O dia em que o dragão voltou a vestir-se de gala por um título

FC Porto recebeu a taça de campeão 2017-2018, numa festa que começara ainda na noite anterior. Adeptos agradecem a Sérgio Conceição e Casillas diz que espera ficar no dragão. Penta Ciao foi a música mais popular

Cinco anos depois, o Estádio do Dragão voltou a encher-se para uma festa de campeão cujo aperitivo já tinha sido servido na véspera, com o empate no dérbi lisboeta, mas que foi devidamente celebrada com uma vitória frente ao Feirense. Um dia cheio para o universo azul e branco, que saudou os seus novos campeões, viu o "eterno" presidente Pinto da Costa levantar a sua 21.ª taça de campeão (28.ª da história do FC Porto), agradeceu a Sérgio Conceição o regresso aos títulos e ouviu de Casillas uma mensagem de esperança: "Ficar? Não sei, espero que sim..."

A renovação do espanhol é uma das questões que ficam para os próximos dias do novo campeão. Pinto da Costa também manifestou vontade em que isso aconteça. "Gostava... Vou tentar que fique", disse o presidente, ainda antes de subir ao relvado, acompanhado do presidente da Liga, Pedro Proença, e Nuno Miguel Almeida, o presidente da NOS, marca que deu o nome a este campeonato. Os três receberam, um a um, os protagonistas do título portista, antes de verem Herrera levantar a taça de campeão.

Antes, no final do desfile dos campeões, o nome que suscitou a maior reação das bancadas do Dragão: Sérgio Conceição.

Entre as figuras do regresso do FC Porto aos títulos, o nome de Sérgio Conceição ganhou um destaque reconhecido de forma unânime pela intelligentsia do futebol. Mas não só. O mérito do técnico tem aclamação também entre a cultura popular dos adeptos portistas, como fizeram questão de assinalar ontem, no jogo da consagração do novo campeão. E muito antes da festa final.

Momentos antes do arranque da partida, na bancada norte do Dragão, a claque Colectivo Ultras 95 exibiu uma série de tarjas com frases de Sérgio Conceição ao longo da época. "Temos de ter paixão por aquilo que fazemos", "Vim por amor ao FC Porto", "Vim para ensinar, não vim para aprender", "Eu não sou um boneco", "Uma das nossas forças é o espírito solidário" ou "Estamos a criar uma onda azul" lembravam a marca do técnico na época que assinalou o regresso portista ao trono do futebol português. Por isso, o agradecimento, numa tarja maior: "Obrigado mister por trazer de volta os nossos valores".

Além do futebol contundente e da rentabilização de jogadores antes ostracizados, a marca do técnico neste título fez-se de valores reconhecidos pelos adeptos, como a famosa roda com os jogadores no final de cada partida - e que ontem, claro, teve a sua versão de celebração após o apito final do jogo com o Feirense. E também os jogadores o reconheceram, unindo-se para atirar Conceição ao ar nos primeiros momentos da celebração no relvado.

Conceição, esse, recusou ficar com a maioria dos louros e explicou que a sua exigência estende-se ao tratador da relva.

Ainda sobre o técnico, que tem apenas mais um ano de contrato e vários clubes interessados, o presidente Pinto da Costa não quis alimentar enredos: "Não garanto (a continuidade), se não depois vocês (jornalistas) não têm nada sobre que falar."

O domingo de festa - que já tinha tido um aperitivo na noite anterior, assim que terminou o dérbi entre Sporting e Benfica, com os portistas a acorrerem aos Aliados e ao hotel onde a equipa estava alojada (acabando mesmo por obrigar a comitiva a uma mudança de emergência devido a um excesso pirotécnico) - arrancou logo ao início da tarde, com milhares de adeptos a acorrerem à Praça da Alameda, entre o Estádio do Dragão e o centro comercial em frente.

O DJ de serviço foi animando a tarde e entoaram-se os cânticos que compõem o cardápio musical azul e branco, atualizado com os hits mais recentes e, naturalmente, mais populares: "o campeão ​​​​​​​voltooou" e "penta ciao" (a adaptação de "Bella Ciao" que serve para festejar o fracasso da tentativa do rival Benfica em igualar o feito único dos portistas no futebol português - o pentacampeonato conquistado entre 1994 e 1999), que seria também a música mais repetida no estádio, onde marcaram presença figuras como André Villas-Boas, o presidente da CM Porto Rui Moreira e novo bispo do Porto D. Manuel Linda.

Ler mais

Exclusivos

Premium

DN Life

DN Life. «Não se trata o cancro ou as bactérias só com a mente. Eles estão a borrifar-se para o placebo»

O efeito placebo continua a gerar discussão entre a comunidade científica e médica. Um novo estudo sugere que há traços de personalidade mais suscetíveis de reagir com sucesso ao referido efeito. O reumatologista José António Pereira da Silva discorda da necessidade de definir personalidades favoráveis ao placebo e vai mais longe ao afirmar que "não há qualquer hipótese ética de usar o efeito placebo abertamente".