FC Porto e Altice fecham negócio por 457,5 milhões de euros

Contrato engloba direitos televisivos, publicidade estática, patrocínio nas camisolas e exploração do Porto Canal

O FC Porto anunciou este domingo ter cedido à PT/Altice, por 457,5 milhões de euros, os direitos transmissivos dos jogos em casa e os espaços comerciais no estádio do Dragão a partir de julho de 2018.

Em comunicado hoje divulgado na Comissão do Mercado de Valores Mobiliários (CMVM), a SAD do Futebol Clube do Porto adianta que este acordo terá início a 1 de julho de 2018 e será válido por 10 anos.

Além disso, o clube cede também à PT/Altice os direitos de transmissão do Porto Canal, pelo período de 12 épocas e meia, com início em janeiro do próximo ano, e o estatuto de patrocinador principal com direito a colocar publicidade na parte frontal das camisolas da equipa principal de futebol.

Este direito de patrocinador é válido, de acordo com o anúncio do FC Porto, por sete épocas e meia, também com inicio a 1 de janeiro de 2016.

No seu sítio oficial na Internet, os dragões destacam que o clube assinou o "maior contrato da história do desporto português", com a cedência do direito de transmissão dos jogos em casa da I Liga de futebol e o patrocínio da equipa 'azul e branca'

"Até ao verão de 2018 mantém-se em vigor o contrato de cedência dos direitos de transmissão dos jogos em casa do campeonato, anteriormente assinado", conclui o clube, aludindo ao vínculo existente com a PPTV, do Grupo Controlinveste, até final da época de 2017/18.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Adriano Moreira

O relatório do Conselho de Segurança

A Carta das Nações Unidas estabelece uma distinção entre a força do poder e o poder da palavra, em que o primeiro tem visibilidade na organização e competências do Conselho de Segurança, que toma decisões obrigatórias, e o segundo na Assembleia Geral que sobretudo vota orientações. Tem acontecido, e ganhou visibilidade no ano findo, que o secretário-geral, como mais alto funcionário da ONU e intervenções nas reuniões de todos os Conselhos, é muitas vezes a única voz que exprime o pensamento da organização sobre as questões mundiais, a chamar as atenções dos jovens e organizações internacionais, públicas e privadas, para a necessidade de fortalecer ou impedir a debilidade das intervenções sustentadoras dos objetivos da ONU.