Jackson Martínez: "Espero não forçar a minha saída"

Avançado colombiano não esconde que gostaria de experimentar outro campeonato e diz que neste momento o que está em causa é saber se o FC Porto lhe melhora as condições salariais ou se o deixa sair

Integrado na seleção da Colômbia que está em Barcelona para defrontar a Sérvia, num jogo particular, na quarta-feira, Jackson Martínez falou esta segunda-feira aos jornalistas sobre o seu futuro e o interesse do Nápoles. E, mesmo garantindo estar bem no FC Porto, deixou sinais claros de que gostaria de sair já neste verão.

"Estou bem no FC Porto, mas sempre trabalhei para ter outras oportunidades e a verdade é que elas estão a aparecer", referiu o colombiano à imprensa internacional que acompanha os trabalhos da seleção sul-americana em Barcelona. Por isso, avisa, ou o FC Porto o vende ou lhe melhora o contrato.

"O clube é que deve saber o que quer. Se está disposto a negociar a minha saída ou a melhorar as minhas condições", afirmou, adiantando que vive o presente "e o presente é o FC Porto". E disse acreditar que "as coisas vão fazer-se no devido tempo".

Forçar uma saída está então fora de questão, perguntaram a Jackson. A resposta foi evasiva. "Espero não forçar, na verdade", rematou.

Para já, em causa está a renovação ou não do contrato com o FC Porto, válido até 2016. E Jackson garante que os campeões nacionais ainda não lhe apresentaram qualquer proposta: "Ouço coisas que não são verdadeiras. Já saiu na imprensa que renovei até 2018 e eu não renovei em momento algum. E nem sequer posso pensar em renovar porque em nenhum momento o FC Porto me chamou para renovar."

Jackson não sabe se o Nápoles ou algum outro clube vai pagar os 40 milhões de euros da sua cláusula de rescisão, mas não esconde que Itália é um campeonato atractivo. "Todos os destinos onde o futebol se joga ao mais alto nível são interessantes para mim", assumiu.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Henrique Burnay

Discretamente, sem ninguém ver

Enquanto nos Estados Unidos se discute se o candidato a juiz do Supremo Tribunal de Justiça americano tentou, ou não, há 36 anos abusar, ou mesmo violar, uma colega (quando tinham 17 e 15 anos), para além de tudo o que Kavanauhg pensa, pensou, já disse ou escreveu sobre o que quer que seja, em Portugal ninguém desconfia quem seja, o que pensa ou o que pretende fazer a senhora nomeada procuradora-geral da República, na noite de quinta-feira passada. Enquanto lá se esmiúça, por cá elogia-se (quem elogia) que o primeiro-ministro e o Presidente da República tenham muito discretamente combinado entre si e apanhado toda a gente de surpresa. Aliás, o apanhar toda a gente de surpresa deu, até, direito a que se recordasse como havia aqui genialidade tática. E os jornais que garantiram ter boas fontes a informar que ia ser outra coisa pedem desculpa mas não dizem se enganaram ou foram enganados. A diferença entre lá e cá é monumental.

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.