temporada. O jogador chega por empréstimo do Portimonense e os azuis e brancos terão uma opção de compra obrigatória, no valor de cinco milhões de euros, apurou o DN.

Um dos destaques do clube algarvio, Paulinho, de 23 anos, era também cobiçado por outros emblemas, que estavam dispostos a esperar pelo final da temporada, mas cujas ofertas iam ao encontro das pretensões da formação algarvia, na ordem dos oito milhões de euros. O FC Porto tinha então de encontrar uma estratégia para convencer o Portimonense e essa foi encontrada: uma cláusula de compra obrigatória, no valor de cinco milhões de euros, e ainda o empréstimo de Fede Varela e Galeno, que também poderão ficar no Algarve na próxima época.

Nenhuma das partes confirmou todos os detalhes do negócio, revelando apenas que Paulinho chega por empréstimo, mas a verdade é que esta cedência, na prática, é praticamente uma transferência a título definitivo, com o vínculo mais prolongado de Paulinho com o FC Porto a ser oficializado em junho, no fim da época.

Segurança máxima em Braga

A PSP revelou ontem em conferência de imprensa que quer evitar o contacto entre adeptos de Sporting e FC Porto no jogo de amanhã para a Taça da Liga, para o qual está montada "uma das operações de segurança de maior envergadura" no estádio municipal de Braga. As forças de segurança vão estar dentro do recinto e nas imediações "para evitar contactos entre os adeptos de Sporting e FC Porto", que se defrontam na quarta-feira, assim como no centro da cidade, onde estará instalada uma fan zone, informou o subintendente Pedro Colaço, afirmando desconhecer se Bruno de Carvalho irá estar no meio dos adeptos leoninos.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Líderes

A União Europeia e a crise dos três M. May, Macron e Merkel

Já lhe chamam a crise dos três M. May, Macron e Merkel, líderes das três grandes potências da UE, estão em apuros. E dos grandes. Numa altura em que, a poucos meses das eleições para o Parlamento Europeu, florescem populismos e nacionalismos de toda a espécie, pela Europa e não só, a primeira-ministra do Reino Unido, o presidente de França e a chanceler da Alemanha enfrentam crises internas que enfraquecem a sua liderança e, por arrastamento, o processo de integração da UE.