Moutinho e James estão a caminho do Mónaco

Os dois jogadores do FC Porto viajaram esta quarta-feira para o Principado para ultimarem o acordo com a equipa francesa.

Está confirmada a notícia avançada em primeira mão pelo Diário de Notícias. João Moutinho e James Rodríguez viajaram esta quarta-feira para o Mónaco , na companhia do empresário Jorge Mendes, para acertarem os respectivos vínculos com o clube monegasco.

A estação italiana Sky já dava o negócio como consumado na terça-feira, ao noticiar que os dois jogadores do FC Porto já estavam assegurados pelo clube monegasco, que esta temporada garantiu o regresso à Ligue 1 francesa.

O Monaco pagará ao FC Porto 70 milhões de euros pelos dois jogadores, ainda de acordo com a Sky Italia, que não refere que fatia deste montante corresponderá a cada jogador. A operação terá sido conduzida pelo diretor desportivo do clube do Principado, Riccardo Pecini.

Não há no entanto, para já, qualquer confirmação ou desmentido oficial quer do Monaco quer do FC Porto, que ainda não comunicou qualquer acordo à CMVM.

James Rodriguez tem contrato com o FC Porto até 2016 e uma cláusula de rescisão fixada em 45 milhões de euros. Já João Moutinho tem contrato até 2015 e uma cláusula no valor de 40 milhões. Em caso de transferência do médio, que foi contratado ao Sporting por 11 milhões de euros, o FC Porto terá ainda de compensar os leões com 25% da mais valia gerada pelo negócio.

O Monaco é propriedade do milionário russo Dimtry Rybolovlev, que, segundo a imprensa francesa, quer investir 200 milhões de euros no reforço da equipa para a colocar entre a elite europeia. O avançado Falcao, ex-FC Porto e atualmente no At. Madrid, é outro nome que tem sido dado como potencial reforço do Monaco para a próxima temporada.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Margarida Balseiro Lopes

Legalização do lobbying

No dia 7 de junho foi aprovada, na Assembleia da República, a legalização do lobbying. Esta regulamentação possibilitará a participação dos cidadãos e das empresas nos processos de formação das decisões públicas, algo fundamental num Estado de direito democrático. Além dos efeitos práticos que terá o controlo desta atividade, a aprovação desta lei traz uma mensagem muito importante para a sociedade: a de que também a classe política está empenhada em aumentar a transparência e em restaurar a confiança dos cidadãos no poder político.

Premium

Viriato Soromenho Marques

Erros de um sonhador

Não é um espetáculo bonito ver Vítor Constâncio contagiado pela amnésia que tem vitimado quase todos os responsáveis da banca portuguesa, chamados a prestar declarações no Parlamento. Contudo, parece-me injusto remeter aquele que foi governador do Banco de Portugal (BdP) nos anos críticos de 2000-2010 para o estatuto de cúmplice de Berardo e instrumento da maior teia de corrupção da história portuguesa, que a justiça tenta, arduamente, deslindar.

Premium

João Taborda da Gama

Por que não votam os açorianos?

Nesta semana, os portugueses, a ciência política em geral, e até o mundo no global, foram presenteados com duas ideias revolucionárias. A primeira, da lavra de Rui Rio, foi a de que o número de deputados do Parlamento fosse móvel tendo em conta os votos brancos e nulos. Mais brancos e nulos, menos deputados, uma versão estica-encolhe do método de Hondt. É a mesma ideia dos lugares vazios para brancos e nulos, que alguns populistas defendem para a abstenção. Mas são lugares vazios na mesma, medida em que, vingando a ideia, havia menos pessoas na sala, a não ser que se fizesse no hemiciclo o que se está a fazer com as cadeiras dos comboios da ponte, ou então que nestes anos com mais brancos e nulos, portanto menos deputados, se passasse a reunir na sala do Senado, que é mais pequenina, mais maneirinha. A ideia é absurda. Mas a esquerda não quis ficar para trás neste concurso de ideias eleitorais e, pela voz do presidente do Governo Regional dos Açores, Vasco Cordeiro, chega-nos a ideia de incentivar votos com dinheiro.