Juan Iturbe vai ser emprestado ao River Plate

Dirigentes do clube argentino assumem proximidade de acordo e o jovem extremo acredita que as negociações serão bem sucedidas.

Juan Iturbe deverá ser oficializado em breve como reforço do River Plate, cedido a título de empréstimo pelo FC Porto. O próprio extremo argentino, que chegou a Portugal em 2011 rotulado de "novo Messi", já assumiu que essa é a sua vontade e, provavelmente, o seu futuro.

"Penso que o negócio se vai concretizar. Em 2013 tenho mesmo que jogar mais", disse o futebolista de 19 anos, citado pela La Red, já depois de ter manifestado, na Argentina, a intenção de jogar no River Plate.

Tal como o DN noticiou atempadamente, Juan Iturbe expressou aos dirigentes do FC Porto a intenção de ser cedido a outro emblema, uma vez que não estava a jogar no Dragão e nem na equipa B convence. O jovem oriundo do Cerro Porteño não mostrou nada - ou não teve oportunidades para o fazer - desde que chegou a Portugal e estará de regresso ao seu país natal, em ano de Campeonato Sul-americano de sub-20 e Mundial da mesma categoria.

O River Plate, tal como noticiou o DN, manifestou aos dirigentes portistas a intenção de garantir o empréstimo de Iturbe durante um período de 18 meses, até porque o extremo deverá ser chamado ao Campeonato Sul-americano de sub-20 e não fará, por isso, a pré-época com o histórico clube argentino. O clube de La Plata ficará sempre encarregue de pagar os salários de Iturbe e poderá ter que desembolsar 500 mil euros por cada semestre em que tiver o atacante nos seus quadros.

Em cima da mesa, apurou o DN, foi discuta a possibilidade de o jovem avançado argentino Funes Mori (antiga paixão de FC Porto e Benfica) ser incluído nas negociações, mas até ver desconhece-se que o empréstimo de Iturbe vá ser concretizado nestes moldes. Certo é que, como Atsu irá ao Campeonato das Nações Africanos, nos meses de janeiro e fevereiro Vítor Pereira só terá Varela e James Rodríguez para as alas. Ainda assim, os dirigentes portistas já traçaram o plano para o mercado de inverno: um médio centro, um extremo e um avançado.

Exclusivos

Premium

Ferreira Fernandes

"Corta!", dizem os Diáconos Remédios da vida

É muito irónico Plácido Domingo já não cantar a 6 de setembro na Ópera de São Francisco. Nove mulheres, todas adultas, todas livres, acusaram-no agora de assédios antigos, quando já elas eram todas maiores e livres. Não houve nenhuma acusação, nem judicial nem policial, só uma afirmação em tom de denúncia. O tenor lançou-lhes o seu maior charme, a voz, acrescida de ter acontecido quando ele era mais magro e ter menos cãs na barba - só isso, e que já é muito (e digo de longe, ouvido e visto da plateia) -, lançou, foi aceite por umas senhoras, recusado por outras, mas agora com todas a revelar ter havido em cada caso uma pressão por parte dele. O âmago do assunto é no fundo uma das constantes, a maior delas, daquilo que as óperas falam: o amor (em todas as suas vertentes).

Premium

Crónica de Televisão

Os índices dos níveis da cadência da normalidade

À medida que o primeiro dia da crise energética se aproximava, várias dúvidas assaltavam o espírito de todos os portugueses. Os canais de notícias continuariam a ter meios para fazer directos em estações de serviço semidesertas? Os circuitos de distribuição de vox pop seriam afectados? A língua portuguesa resistiria ao ataque concertado de dezenas de repórteres exaustos - a misturar metáforas, mutilar lugares-comuns ou a começar cada frase com a palavra "efectivamente"?