João Pedro é o primeiro reforço para Sérgio Conceição

O defesa-direito do Palmeiras vai assinar por cinco temporadas, com os dragões a pagarem cerca de cinco milhões de euros

O defesa-direito João Pedro é o primeiro reforço do FC Porto para a próxima época. O internacional sub-20 brasileiro vai assinar contrato válido por cinco temporadas, com os dragões a pagarem ao Palmeiras, clube que detém os direitos desportivos do jogador, uma verba a rondar os cinco milhões de euros.

Veja aqui João Pedro em ação:

Com a contratação de João Pedro, de 21 anos, o FC Porto procura colmatar as saídas de Ricardo Pereira já transferido para o Leicester, por 20 milhões de euros, e de Diogo Dalot, que está em vias de concluir a sua mudança para o Manchester United. Isto numa altura em que ainda não é certo que Maxi Pereira permaneça às ordens do treinador Sérgio Conceição, uma vez que o internacional uruguaio se encontra em final de contrato com o FC Porto, havendo no entanto vontade do jogador em permanecer no clube.

João Pedro é uma das grandes promessas do futebol brasileiro, tendo-se estreado em 2014 na equipa principal do Palmeiras, onde fez toda a formação, com apenas 17 anos, numa altura em que o clube paulista teve de recorrer às suas camadas jovens por causa da crise financeira que atravessava. Em 2015, foi uma das figuras da seleção brasileira de sub-20 no Campeonato do Mundo da categoria, disputado na Nova Zelândia, no qual os canarinhos foram derrotados na final com a Sérvia.

Manchester United recusado em 2015

Curiosamente, após ter disputado esse Mundial o Palmeiras recusou uma proposta de quatro milhões de euros proveniente do Manchester United. Contudo, João Pedro, que também era utilizado como ala direito, começou a perder espaço no clube de São Paulo, razão pela qual em 2017 foi emprestado à Chapecoense, estando desde janeiro deste ano cedido ao Bahia, onde fez apenas 16 dos 33 jogos da equipa nas diversas competições em que disputou, entre as quais a Copa Sudamericana e o Brasileirão.

No FC Porto, João Pedro terá a primeira oportunidade na Europa, devendo ser oficializado nas próximas horas, depois de concluídos os exames médicos.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Henrique Burnay

Discretamente, sem ninguém ver

Enquanto nos Estados Unidos se discute se o candidato a juiz do Supremo Tribunal de Justiça americano tentou, ou não, há 36 anos abusar, ou mesmo violar, uma colega (quando tinham 17 e 15 anos), para além de tudo o que Kavanauhg pensa, pensou, já disse ou escreveu sobre o que quer que seja, em Portugal ninguém desconfia quem seja, o que pensa ou o que pretende fazer a senhora nomeada procuradora-geral da República, na noite de quinta-feira passada. Enquanto lá se esmiúça, por cá elogia-se (quem elogia) que o primeiro-ministro e o Presidente da República tenham muito discretamente combinado entre si e apanhado toda a gente de surpresa. Aliás, o apanhar toda a gente de surpresa deu, até, direito a que se recordasse como havia aqui genialidade tática. E os jornais que garantiram ter boas fontes a informar que ia ser outra coisa pedem desculpa mas não dizem se enganaram ou foram enganados. A diferença entre lá e cá é monumental.

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.