Ian Rush: "FC Porto tem de se preocupar com Salah. É um génio"

A Liga dos Campeões está de volta esta semana, com os primeiros jogos dos oitavos-de-final (hoje há Basileia-Manchester City e Juventus-Tottenham), e traz no cartaz um duelo entre FC Porto e Liverpool, com primeira mão marcada para amanhã no Estádio do Dragão. É o pretexto para uma conversa com um histórico do clube inglês, Ian Rush, galês que jogou 15 anos com a camisola dos reds (e fez 229 golos). O antigo goleador não arrisca um favorito, mas avisa os portistas para um nome: Salah, a grande figura da equipa da cidade dos Beatles.

O FC Porto nunca conseguiu ganhar ao Liverpool [em quatro jogos perdeu dois e empatou outros tantos]. Pensa que os "seus" reds vão manter este saldo positivo?

Espero que sim, e estou confiante, mas um jogo da Liga dos Campeões é sempre muito incerto. O FC Porto fez uma boa fase de grupos, tal como o Liverpool, e as duas equipas estão também muito bem neste momento. Será um desafio complicado, mas acredito que o Liverpool possa vencer e seguir em frente. O objetivo da equipa deve ser fazer uma grande Liga dos Campeões, até porque o título inglês dificilmente será possível esta temporada.

Considera então o Liverpool como favorito?

Para já, o FC Porto joga em casa, tem o público do seu lado, não se pode dizer que o Liverpool seja favorito para este primeiro jogo. Talvez por ser uma equipa inglesa se possa pensar assim, por serem equipas mais habituadas nos últimos anos a grandes campanhas na Liga dos Campeões, mas não posso dizer que é favorito, até porque o FC Porto também é um histórico das competições europeias.

Conhece a equipa do FC Porto?

Pouco, muito pouco, aliás. Vi alguns jogos da Liga dos Campeões, vi que fizeram uma grande campanha, serão um adversário muito duro. Sei que estão também muito bem no campeonato português, mas não tenho acompanhado ao pormenor.

E gostou de algum jogador em particular?

O médio-defensivo [Danilo], que também joga por Portugal. É um grande futebolista, muito inteligente. Depois a dupla de ataque [Marega e Aboubakar] tem também muita velocidade e os dois são muito fortes fisicamente.

O FC Porto passou uma fase negativa nos últimos anos, em termos desportivos, mas parece que esta temporada acertou, sobretudo, com a contratação de Sérgio Conceição, um ex-jogador do clube. Como antigo futebolista, considera que este tipo de escolhas é a mais acertada?

Os jogadores ou ex-jogadores estão sempre mais bem preparados, mas isso não é uma regra. Basta ver que alguns dos melhores treinadores mundiais se calhar não tiveram sucesso como jogadores. Mas depois há outros que tiveram e conseguem transpor isso no seu trabalho: veja-se Pep Guardiola, Luis Enrique ou mesmo Zidane. Se o FC Porto apostou em Sérgio Conceição é porque viu qualidades e a verdade é que está tudo a correr bem. Eu, como ex-jogador, gosto de ver antigos futebolistas a comandar as equipas.

E o que destaca deste Liverpool deste ano?

Penso que tem estado muito bem com Jurgen Klöpp. Teve um primeiro ano de teste e agora, nesta temporada, a equipa tem respondido muito bem. Sempre coloquei o objetivo do Liverpool como os quatro primeiros [na Premier League] e esta temporada está a conseguir isso e a fazer boas exibições, os adeptos estão com a equipa, com o treinador, ainda estamos na Liga dos Campeões... Ainda se pode fazer muito mais, mas penso que com Klöpp a equipa finalmente estabilizou, mesmo com saídas importantes, como agora Coutinho.

A saída de Coutinho poderá ser aproveitada pelo FC Porto?

O Liverpool já fez vários jogos sem Coutinho e a equipa tem respondido bastante bem. Não acredito que o FC Porto pense que poderá ter vantagens por isso. É claro que era um jogador fundamental para o Liverpool, mas a equipa tem respondido bastante bem sem ele.

Quem é a estrela do Liverpool que deve preocupar o FC Porto?

Salah. Sempre se falou muito de Coutinho e os milhões da sua transferência também o valorizam ainda mais, mas Salah é um génio. É com ele que o FC Porto tem de se preocupar. Está ao nível dos melhores do mundo.

Disse recentemente que o comparava a Lionel Messi e a Cristiano Ronaldo. Coloca-o nesse patamar?

Sem dúvida. Embora tenha dito que naquela altura era o melhor, do ponto de vista que estava em melhor forma do que os dois, mas está a esse nível, sem dúvida. É um génio, um jogador fantástico e que pode ser um dos melhores do mundo.

Que jogador português gostaria de ver no seu Liverpool?

Posso dizer o nome óbvio, Cristiano Ronaldo, mas não seria delicado para os outros todos. Portugal tem jogadores fantásticos, por isso mesmo é que foram campeões europeus em 2016. O Liverpool ficaria bem servido com muitos desses jogadores. Têm uma formação fantástica em Portugal, mas são também jogadores muito caros.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Henrique Burnay

Discretamente, sem ninguém ver

Enquanto nos Estados Unidos se discute se o candidato a juiz do Supremo Tribunal de Justiça americano tentou, ou não, há 36 anos abusar, ou mesmo violar, uma colega (quando tinham 17 e 15 anos), para além de tudo o que Kavanauhg pensa, pensou, já disse ou escreveu sobre o que quer que seja, em Portugal ninguém desconfia quem seja, o que pensa ou o que pretende fazer a senhora nomeada procuradora-geral da República, na noite de quinta-feira passada. Enquanto lá se esmiúça, por cá elogia-se (quem elogia) que o primeiro-ministro e o Presidente da República tenham muito discretamente combinado entre si e apanhado toda a gente de surpresa. Aliás, o apanhar toda a gente de surpresa deu, até, direito a que se recordasse como havia aqui genialidade tática. E os jornais que garantiram ter boas fontes a informar que ia ser outra coisa pedem desculpa mas não dizem se enganaram ou foram enganados. A diferença entre lá e cá é monumental.

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.