Ironia do guarda-redes José Sá castigada com dois jogos

Bruno Paixão sentiu-se ofendido com as palavras que José Sá lhe dirigiu no final do jogo de domingo

O guarda-redes José Sá, do FC Porto, foi castigado com dois jogos de suspensão na sequência da expulsão ocorrida no final da derrota dos 'dragões' em Paços de Ferreira, domingo à noite.

O conselho de disciplina da Federação Portuguesa de Futebol (FPF), secção profissional, castigou hoje o guarda-redes suplente do líder do campeonato pelo que disse ao árbitro, após a derrota do FC Porto por 1-0, palavras que foram consideradas como "ofensivas".

"Muitos parabéns pela excelente vitória que conseguiste aqui, tu e a tua equipa", terá dito José Sá ao árbitro Bruno Paixão, que o expulsou de imediato por considerar que foram palavras "ofensivas e que colocam em causa a sua honra e dignidade", conforme escreveu no relatório.

José Sá foi entre outubro e fevereiro a principal opção do treinador Sérgio Conceição para a baliza do FC Porto, mas perdeu a titularidade para o espanhol Casillas após a derrota no Dragão por 5-0 com o Liverpool.

Pelo mesmo incidente, José Sá foi castigado com uma multa de 1148 euros.

A maior multa nos jogos da 26.ª jornada da I Liga foi, no entanto, aplicada ao Marítimo, a castigar a presença de um jogador na 'flash interview' com publicidade não autorizada no equipamento - o valor do castigo é de 5738 euros.

Além de José Sá, também foi punido com dois jogos Douglas, do Vitória de Guimarães, no jogo contra o Portimonense, por uma entrada considerada excessiva sobre um adversário, que valeu ao guardião o vermelho direto.

Lista de jogadores suspensos:

- I Liga:

2 jogos:

Douglas (Vitória de Guimarães).

José Sá (FC Porto).

1 jogo:

Paulo Machado (Desportivo das Aves).

Ricardo Monteiro 'Tarantini' (Rio Ave).

Élvis Macedo 'Babanco' (Feirense).

Rui Moura 'Carraça' (Boavista).

Mohamed Abarhoun (Moreirense).

Luiz Phellype (Paços de Ferreira).

João 'Costinha' (Vitória de Setúbal).

Ler mais

Exclusivos

Premium

Opinião

Os irados e o PAN

A TVI fez uma reportagem sobre um grupo de nome IRA, Intervenção e Resgate Animal. Retirados alguns erros na peça, como, por exemplo, tomar por sério um vídeo claramente satírico, mostra-se que estamos perante uma organização de justiceiros. Basta, aliás, ir à página deste grupo - que tem 136 000 seguidores - no Facebook para ter a confirmação inequívoca de que é um grupo de gente que despreza a lei e as instituições democráticas e que decidiu fazer aquilo que acha que é justiça pelas suas próprias mãos.

Premium

Margarida Balseiro Lopes

Falta (transparência) de financiamento na ciência

No início de 2018 foi apresentado em Portugal um relatório da OCDE sobre Ensino Superior e a Ciência. No diagnóstico feito à situação portuguesa conclui-se que é imperativa a necessidade de reformar e reorganizar a Fundação para a Ciência e a Tecnologia (FCT), de aumentar a sua capacidade de gestão estratégica e de afastar o risco de captura de financiamento por áreas ou grupos. Quase um ano depois, relativamente a estas medidas que se impunham, o governo nada fez.