Jackson Martínez: "Espero não forçar a minha saída"

Avançado colombiano não esconde que gostaria de experimentar outro campeonato e diz que neste momento o que está em causa é saber se o FC Porto lhe melhora as condições salariais ou se o deixa sair

Integrado na seleção da Colômbia que está em Barcelona para defrontar a Sérvia, num jogo particular, na quarta-feira, Jackson Martínez falou esta segunda-feira aos jornalistas sobre o seu futuro e o interesse do Nápoles. E, mesmo garantindo estar bem no FC Porto, deixou sinais claros de que gostaria de sair já neste verão.

"Estou bem no FC Porto, mas sempre trabalhei para ter outras oportunidades e a verdade é que elas estão a aparecer", referiu o colombiano à imprensa internacional que acompanha os trabalhos da seleção sul-americana em Barcelona. Por isso, avisa, ou o FC Porto o vende ou lhe melhora o contrato.

"O clube é que deve saber o que quer. Se está disposto a negociar a minha saída ou a melhorar as minhas condições", afirmou, adiantando que vive o presente "e o presente é o FC Porto". E disse acreditar que "as coisas vão fazer-se no devido tempo".

Forçar uma saída está então fora de questão, perguntaram a Jackson. A resposta foi evasiva. "Espero não forçar, na verdade", rematou.

Para já, em causa está a renovação ou não do contrato com o FC Porto, válido até 2016. E Jackson garante que os campeões nacionais ainda não lhe apresentaram qualquer proposta: "Ouço coisas que não são verdadeiras. Já saiu na imprensa que renovei até 2018 e eu não renovei em momento algum. E nem sequer posso pensar em renovar porque em nenhum momento o FC Porto me chamou para renovar."

Jackson não sabe se o Nápoles ou algum outro clube vai pagar os 40 milhões de euros da sua cláusula de rescisão, mas não esconde que Itália é um campeonato atractivo. "Todos os destinos onde o futebol se joga ao mais alto nível são interessantes para mim", assumiu.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Opinião

Os irados e o PAN

A TVI fez uma reportagem sobre um grupo de nome IRA, Intervenção e Resgate Animal. Retirados alguns erros na peça, como, por exemplo, tomar por sério um vídeo claramente satírico, mostra-se que estamos perante uma organização de justiceiros. Basta, aliás, ir à página deste grupo - que tem 136 000 seguidores - no Facebook para ter a confirmação inequívoca de que é um grupo de gente que despreza a lei e as instituições democráticas e que decidiu fazer aquilo que acha que é justiça pelas suas próprias mãos.