Felipe: "Jogo duro, defesa bonzinho ninguém respeita"

Central explicou ausência de três jogos e reagiu a críticas do Benfica: "Fizeram tempestade num copo de água, para me desestabilizar"

Com a mesma naturalidade com que voltou à equipa titular, na vitória do FC Porto sobre o Rio Ave (3-0), Felipe fala de tudo: do momento da equipa, da relação com Sérgio Conceição, do final de contrato de Marcano e Reyes, do duelo com o Liverpool para a Liga dos Campeões... e até da fama de ser um jogador violento. "Sou sincero: sou um cara que joga duro. Defesa muito bonzinho ninguém respeita", respondeu ontem o central portista.

O Benfica chamou-lhe "Felipe Vale Tudo", numa publicação nas redes sociais da internet, questionando a alegada violência e impunidade com que o central brasileiro joga. Ele não se coíbe de reagir. "Sou duro, firme na bola. Fizeram uma tempestade num copo de água, talvez para me tentar desestabilizar. Mas, a esse respeito, estou tranquilo", disse Felipe, no aeroporto do Porto, à partida para as miniférias de Natal.

O FC Porto chega à quadra festiva num bom momento - em 1.º do campeonato e do grupo D da Taça da Liga, apurado para os oitavos-de-final da Champions e para os quartos-de-final da Taça de Portugal. E Felipe admite que o treinador, Sérgio Conceição, chegado no início da época, contribuiu para esse salto qualitativo. "Tem uma "pegada" diferente, cobra bastante, e isso reflete-se no jogo", explicou. "Empatar, para ele, já é muito doloroso. E passa isso para nós: a gente fica mais ligado no jogo. Procuramos chegar sempre à perfeição", acrescentou o defesa, que voltou ao 11 ante o Rio Ave, quinta-feira, após três jogos no banco.

Ora, essa ausência de Felipe, nas partidas V. Setúbal, V. Guimarães e Marítimo (o seu maior hiato competitivo desde que chegou ao clube, no início de 2016-17), causou estranheza - levando a que se especulasse sobre uma punição interna, pela forma como foi expulso diante do Mónaco, para a Liga dos Campeões (cartão vermelho direto, após uma troca de agressões com Ghezzal). Nada disso, garante o brasileiro, de 28 anos. "Ele [o treinador] falou comigo normalmente e disse que nada teve que ver com o cartão. Foi mais para poder descansar duas semanas e voltar com tudo. Ele queria colocar o Reyes a jogar. Respeito a decisão, todos têm qualidade para jogar", esclareceu o defesa, citado pela imprensa desportiva.

Reyes é precisamente um dos centrais em final de contrato com o FC Porto - o outro é Marcano. Felipe vê com apreensão a possibilidade de ambos deixarem o clube. "São dois ótimos jogadores, cumprem a função de forma perfeita. Mantê-los seria muito bom. Se perder os dois, teriam de vir mais dois ou três centrais e seria um pouco complicado. Renovar seria bom", afirmou.

Esse pode ser um problema para o eixo da defesa do FC Porto na próxima época. Outro, mais imediato, será substituir Felipe na 1.ª mão dos oitavos-de-final da Liga dos Campeões, frente ao Liverpool (devido à expulsão no jogo com o Mónaco). O central lamenta a ausência: "Vai ser um castigo duro, ver em casa." Mas confia na capacidade dos colegas para derrotar o clube inglês. "O FC Porto já demonstrou a capacidade que tem. Toda a gente tem qualidade, sabemos o que fazemos com a bola e isso é muito importante. Estamos preparados", sublinhou.

Mea culpa de Danilo após expulsão

Após o triunfo sobre o Rio Ave - 12.ª vitória dos dragões por três ou mais golos de diferença nos 26 jogos desta época -, o FC Porto volta a entrar em ação no sábado, 30, visitando o Paços de Ferreira, para a última jornada do grupo D da Taça da Liga. Nesse jogo, faltará Danilo, expulso por acumulação de amarelos frente aos vilacondenses, e que ontem fez o mea culpa. "Peço desculpa pela minha atitude irresponsável e desnecessária no lance do segundo amarelo [bateu impetuosamente na bandeirola de canto, protestando a falta assinalada]. São atitudes que não se podem repetir", escreveu o médio, na rede social Instagram.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Henrique Burnay

Discretamente, sem ninguém ver

Enquanto nos Estados Unidos se discute se o candidato a juiz do Supremo Tribunal de Justiça americano tentou, ou não, há 36 anos abusar, ou mesmo violar, uma colega (quando tinham 17 e 15 anos), para além de tudo o que Kavanauhg pensa, pensou, já disse ou escreveu sobre o que quer que seja, em Portugal ninguém desconfia quem seja, o que pensa ou o que pretende fazer a senhora nomeada procuradora-geral da República, na noite de quinta-feira passada. Enquanto lá se esmiúça, por cá elogia-se (quem elogia) que o primeiro-ministro e o Presidente da República tenham muito discretamente combinado entre si e apanhado toda a gente de surpresa. Aliás, o apanhar toda a gente de surpresa deu, até, direito a que se recordasse como havia aqui genialidade tática. E os jornais que garantiram ter boas fontes a informar que ia ser outra coisa pedem desculpa mas não dizem se enganaram ou foram enganados. A diferença entre lá e cá é monumental.

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.