FC Porto confirma Warrior como sucessora da Nike

Ligação de 14 anos à marca norte-americana terminou. FC Porto consegue acordo mais vantajoso financeiramente, mas as primeiras imagens dos novos equipamentos não agradam aos adeptos.

O FC Porto confirmou, nesta quinta-feira, o fim de uma ligação de 14 anos à Nike como patrocinadora da equipa profissional de futebol. A Warrior vai passar a produzir a linha de equipamentos dos dragões.

Patrocinadora do Liverpool e do Sevilha, a Warrior, também norte-americana, vai pagar ao FC Porto números superiores aos que a Nike oferecia, embora os detalhes do acordo ainda não sejam conhecidos.

No último contrato celebrado com a Nike, o FC Porto recebeu 14,8 milhões de euros por quatro temporadas. O Liverpool, patrocinado pela Warrior, ganha cerca de 30 milhões de euros... por época.

O FC Porto assinalou, nas redes sociais, que durante a ligação à Nike foi nove vezes campeão nacional e conquistou seis Taças de Portugal, nove Supertaças, uma Taça Intercontinental, duas Ligas Europa (uma ainda sob a denominação de Taça UEFA) e uma Liga dos Campeões.

Segue-se, agora, a ligação à Warrior, cujas primeiras imagens de equipamentos já começaram a cair na rede. Porém, a marca, conhecida pelos padrões extravagantes nas camisolas, parece desde já não estar a agradar a grande parte dos adeptos, a avaliar pelos comentários nas redes sociais.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Opinião

Os irados e o PAN

A TVI fez uma reportagem sobre um grupo de nome IRA, Intervenção e Resgate Animal. Retirados alguns erros na peça, como, por exemplo, tomar por sério um vídeo claramente satírico, mostra-se que estamos perante uma organização de justiceiros. Basta, aliás, ir à página deste grupo - que tem 136 000 seguidores - no Facebook para ter a confirmação inequívoca de que é um grupo de gente que despreza a lei e as instituições democráticas e que decidiu fazer aquilo que acha que é justiça pelas suas próprias mãos.

Premium

Margarida Balseiro Lopes

Falta (transparência) de financiamento na ciência

No início de 2018 foi apresentado em Portugal um relatório da OCDE sobre Ensino Superior e a Ciência. No diagnóstico feito à situação portuguesa conclui-se que é imperativa a necessidade de reformar e reorganizar a Fundação para a Ciência e a Tecnologia (FCT), de aumentar a sua capacidade de gestão estratégica e de afastar o risco de captura de financiamento por áreas ou grupos. Quase um ano depois, relativamente a estas medidas que se impunham, o governo nada fez.