Morreu Sanfins, último sobrevivente da Taça Arsenal

A Taça Arsenal, uma das mais emblemáticas conquistas do FC Porto na primeira metade do século XX, pesa 250 quilos. O último dos jogadores que a conquistaram faleceu aos 92 anos.

O último sobrevivente da equipa do FC Porto que venceu o Arsenal, então uma das mais poderosas equipas de futebol da Europa, Sanfins, cujo verdadeiro nome era Manuel Pinto dos Santos, morreu neste sábado, aos 92 anos.

Contemporâneo de outras estrelas da história do FC Porto, como Barrigana e Pinga, Sanfins substituiu o seu colega Catolino na célebre vitória por 3-2 sobre o Arsenal, que detinha o título de campeão inglês, no estádio do Lima, em 1948, com golos de Araújo e Correia Dias.

O FC Porto conquistou, então, a Taça Arsenal, exposta no museu do clube e que pesa 250 quilos, 130 dos quais de prata maciça.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ricardo Paes Mamede

Legalização da canábis, um debate sóbrio 

O debate público em Portugal sobre a legalização da canábis é frequentemente tratado com displicência. Uns arrumam rapidamente o assunto como irrelevante; outros acusam os proponentes de usarem o tema como mera bandeira política. Tais atitudes fazem pouco sentido, por dois motivos. Primeiro, a discussão sobre o enquadramento legal da canábis está hoje em curso em vários pontos do mundo, não faltando bons motivos para tal. Segundo, Portugal tem bons motivos e está em boas condições para fazer esse caminho. Resta saber se há vontade.

Premium

nuno camarneiro

É Natal, é Natal

A criança puxa a mãe pela manga na direcção do corredor dos brinquedos. - Olha, mamã! Anda por aqui, anda! A mãe resiste. - Primeiro vamos ao pão, depois logo se vê... - Mas, oh, mamã! A senhora veste roupas cansadas e sapatos com gelhas e calos, as mãos são de empregada de limpeza ou operária, o rosto é um retrato de tristeza. Olho para o cesto das compras e vejo latas de atum, um quilo de arroz e dois pacotes de leite, tudo de marca branca. A menina deixa-se levar contrariada, os olhos fixados nas cores e nos brilhos que se afastam. - Depois vamos, não vamos, mamã? - Depois logo se vê, filhinha, depois logo se vê...