Lopetegui diz que "não há jogos fáceis" antes da visita ao U. Madeira

Jogo em atraso com a equipa madeirense é esta quarta-feira às 20.00

O treinador do FC Porto, Julen Lopetegui, considerou esta terça-feira que não há "jogos fáceis", partilhando as dificuldades que espera na em casa do União da Madeira, em partida em atraso da nona jornada da I Liga portuguesa de futebol.

O técnico dos 'azuis e brancos' desvalorizou os parcos índices de concretização do adversário - cinco golos apontados no campeonato -, preferindo centrar a estratégia naquilo que a sua equipa tem de fazer.

"O União, mesmo com dois jogos a menos, está fora da zona de despromoção. É uma equipa com uma ideia clara de como jogar e atacar. Temos de mostrar argumentos para vencer este jogo, usando confiança as nossas qualidades para superar as dificuldades", apontou Lopetegui.

Para Lopetegui este é "um jogo entre equipas de futebol profissional", considerando que "não há facilidades a este nível".

"Tudo vai depender do façamos durante o jogo, porque as estatísticas não retiram os graus de dificuldade", completou o treinador do FC Porto.

Confrontando com os resultados menos conseguidos da sua equipa nas últimas deslocações à Madeira, Julen Lopetegui garante que isso "já faz parte da história".

"É certo que houve uma sequência de resultados que não foram positivos na Madeira, mas, assim que termina, um jogo já é história, e antes do outro começar tudo pode acontecer. Não acredito em coincidências, mas sim na qualidade e determinação da equipa para superar as dificuldades", apontou o treinador.

O embate entre União da Madeira e FC Porto vai realizar-se um mês depois do previsto no calendário, uma vez que o jogo teve de ser adiado por o avião onde seguia a equipa nortenha não ter conseguido aterrar no Funchal, devido ao mau tempo.

Apesar de volvido esse período, Julen Lopetegui não considerou que muita coisa tenha mudado nas duas equipas e até na envolvência do jogo.

"Todas as equipas vão mudando e evoluindo, mas acho que futebolisticamente não há muitas diferenças no que as equipas propõe agora e no que faziam há um mês atrás. Até o árbitro é o mesmo, por isso, com o mesmo campo, os mesmos rivais, é tudo parecido", afirmou.

Em tom mais crispado, respondeu o treinador do FC Porto a uma pergunta envolvendo o recente desaire da equipa frente ao Dínamo de Kiev, para a Liga dos Campeões, considerando que as derrotas ajudam os grupos de trabalho a melhorar.

"O jogo com o Dínamo de Kiev já é história, estamos focados apenas no jogo de quarta-feira. Todas as equipas têm de melhorar, todas têm dificuldades em ganhar jogos, todas na Europa perderam jogos - e a que mais tarde perdeu fomos nós - e temos de analisar tudo isso e evoluir", vincou o treinador, garantindo que as críticas não afetam o grupo.

"Sou treinador para, nestes momentos, conseguir gerir todas as situações e tirar o máximo rendimento da minha equipa. Esse é o meu objetivo. Tudo faremos para que esse ruído não afete o plantel", acrescentou.

O FC Porto, segundo classificado com 24 pontos, desloca-se esta quarta-feira ao reduto do União da Madeira, 16.º com 7, numa partida que agendada para as 20:00, e que terá arbitragem de Bruno Paixão, de Setúbal.

JPYG/JYA // NFO

Lusa/fim

Autores :

Jose Pedro Gomes

Temático :

Futebol

Ler mais

Exclusivos

Premium

Rosália Amorim

"Sem emoção não há uma boa relação"

A frase calorosa é do primeiro-ministro António Costa, na visita oficial a Angola. Foi recebido com pompa e circunstância, por oito ministros e pelo governador do banco central e com honras de parada militar. Em África a simbologia desta grande receção foi marcante e é verdadeiramente importante. Angola demonstrou, para dentro e para fora, que Portugal continua a ser um parceiro importante. Ontem, o encontro previsto com João Lourenço foi igualmente simbólico e relevante para o futuro desta aliança estratégica.

Premium

João Gobern

Tirar a nódoa

São poucas as "fugas", poucos os desvios à honestidade intelectual que irritem mais do que a apropriação do alheio em conluio com a apresentação do mesmo com outra "assinatura". É vulgarmente referido como plágio e, em muitos casos, serve para disfarçar a preguiça, para fintar a falta de inspiração (ou "bloqueio", se preferirem), para funcionar como via rápida para um destino em que parece não importar o património alheio. No meio jornalístico, tive a sorte de me deparar com poucos casos dessa prática repulsiva - e alguns deles até apresentavam atenuantes profundas. Mas também tive o azar de me cruzar, por alguns meses, tempo ainda assim demasiado, com um diretor que tinha amealhado créditos ao publicar como sua uma tese universitária, revertido para (longo) artigo de jornal. A tese e a história "passaram", o diretor foi ficando. Até hoje, porque muitos desconhecem essa nódoa e outros preferiram olhar para o lado enquanto o promoviam.