Jackson e Quintero de regresso ao trabalho

Os internacionais colombianos Jackson Martinez e Quintero integraram esta terça-feira o regresso ao trabalho do FC Porto, que continua a ter nove futebolistas ao serviço de diversas seleções.

Após cumprir dois dias de folga, os "dragões" continuaram a preparar a visita de domingo (17:00) ao Vitória de Guimarães, na quarta jornada da Liga, na qual ainda não contará com o espanhol Cristian Tello, em recuperação, mas que já subiu ao relvado, para treino integrado condicionado.

Helton, em treino condicionado e trabalho de ginásio, Óliver Torres, em tratamento, Opare e Alex Sandro, em treino condicionado, continuam fora das opções de Julen Lopetegui.

Jackson e Quintero já voltaram após representar a Colômbia, mas Aboubakar (Camarões), Martins Indi (Holanda), Danilo (Brasil), Herrera (México), Brahimi (Argélia), Rúben Neves e Ricardo (Portugal Sub-21), Otávio (Brasil Sub-21) e Campaña (Espanha Sub-21) continuam ausentes, ao serviço das respetivas seleções.

Assim, o grupo foi reforçado com os "B" Igor Lichnovsky, David Bruno, Rafa, Francisco Ramos, Graça, Frédéric e Kayembe, bem como o sub-19 Fernando.

O FC Porto volta a treinar na quarta-feira às 10:30, novamente no Centro de Treinos e Formação Desportiva Porto/Gaia, com os primeiros 15 minutos abertos à comunicação social.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Nuno Artur Silva

Notícias da frente da guerra

Passaram cem anos do fim da Primeira Guerra Mundial. Foi a data do Armistício assinado entre os Aliados e o Império Alemão e do cessar-fogo na Frente Ocidental. As hostilidades continuaram ainda em outras regiões. Duas décadas depois, começava a Segunda Guerra Mundial, "um conflito militar global (...) Marcado por um número significativo de ataques contra civis, incluindo o Holocausto e a única vez em que armas nucleares foram utilizadas em combate, foi o conflito mais letal da história da humanidade, resultando entre 50 e mais de 70 milhões de mortes" (Wikipédia).

Premium

nuno camarneiro

Uma aldeia no centro da cidade

Os vizinhos conhecem-se pelos nomes, cultivam hortas e jardins comunitários, trocam móveis a que já não dão uso, organizam almoços, jogos de futebol e até magustos, como aconteceu no sábado passado. Não estou a descrever uma aldeia do Minho ou da Beira Baixa, tampouco uma comunidade hippie perdida na serra da Lousã, tudo isto acontece em plena Lisboa, numa rua com escadinhas que pertence ao Bairro dos Anjos.