Jota e André Silva, Lda. numa vitória segura e com brinde de Brahimi

FC Porto venceu 3-0 com dois golos do ponta-de-lança e passes do colega do lado, antes de Brahimi responder com um golo a assobios

Uma vitória segura, com uma exibição bem conseguida, e por 3-0, permitiu ao FC Porto dormir junto ao Benfica no topo da classificação. Dois golos de André Silva e um de Brahimi a terminar derrotaram o Arouca, que em fevereiro tinha ganho no Dragão. Os portistas serão pelo menos segundos classificados isolados no final da jornada, dado o empate do Sporting.

Foi talvez a melhor exibição do FC Porto, quatro dias depois de Bruges - é sempre mais fácil quando se encadeiam vitórias e as dúvidas ficam para trás. A equipa defende bem, foi segura, não permitiu nada ao Arouca em 90 minutos, e isso ainda não tinha acontecido nesta época. Marcano e Felipe não são fantásticos mas estão em sintonia, já se conhecem e cometem poucos erros. Com Danilo - belo jogo -, a pressão foi por vezes asfixiante na primeira parte (na segunda o Arouca estendeu-se mais, mas nem assim teve um remate perigoso para Casillas).

O golo portista não chegou cedo, só mesmo sobre o intervalo, depois de uma primeira parte de sentido único em direção à baliza de Bracali. O FC Porto dominava, mas insistia muito nas mesmas jogadas e só melhorou (e marcou) quando Corona passou a jogar atrás dos pontas-de-lança, ele que tinha começado logo com um tiro ao poste (5"). Faltava ainda, à equipa de Nuno Espírito Santo, alguma complexidade no jogo, sendo certo que não era fácil passar aquela defesa reforçadíssima dos homens de Lito Vidigal, que jogava em 9-1, porque só Walter ficava à frente. Todos os outros ficavam ali sobre a entrada da área.

O Arouca vinha de uma eliminação da Taça de Portugal com o Real Massamá, do terceiro escalão, não ganha no campeonato desde a segunda jornada e por isso não está num grande momento - nesse aspeto, era um Arouca completamente diferente daquele que ganhou no Dragão na época passada, nesse jogo estranhíssimo (na jornada seguinte o FC Porto foi ganhar à Luz...). Acresce que o treinador Lito Vidigal tem feito muitas alterações à procura das associações certas, mas na verdade não as tem conseguido. Desta vez Carleto nem no banco, Anderson Luís foi para o banco - ou seja, laterais novos (Gegé e Vitor Costa) -, Nuno Coelho e Adilson logo à frente dos centrais Juba e Hugo Basto, Walter González aparecia na frente com Zequinha de um lado e Mateus do outro. Mas os extremos foram defesas laterais na primeira parte.

O golo chegou tarde, mas era importante numa semana a seguir à Champions. E para a equipa foi importante que nascesse muito da associação dos pontas-de-lança, Diogo Jota a assistir André Silva, depois de erro de Gegé. Mas André Silva finalizou com categoria. Teve tempo, é certo, mas acabou por chutar de pé esquerdo percebendo que era por ali que a bola podia mesmo entrar. E de resto Juba já tinha tirado uma bola em cima da linha (remate de Diogo Jota), Bracali tinha tirado outro golo a Oliver. O FC Porto atacava muito no primeiro jogo sem Otávio, que nem sequer ao banco foi (desgaste?), ele que tem sido o jogador mais criativo da equipa e um dos mais importantes. Mas a equipa conseguiu resolver o problema com outro golo já à entrada dos quinze minutos finais, noutro passe de Jota para a finalização de André Silva.

Brahimi a calar o público

Já estava em campo Brahimi, que precisa de coaching, porque não está bem, não toma boas decisões e já estava a ser assobiado quando conseguiu o golo, numa iniciativa individual que terminou com um tiro na área, sem hipóteses. Pode ter começado ali o renascimento do argelino, com aquele golo nos descontos, porque o talento está lá e toda a gente o sabe. Foi o seu primeiro golo da época, o que é importante, depois de já ter entrado bem em Bruges. Um belo golo e depois um gesto para calar o público - foi de raiva mesmo...

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ferreira Fernandes

Conhecem a última anedota do Brexit?

Quando uma anedota é uma anedota merece ser tratada como piada. E se a tal anedota ocupa um importante cargo histórico não pode ser levada a sério lá porque anda com sapatos de tigresa. Então, se a sua morada oficial é em Downing Street, o nome da rua - "Downing", que traduzido diz "cai, desaba, vai para o galheiro..." - vale como atual e certeira análise política. Tal endereço, tal país. Também o número da porta de Downing Street, o "10", serve hoje para fazer interpretações políticas. Se o algarismo 1 é pela função, mora lá a primeira-ministra, o algarismo 0 qualifica a atual inquilina. Para ser mais exato: apesar de ela ser conservadora, trata-se de um zero à esquerda. Resumindo, o que dizer de uma poderosa governante que se expõe ao desprezo quotidiano do carteiro?

Premium

Adolfo Mesquita Nunes

A escolha de uma liberdade

A projeção pública da nossa atividade, sobretudo quando, como é o caso da política profissional, essa atividade é, ela própria, pública e publicamente financiada, envolve uma certa perda de liberdade com que nunca me senti confortável. Não se trata apenas da exposição, que o tempo mediático, por ser mais veloz do que o tempo real das horas e dos dias, alargou para além da justíssima sindicância. E a velocidade desse tempo, que chega a substituir o tempo real porque respondemos e reagimos ao que se diz que é, e não ao que é, não vai abrandar, como também se não vai atenuar a inversão do ónus da prova em que a política vive.

Premium

Marisa Matias

Penalizações antecipadas

Um estudo da OCDE publicado nesta semana mostra que Portugal é dos países que mais penalizam quem se reforma antecipadamente e menos beneficia quem trabalha mais anos do que deve. A atual idade de reforma é de 66 anos e cinco meses. Se se sair do mercado de trabalho antes do previsto, o corte é de 36% se for um ano e de 45%, se forem três anos. Ou seja, em três anos é possível perder quase metade do rendimento para o qual se trabalhou uma vida. As penalizações são injustas para quem passou, literalmente, a vida toda a trabalhar e não tem como vislumbrar a possibilidade de deixar de fazê-lo.

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

O planeta dos sustentáveis 

Ao ambiente e ao planeta já não basta a simples manifestação da amizade e da esperança. Devemos-lhes a prática do respeito. Esta é, basicamente, a mensagem da jovem e global ativista Greta Thunberg. É uma mensagem positiva e inesperada. Positiva, porque em matéria de respeito pelo ambiente, demonstra que já chegámos à consciencialização urgente de que a ação já está atrasada em relação à emergência de catástrofes como a de Moçambique. Inesperada (ao ponto do embaraço para todos), pela constatação de que foi a nossa juventude, de facto e pela onda da sua ação, a globalizar a oportunidade para operacionalizar a esperança.