Há 41 anos que o dragão não marcava tantos golos em casa

A equipa de Sérgio Conceição leva 21 remates certeiros em cinco jogos no Dragão, o melhor desde a equipa de Pedroto em 1976-77

Há 41 anos que não se via nada assim no reino do dragão. O FC Porto de Sérgio Conceição tem o melhor ataque nos cinco primeiros jogos que realizou em casa no campeonato desde a longínqua época de 1976-77. São até ao momento 21 golos marcados e nesta noite (20.30, SportTV1) o Belenenses vai ser colocado à prova perante o poder ofensivo dos portistas, que leva uma média superior a quatro golos por partida disputada no seu reduto.

Nesta noite, o ataque portista surgirá desfalcado de Marega (além de Soares e Otávio), lesionado frente ao RB Leipzig, mas ainda assim não se adivinha tarefa nada fácil para os azuis do Restelo, que nas últimas três visitas ao Dragão contabilizam duas derrotas, uma por 3-0 e outra por 4-0, embora nesta época apenas por uma vez tenham sofrido mais de dois golos nos cinco jogos que a equipa de Domingos Paciência disputou fora de casa: uma mão cheia na visita ao Benfica.

Melhor do que isto, para o FC Porto, só em 1976-77, temporada que marca o início da era Pinto da Costa, então como diretor do departamento de futebol, que contratou o histórico José Maria Pedroto para treinador da equipa que chegou ao final dos primeiros cinco jogos nas Antas com 23 remates certeiros - 3-0, ao Portimonense, 5-2 ao Beira-Mar, 8-2 ao Atlético, 5-2 ao Sp. Braga e 2-0 à Académica.

Nesse início de carreira da equipa de Pedroto, que no final não foi além do terceiro lugar no campeonato e marcou no total 57 golos em casa (média de 3,8 golos por jogo), Fernando Gomes foi o grande goleador da equipa, com oito golos, dos quais seis foram marcados ao Atlético. O peruano Teófilo Cubillas foi autor de seis golos, tendo os restantes sido da autoria de Duda (3), António Oliveira (2), Seninho (1) e Júlio (1), com os dragões a beneficiarem ainda de dois autogolos no jogo com o Sp. Braga.

Em comparação com esta época, a dupla atacante Aboubakar e Marega soma seis golos cada um, com Brahimi a contabilizar três, Marcano faturou por duas vezes e os restantes golos foram de Francisco Soares, Ricardo Pereira, Felipe e Jesús Corona. Até ao momento, no Estádio do Dragão, os resultados menos avolumados do FC Porto foram com o Moreirense e o Desp. Chaves, ambos por 3-0, sendo o mais gordo diante do Paços de Ferreira por 6-1. O Estoril deixou o relvado dos portistas vergado a uma goleada de 4-0, enquanto o Portimonense foi batido por 5-2.

Recorde na Constituição

Se tivermos em conta as 84 edições do campeonato nacional disputadas até ao momento, verificamos que a equipa treinada por Sérgio Conceição tem o oitavo melhor registo de sempre nos primeiros cinco jogos disputados em casa, sendo os cinco melhores registos do FC Porto todos anteriores a 1950, numa altura em que se marcavam muitos golos.

O ranking é liderado pela equipa de 1939-40, treinada pelo húngaro Miguel Siska, que chegou ao quinto jogo no então Campo da Constituição com 30 golos, dos quais 12 apontados pelo croata Franjo Petrak, que terminou o torneio com 29 remates certeiros, tantos quantos o sportinguista Fernando Peyroteo. Essa equipa portista sagrou-se campeã nacional com um total de 50 golos em casa (média de 5,5 por partida).

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.

Premium

João Taborda da Gama

Le pénis

Não gosto de fascistas e tenho pouco a dizer sobre pilas, mas abomino qualquer forma de censura de uns ou de outras. Proibir a vista dos pénis de Mapplethorpe é tão condenável como proibir a vinda de Le Pen à Web Summit. A minha geração não viveu qualquer censura, nem a de direita nem a que se lhe seguiu de esquerda. Fomos apenas confrontados com alguns relâmpagos de censura, mais caricatos do que reais, a última ceia do Herman, o Evangelho de Saramago. E as discussões mais recentes - o cancelamento de uma conferência de Jaime Nogueira Pinto na Nova, a conferência com negacionista das alterações climáticas na Universidade do Porto - demonstram o óbvio: por um lado, o ato de proibir o debate seja de quem for é a negação da liberdade sem mas ou ses, mas também a demonstração de que não há entre nós um instinto coletivo de defesa da liberdade de expressão independentemente de concordarmos com o seu conteúdo, e de este ser mais ou menos extremo.

Premium

Bernardo Pires de Lima

Em contagem decrescente

O brexit parece bloqueado após a reunião de Salzburgo. Líderes do processo endureceram posições e revelarem um tom mais próximo da rutura do que de um espírito negocial construtivo. A uma semana da convenção anual do partido conservador, será ​​​​​​​que esta dramatização serve os objetivos de Theresa May? E que fará a primeira-ministra até ao decisivo Conselho Europeu de novembro, caso ultrapasse esta guerrilha dentro do seu partido?

Premium

Catarina Carvalho

O populismo na campanha Marques Vidal

Há uma esperança: não teve efeito na opinião pública a polémica da escolha do novo procurador-geral da República. É, pelo menos, isso que dizem os estudos de opinião - o número dos que achavam que Joana Marques Vidal devia continuar PGR permaneceu inalterável entre o início do ano e estas últimas semanas. Isto retirando o facto, já de si notável, de que haja sondagens sobre este assunto.