O maior teste do "formador" Lopetegui

FC Porto tem o maior orçamento de sempre em 2014/15 e ofereceu um plantel de luxo a Lopetegui, mas o "clássico" com o Benfica é a derradeira hipótese de evitar uma temporada sem títulos.

Julen Lopetegui enfrenta neste domingo o seu maior teste no futebol português, estando obrigado a vencer o Benfica para continuar a depender de si próprio para evitar uma época a "seco" no que a títulos diz respeito.

Quando Julen Lopetegui foi anunciado como treinador do FC Porto muitas sobrancelhas se ergueram. "Julen quê?". Depois de uma época tenebrosa, em que tudo o que podia correr mal correu, os adeptos portistas esperavam um nome impactante que fizesse esquecer as agruras de um terceiro lugar com o cunho de Paulo Fonseca (e posteriormente Luís Castro), que chegou ao clube com a aura de futuro do futebol português e saiu pela porta pequena.

Mas Jorge Nuno Pinto da Costa tinha uma ideia diferente. "Foi a primeira, a segunda e a terceira escolha", garantiu o presidente na apresentação do basco, nascido em Asteasu (Gipuzkoa). Em vez de optar por um técnico com currículo em grandes clubes, Pinto da Costa preferiu o "formador" Lopetegui, responsável pelo título europeu sub-19 da Espanha, em 2012, e de sub-21 no ano seguinte.

O FC Porto versão 2014/2015 era um viveiro de jovens talentos e ninguém melhor que um homem com credenciais comprovadas na formação para geri-lo. "Percebi que queriam criar uma maneira de entender o jogo. Por isso, contrataram 16 jogadores novos. É a equipa mais jovem da história do FC Porto", revelou em fevereiro, numa entrevista ao El País, o antigo guarda-redes suplente de Real Madrid e FC Barcelona.

Homem de desafios, Lopetegui nem hesitou. (Muito) interventivo, quer nos treinos, quer no banco, o espanhol, de voz segura e gestos frenéticos, começou por impor a sua filosofia de jogo, uma filosofia em que a posse de bola é o eixo central, fortemente suportada pela ideia de um campo mais amplo, com desmarcações nas linhas.

Na pré-época, o antigo comentador desportivo não se saiu mal: zero derrotas em oito jogos, embora nenhum deles tenha sido com um colosso do futebol atual. E no 'play-off' de apuramento para a Liga dos Campeões também não, com o Lille a ser a vítima do novo FC Porto.

O caminho na I Liga começou seguro, com três vitórias, mas, aos poucos, percebeu-se que a equipa não jogava 'à Porto', ou seja, com a garra e a raça reconhecida nos 'dragões'. Foram três os empates, com Vitória de Guimarães, Boavista e Sporting, que valeram as primeiras críticas ao basco, mas foi a derrota em casa com o Benfica que irritou verdadeiramente os portistas.

Lopetegui, de rosto permanentemente fechado e sério e jeito brusco, não convencia os adeptos e as exibições da sua jovem equipa também não. A eliminação da Taça de Portugal, na terceira eliminatória, no estádio do Dragão, com uma derrota por 3-1 com o Sporting, foi a gota de água.

A instabilidade em torno do espanhol tornou-se evidente. Trocou galhardetes com Jorge Jesus e com o vice-presidente do Benfica Rui Gomes da Silva, com o treinador português Manuel José, lançou farpas à Federação Portuguesa de Futebol, à Liga e aos árbitros, ao mesmo tempo que, no campo, a sua equipa fracassava nos momentos importantes, desaproveitando sucessivamente os tropeções dos 'encarnados'.

No domingo, quando se sentar no banco do Estádio da Luz para defrontar o líder Benfica, que está a três pontos, o espanhol, de 48 anos, enfrentará, muito provavelmente, o mais sério teste à sua condição de treinador por três épocas do FC Porto. Se perder, com os 'dragões' já afastados da Taça de Portugal, da Taça da Liga e da 'Champions', na sequência do 1-6 de terça-feira, em Munique, Lopetegui arrisca-se a ser coresponsável por uma época sem títulos.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Opinião

Os irados e o PAN

A TVI fez uma reportagem sobre um grupo de nome IRA, Intervenção e Resgate Animal. Retirados alguns erros na peça, como, por exemplo, tomar por sério um vídeo claramente satírico, mostra-se que estamos perante uma organização de justiceiros. Basta, aliás, ir à página deste grupo - que tem 136 000 seguidores - no Facebook para ter a confirmação inequívoca de que é um grupo de gente que despreza a lei e as instituições democráticas e que decidiu fazer aquilo que acha que é justiça pelas suas próprias mãos.

Premium

Margarida Balseiro Lopes

Falta (transparência) de financiamento na ciência

No início de 2018 foi apresentado em Portugal um relatório da OCDE sobre Ensino Superior e a Ciência. No diagnóstico feito à situação portuguesa conclui-se que é imperativa a necessidade de reformar e reorganizar a Fundação para a Ciência e a Tecnologia (FCT), de aumentar a sua capacidade de gestão estratégica e de afastar o risco de captura de financiamento por áreas ou grupos. Quase um ano depois, relativamente a estas medidas que se impunham, o governo nada fez.