Herrera apto para visita à Juventus

O jogador do FC Porto foi reintegrado nos trabalhos, após ter sido dado como apto pelo departamento médico do clube para a partida da Liga dos Campeões

O futebolista mexicano Hector Herrera voltou este sábado a treinar sem limitações, na primeira sessão do FC Porto de preparação para a visita de terça-feira à Juventus, da segunda mão dos oitavos de final da Liga dos Campeões.

Lesionado desde a partida com os italianos (derrota por 2-0), a 22 de fevereiro, o médio regressou ao trabalho sem limitações com o restante plantel do FC Porto, um dia depois da goleada sobre o Arouca (4-0), na 25.ª jornada da I Liga.

Ainda a trabalhar de forma condicionada continua o também mexicano Corona, tendo o treinador Nuno Espírito Santo chamado Musa Yahaya, Tony Djim, Cláudio Ribeiro e Bruno Costa, da equipa B, e o guarda-redes Ricardo Silva, dos sub-19.

Os 'dragões' têm um dia de folga no domingo e viajam para Turim na segunda-feira, às 9:20. Às 18:30 locais (menos uma hora em Portugal continental), Nuno Espírito Santo e um treinador farão a antevisão da partida, 30 minutos antes do treino no Estádio da Juventus.

Para se qualificar para os quartos-de-final, o FC Porto terá de dar a volta a uma desvantagem de 2-0 em Itália.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Opinião

Os irados e o PAN

A TVI fez uma reportagem sobre um grupo de nome IRA, Intervenção e Resgate Animal. Retirados alguns erros na peça, como, por exemplo, tomar por sério um vídeo claramente satírico, mostra-se que estamos perante uma organização de justiceiros. Basta, aliás, ir à página deste grupo - que tem 136 000 seguidores - no Facebook para ter a confirmação inequívoca de que é um grupo de gente que despreza a lei e as instituições democráticas e que decidiu fazer aquilo que acha que é justiça pelas suas próprias mãos.

Premium

Margarida Balseiro Lopes

Falta (transparência) de financiamento na ciência

No início de 2018 foi apresentado em Portugal um relatório da OCDE sobre Ensino Superior e a Ciência. No diagnóstico feito à situação portuguesa conclui-se que é imperativa a necessidade de reformar e reorganizar a Fundação para a Ciência e a Tecnologia (FCT), de aumentar a sua capacidade de gestão estratégica e de afastar o risco de captura de financiamento por áreas ou grupos. Quase um ano depois, relativamente a estas medidas que se impunham, o governo nada fez.