FC Porto perde mas passa à final

O FC Porto juntou-se hoje ao Paços de Ferreira na final da Taça de Portugal de futebol, apesar da derrota por 2-1 na segunda mão das meias-finais, sofrida no estádio do Estrela da Amadora.

O avançado argentino Farias, aos quatro minutos, inaugurou o marcador, mas Rui Varela, aos 34, e Anselmo, aos 42 minutos, deram a volta ao resultado, insuficiente para evitar o apuramento do tricampeão nacional, que tinha vencido por 2-0 na primeira mão.

O FC Porto, que sofreu a primeira derrota com a equipa "tricolor" esta época, em quatro confrontos, apresentou-se na Reboleira sem muitos dos habituais titulares, mas com o mesmo esquema táctico, no encalço da segunda presença consecutiva no Jamor (perdeu na época passada com o Sporting por 2-0).

Lázaro Oliveira também operou modificações, com Nelson Pedroso e Vítor Vinha a integrarem a equipa inicial, e colocou Ney no lado direito da defesa, por ausência de Hugo Gomes.

O FC Porto entrou melhor e muito cedo chegou ao golo, na sequência de um bom passe de Guarin para Lisandro, que ofereceu a Farias o golo inaugural.

Com a final da Taça cada vez mais longe, Lázaro Oliveira colocou em campo Rui Varela, aos 29 minutos, e a entrada do avançado devolveu a esperança aos "tricolores".

Rui Varela marcou o tento do empate, após uma boa jogada de Silvestre Varela no lado esquerdo, e fez o passe para Anselmo, aos 42 minutos, dar a volta ao resultado e colocar o Estrela a dois golos da final.

O FC Porto teve oportunidade de empatar a partida, mas duas grandes defesas de Filipe Mendes, aos 39 minutos, a remate de Tomás Costa, e aos 47, a remate de Farias, impediram os "azuis e brancos" de igualar.

Na segunda parte, o ritmo manteve-se bastante elevado, com as duas equipas a terem boas oportunidades de marcar, mas sem revelarem a eficácia demonstrada no período inicial.

Aos 76 minutos os anfitriões reclamaram grande penalidade, com Jardel a ser carregado por Fucile na grande área, quando os dois tentavam chegar a uma bola cruzada por Varela, mas o árbitro Carlos Xistra nada assinalou.

Jogo disputado no Estádio José Gomes, na Reboleira.

Estrela da Amadora -- FC Porto, 2-1.

Ao intervalo: 2-1.

Marcadores:

0-1, Farias, 04 minutos.

1-1, Rui Varela, 34.

2-1, Anselmo, 42.

Equipas:

- Estrela da Amadora: Filipe Mendes, Nelson Pedroso, Tengarrinha, Nuno André Coelho, Ney, Vítor Vinha (Rui Varela, 29), Fernando Alexandre, Jardel (Celestino, 73), Silvestre Varela, Pedro Pereira (Moreno, 81) e Anselmo.

 (Suplentes: André Marques, Marco Paulo, Rui Varela, Marcelo Goianira, Moreno e Celestino).

- FC Porto: Nuno, Sapunaru (Cissoko, 75), Rolando, Stepanov, Fucile, Andrés Madrid (Fernando, 54), Tomás Costa, Guarin, Lisandro, Farias e Hulk (Sektioui, 12).

(Suplentes: Ventura, Pedro Emanuel, Mariano, Sektioui, Fernando, Cissoko e Rabiola).

Árbitro: Carlos Xistra (Setúbal).

Acção disciplinar: cartão amarelo para Nelson Pedroso (66), Tengarrinha (91).

Assistência: cerca de 2.000 espectadores.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ricardo Paes Mamede

O populismo entre nós

O sucesso eleitoral de movimentos e líderes populistas conservadores um pouco por todo o mundo (EUA, Brasil, Filipinas, Turquia, Itália, França, Alemanha, etc.) suscita apreensão nos países que ainda não foram contagiados pelo vírus. Em Portugal vários grupúsculos e pequenos líderes tentam aproveitar o ar dos tempos, aspirando a tornar-se os Trumps, Bolsonaros ou Salvinis lusitanos. Até prova em contrário, estas imitações de baixa qualidade parecem condenadas ao fracasso. Isso não significa, porém, que o país esteja livre de populismos da mesma espécie. Os riscos, porém, vêm de outras paragens, a mais óbvia das quais já é antiga, mas perdura por boas e más razões - o populismo territorial.

Premium

João Gobern

Navegar é preciso. Aventuras e Piqueniques

Uma leitura cruzada, à cata de outras realidades e acontecimentos, deixa-me diante de uma data que, confesso, chega e sobra para impressionar: na próxima semana - mais exatamente a 28 de novembro - cumpre-se meio século sobre a morte de Enid Blyton (1897-1968). Acontece que a controversa escritora inglesa, um daqueles exemplos que justifica a ideia que cabe na expressão "vícios privados, públicas virtudes", foi a minha primeira grande referência na aproximação aos livros. Com a ajuda das circunstâncias, é certo - uma doença, chata e "comprida", obrigou-me a um "repouso" de vários meses, longe da escola, dos recreios e dos amigos nos idos pré-históricos de 1966. Esse "retiro" foi mitigado em duas frentes: a chegada de um televisor para servir o agregado familiar - com direito a escalas militantes e fervorosas no Mundial de Futebol jogado em Inglaterra, mas sobretudo entregue a Eusébio e aos Magriços, e os livros dos Cinco (no original The Famous Five), nada menos do que 21, todos lidos nesse "período de convalescença", de um forma febril - o que, em concreto, nada a tinha que ver com a maleita.