Ironia do guarda-redes José Sá castigada com dois jogos

Bruno Paixão sentiu-se ofendido com as palavras que José Sá lhe dirigiu no final do jogo de domingo

O guarda-redes José Sá, do FC Porto, foi castigado com dois jogos de suspensão na sequência da expulsão ocorrida no final da derrota dos 'dragões' em Paços de Ferreira, domingo à noite.

O conselho de disciplina da Federação Portuguesa de Futebol (FPF), secção profissional, castigou hoje o guarda-redes suplente do líder do campeonato pelo que disse ao árbitro, após a derrota do FC Porto por 1-0, palavras que foram consideradas como "ofensivas".

"Muitos parabéns pela excelente vitória que conseguiste aqui, tu e a tua equipa", terá dito José Sá ao árbitro Bruno Paixão, que o expulsou de imediato por considerar que foram palavras "ofensivas e que colocam em causa a sua honra e dignidade", conforme escreveu no relatório.

José Sá foi entre outubro e fevereiro a principal opção do treinador Sérgio Conceição para a baliza do FC Porto, mas perdeu a titularidade para o espanhol Casillas após a derrota no Dragão por 5-0 com o Liverpool.

Pelo mesmo incidente, José Sá foi castigado com uma multa de 1148 euros.

A maior multa nos jogos da 26.ª jornada da I Liga foi, no entanto, aplicada ao Marítimo, a castigar a presença de um jogador na 'flash interview' com publicidade não autorizada no equipamento - o valor do castigo é de 5738 euros.

Além de José Sá, também foi punido com dois jogos Douglas, do Vitória de Guimarães, no jogo contra o Portimonense, por uma entrada considerada excessiva sobre um adversário, que valeu ao guardião o vermelho direto.

Lista de jogadores suspensos:

- I Liga:

2 jogos:

Douglas (Vitória de Guimarães).

José Sá (FC Porto).

1 jogo:

Paulo Machado (Desportivo das Aves).

Ricardo Monteiro 'Tarantini' (Rio Ave).

Élvis Macedo 'Babanco' (Feirense).

Rui Moura 'Carraça' (Boavista).

Mohamed Abarhoun (Moreirense).

Luiz Phellype (Paços de Ferreira).

João 'Costinha' (Vitória de Setúbal).

Ler mais

Exclusivos

Premium

Henrique Burnay

Discretamente, sem ninguém ver

Enquanto nos Estados Unidos se discute se o candidato a juiz do Supremo Tribunal de Justiça americano tentou, ou não, há 36 anos abusar, ou mesmo violar, uma colega (quando tinham 17 e 15 anos), para além de tudo o que Kavanauhg pensa, pensou, já disse ou escreveu sobre o que quer que seja, em Portugal ninguém desconfia quem seja, o que pensa ou o que pretende fazer a senhora nomeada procuradora-geral da República, na noite de quinta-feira passada. Enquanto lá se esmiúça, por cá elogia-se (quem elogia) que o primeiro-ministro e o Presidente da República tenham muito discretamente combinado entre si e apanhado toda a gente de surpresa. Aliás, o apanhar toda a gente de surpresa deu, até, direito a que se recordasse como havia aqui genialidade tática. E os jornais que garantiram ter boas fontes a informar que ia ser outra coisa pedem desculpa mas não dizem se enganaram ou foram enganados. A diferença entre lá e cá é monumental.

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.