Fortaleza de Nuno desafia os melhores exemplos do dragão

Sem sofrer golos há 660 minutos, a equipa portista tenta hoje com o Marítimo prolongar um dos melhores registos defensivos de sempre

O FC Porto recebe esta noite (20.30 horas, Sport TV1) o Marítimo em jogo antecipado da 15.ª jornada da Liga, no qual os dragões vão tentar a aproximação ao líder Benfica, mas sobretudo estará à prova a imbatibilidade da defesa da equipa treinada por Nuno Espírito Santo.

É que os dragões estão há 660 minutos sem sofrer qualquer golo, o que corresponde a sete partidas, e uma delas teve 30 minutos de prolongamento (em Chaves, para a Taça de Portugal). A última vez que o guarda-redes Iker Casillas foi buscar a bola ao fundo da baliza foi nos instantes finais do clássico com o Benfica, quando o argentino Lisandro López fez o empate 1-1. Desde então ninguém conseguiu marcar à fortaleza portista, correspondendo o campeonato a 270 minutos de imbatibilidade, ou seja, a três jogos completos.

No total, o FC Porto apenas sofreu cinco golos em 13 jornadas, o que, olhando para o histórico dos azuis e brancos, corresponde à quarta melhor média de sempre, em igualdade com o total da época 2014-15, o primeiro ano do espanhol Julen Lopetegui como treinador. São 0,38 golos sofridos por partida...

Jorge Andrade, antigo defesa central que vestiu de dragão ao peito entre 2000 e 2002, justifica esta média impressionante com o facto de o FC Porto ter "um grande guarda-redes, laterais muito bons e uma dupla de centrais que no início ficaram marcados por dois autogolos de Felipe, mas que depois encarrilharam". Há no entanto um elemento que, na opinião do antigo internacional português, tem sido preponderante para a tão grande eficácia defensiva da formação de Nuno Espírito Santo. "Danilo Pereira é a peça-chave da equipa, porque é um jogador que funciona quase como um terceiro central e serve de tampão para a defesa, pois quando surge alguma falha lá está ele a resolver", justifica Jorge Andrade.

Os melhores centrais de sempre?

Esta sequência de jogos sem sofrer golos até já motivou os elogios do presidente do FC Porto, que fez questão de enaltecer os dois jogadores que ocupam o eixo central da defensiva. "Felipe e Marcano fazem uma das melhores duplas de sempre do FC Porto e do futebol português", assumiu Pinto da Costa.

Uma ideia comentada por Jorge Andrade com uma comparação curiosa. "Quem está é sempre melhor. É como termos uma namorada, será sempre melhor do que as outras", disse o antigo central de 38 anos, que acrescentou: "De certeza que os centrais que foram campeões europeus também eram os melhores de sempre, na altura, para o presidente."

De qualquer forma, Jorge Andrade deixou a certeza de que Felipe e Ivan Marcano "têm muito mérito" na boa fase defensiva por que está a passar o FC Porto. "Estão de parabéns." O problema dos dragões, para o antigo jogador, "é de Danilo para a frente". "É bom não sofrer golos, mas se não marcar passa a ser uma situação negativa. As coisas começaram agora a inverter-se no que diz respeito ao ataque, mas a equipa ainda tem um longo caminho a percorrer", frisou.

Nuno Espírito Santo enalteceu ontem os "bons desempenhos nos últimos dois jogos" e acrescentou que espera "repetir aquele que é o pilar" da equipa: "A solidez defensiva para potenciar o talento que temos na frente." É esse equilíbrio que o FC Porto tem procurado.

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Almeida Moreira

Bolsonaro, curiosidade ou fúria

Perante um fenómeno que nos pareça ultrajante podemos ter uma de duas atitudes: ficar furiosos ou curiosos. Como a fúria é o menos produtivo dos sentimentos, optemos por experimentar curiosidade pela ascensão de Jair Bolsonaro, o candidato de extrema-direita do PSL em quem um em cada três eleitores brasileiros vota, segundo sondagem de segunda-feira do banco BTG Pactual e do Instituto FSB, apesar do seu passado (e presente) machista, xenófobo e homofóbico.

Premium

Rosália Amorim

"Sem emoção não há uma boa relação"

A frase calorosa é do primeiro-ministro António Costa, na visita oficial a Angola. Foi recebido com pompa e circunstância, por oito ministros e pelo governador do banco central e com honras de parada militar. Em África a simbologia desta grande receção foi marcante e é verdadeiramente importante. Angola demonstrou, para dentro e para fora, que Portugal continua a ser um parceiro importante. Ontem, o encontro previsto com João Lourenço foi igualmente simbólico e relevante para o futuro desta aliança estratégica.