Jorge Costa elogia estratégia de Lopetegui frente ao Bayern

O antigo futebolista do FC Porto considera que o segredo da vitória sobre o Bayern Munique esteve na pressão à primeira fase de construção dos alemães e no trabalho de casa feito.

"Houve muito mérito do treinador do FC Porto pela forma como preparou o jogo e surpreendeu o Bayern, uma equipa habituada a sair de trás na primeira fase de construção com alguma liberdade", disse Jorge Costa à agência Lusa, sobre o jogo da primeira mão dos quartos-de-final da Liga dos Campeões, ao qual assistiu do Gabão, onde exerce as funções de selecionador.

Para Jorge Costa, o FC Porto teve muito mérito pela forma "como pressionou nos momentos exatos e nas zonas certas", o que permitiu "fazer um golo aos dois minutos, intranquilizar o Bayern e forçá-lo a cometer erros".

Além de elogiar "a coragem e a estratégia" de Lopetegui, o antigo 'capitão' portista, que enaltece também os jogadores por "terem sido fantásticos pela reposta que deram em campo", destacou a aposta em Jackson Martínez para o 'onze' inicial quando ninguém o previa.

"Não tenho dúvidas de que a utilização do Jackson resultou de uma jogada de bastidores do FC Porto e que ele fez um trabalho específico direcionado para o jogo com o Bayern. Os treinos à porta fechada permitiram isso. Foi uma surpresa para toda a gente e certamente para o Guardiola", disse Jorge Costa, que reconheceu, todavia, o peso que as baixas de jogadores importantes do Bayern tiveram no seu desempenho.

O ex-defesa apontou as ausências de Robben, Ribéry, Schweinsteiger e Alaba, que "tiram qualidade ao Bayern", mas remeteu de seguida para a segunda mão, na terça-feira, quando o FC Porto vai estar "um pouco na mesma situação" por ter perdido Danilo e Alex Sandro, o que tornará a equipa portuguesa "menos forte".

Desafiado a dizer como colmataria em Munique as ausências dos dois laterais brasileiros, Jorge Costa vacilou: "Vai ser difícil. Na direita colocaria o Ricardo, no lado esquerdo, provavelmente adaptaria o Indi, embora o espanhol José Angel fosse a opção mais normal. Seja como for, são duas mexidas em quatro defesas, o que a este nível é sempre complicado. O Lopetegui terá uma opção melhor porque trabalha todos os dias com os jogadores e conhece-os bem".

Perante a hipótese de Ricardo 'apanhar' com Ribéry pela frente, Jorge Costa alegou que "seria sempre complicado fosse qual fosse o jogador escolhido" caso o francês jogue e voltou a defender a opção pelo ex-vimaranense, até porque "Maicon também não tem rotina de lateral".

Quanto à estratégia para a segunda mão, Jorge Costa defendeu que o FC Porto, em função da vantagem de 3-1 que leva para Munique, terá de "ter cuidados defensivos, sem perder de vista, todavia, a marcação de um golo que tornaria as coisas menos difíceis".

"Pessoalmente, não mudaria muito a estratégia em relação ao primeiro jogo porque foi bem-sucedida e porque entendo que em alta competição o fator casa não deve interferir com a qualidade do jogo e a estratégia a assumir", referiu Jorge Costa, para quem "mais importante do que mudar o sistema é definir a estratégia".

O selecionador do Gabão lembrou que o FC Porto teve sucesso a jogar no Estádio do Dragão "com o bloco médio a pressionar em conjunto", razão pela qual considerou "não haver razão para alterar, mesmo tendo em conta que parte com dois golos de vantagem para a segunda mão".

Questionado sobre a utilidade que Tello, que está lesionado, poderia ter em Munique, Jorge Costa não tem dúvidas.

"Partindo de um princípio que o FC Porto vai jogar com o bloco mais baixo e em transições rápidas, evidentemente que o Tello seria uma opção interessante e importante. Mas para ele jogar, teria de sair o Brahimi, que tem outras características, que segura a bola e desequilibra no espaço interior", disse.

Seja como for, Jorge Costa está convencido de que Lopetegui vai manter a mesma equipa, exceção feita às duas alterações forçadas na defesa: "O Quaresma está muito bem, o Brahimi é um jogador acima da média, tudo depende da abordagem que o treinador fará ao jogo. No entanto, tendo o FC Porto feito um jogo excecional no Dragão, deveria aproveitar a confiança que os jogadores conquistaram no campo".

O antigo 'capitão' portista "puxou o filme atrás" da eliminatória dos quartos de final da Liga dos Campeões frente ao Bayern, na época de 2000/01, em que o FC Porto foi eliminado depois de um empate 1-1 no Dragão e uma derrota por 2-1 em Munique.

"Foi um jogo [em Munique] sui-generis porque o árbitro [o escocês Hugh Dallas] quis pôr o Bayern nas meias-finais. O Fernando Santos até se exaltou no final do jogo e foi castigado. Poderíamos ter feito mais, mas não nos deixaram", recordou Jorge Costa, que receia que o mesmo aconteça na terça-feira em Munique, onde "não será fácil ao FC Porto sobreviver".

Ler mais

Exclusivos

Premium

Rosália Amorim

"Sem emoção não há uma boa relação"

A frase calorosa é do primeiro-ministro António Costa, na visita oficial a Angola. Foi recebido com pompa e circunstância, por oito ministros e pelo governador do banco central e com honras de parada militar. Em África a simbologia desta grande receção foi marcante e é verdadeiramente importante. Angola demonstrou, para dentro e para fora, que Portugal continua a ser um parceiro importante. Ontem, o encontro previsto com João Lourenço foi igualmente simbólico e relevante para o futuro desta aliança estratégica.

Premium

João Gobern

Tirar a nódoa

São poucas as "fugas", poucos os desvios à honestidade intelectual que irritem mais do que a apropriação do alheio em conluio com a apresentação do mesmo com outra "assinatura". É vulgarmente referido como plágio e, em muitos casos, serve para disfarçar a preguiça, para fintar a falta de inspiração (ou "bloqueio", se preferirem), para funcionar como via rápida para um destino em que parece não importar o património alheio. No meio jornalístico, tive a sorte de me deparar com poucos casos dessa prática repulsiva - e alguns deles até apresentavam atenuantes profundas. Mas também tive o azar de me cruzar, por alguns meses, tempo ainda assim demasiado, com um diretor que tinha amealhado créditos ao publicar como sua uma tese universitária, revertido para (longo) artigo de jornal. A tese e a história "passaram", o diretor foi ficando. Até hoje, porque muitos desconhecem essa nódoa e outros preferiram olhar para o lado enquanto o promoviam.