FC Porto diz que já leva 14 penáltis por marcar

Dragões voltam a ter razões de queixa da arbitragem, apesar da vitória sobre o Marítimo

O FC Porto voltou a apontar erros de arbitragem, através do jornal digital Dragões Diário, e considera que já ficaram 14 penáltis por assinalar a seu favor na temporada 2016/17.

"Já antes o dissemos, o FC Porto não se queixa dos árbitros quando perde ou empata, o FC Porto queixa-se dos árbitros quando há erros grosseiros e ontem voltou a acontecer, com duas penalidades perdoadas ao Marítimo (...) São factos e é frustrante constatar que este género de factos continue a penalizar a nossa equipa. E vão 14 penáltis por assinalar ao FC Porto. Isto para não falar num fora de jogo muito mal tirado a Maxi Pereira, numa jogada de golo iminente", pode ler-se.

O FC Porto acabou por vencer o Marítimo por 2-1, no Estádio do Dragão.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Anselmo Borges

Globalização e ética global

1. Muitas das graves convulsões sociais em curso têm na sua base a globalização, que arrasta consigo inevitavelmente questões gigantescas e desperta paixões que nem sempre permitem um debate sereno e racional. Hans Küng, o famoso teólogo dito heterodoxo, mas que Francisco recuperou, deu um contributo para esse debate, que assenta em quatro teses. Segundo ele, a globalização é inevitável, ambivalente (com ganhadores e perdedores), e não calculável (pode levar ao milagre económico ou ao descalabro), mas também - e isto é o mais importante - dirigível. Isto significa que a globalização económica exige uma globalização no domínio ético. Impõe-se um consenso ético mínimo quanto a valores, atitudes e critérios, um ethos mundial para uma sociedade e uma economia mundiais. É o próprio mercado global que exige um ethos global, também para salvaguardar as diferentes tradições culturais da lógica global e avassaladora de uma espécie de "metafísica do mercado" e de uma sociedade de mercado total.