Falcao aprova Aboubakar: "Está a aproveitar bem as oportunidades"

Colombiano regressou ao Dragão e gostou do que viu na antiga equipa: "Pode chegar longe"

No regresso ao palco pelo qual entrou em cena no futebol europeu, seis anos depois de deixar o Dragão, Radamel Falcao viu os adeptos portistas reconhecerem o seu contributo para a história do clube, sendo ovacionado mesmo quando marcou para o Mónaco. Um golo de cabeça, no coração da área, como tantos que marcou com a camisola do FC Porto, onde se mantém ainda como o melhor marcador de sempre do clube nas competições europeias (21 golos).

O colombiano agradeceu o carinho do público portista e catalogou como "emocionante" e "especial" o regresso ao Dragão. "Foi a primeira vez na carreira que vivi algo assim, de voltar a um lugar onde já joguei. O tratamento dos portistas vai ficar no meu coração para sempre", afirmou.

Agora, no Dragão, o goleador que aquece as emoções das bancadas é o camaronês Aboubakar, que contra o Mónaco fez dois golos e chegou aos 11 pelo FC Porto nas provas europeias (todos na Champions). Falcao reconheceu as capacidades do seu "sucessor" e deixou-lhe elogios: "Está muito bem, a fazer o trabalho que deve fazer um atacante, que é marcar golos. A equipa permite-lhe ter muitas oportunidades para marcar e ele está a aproveitar bem", disse o colombiano, de 31 anos, aos jornalistas portugueses, na zona mista após o jogo.

Falcao aproveitou para elogiar também a campanha do FC Porto nesta temporada, perspetivando sucessos para os dragões, tanto na liga portuguesa como na Liga dos Campeões. "Espero que consiga chegar longe [na prova europeia]. Tem uma boa equipa, um bom treinador e tem de continuar a sonhar e a trabalhar como tem feito até aqui. Se assim for, seguramente que pode chegar longe", referiu, mostrando confiança em que a equipa de Sérgio Conceição interrompa o domínio interno do Benfica que se prolonga há quatro anos: "[o FC Porto] está a fazer um bom campeonato. Ainda é um bocado prematuro, mas penso que esta época pode conseguir os seus objetivos."

Ler mais

Premium

Henrique Burnay

Discretamente, sem ninguém ver

Enquanto nos Estados Unidos se discute se o candidato a juiz do Supremo Tribunal de Justiça americano tentou, ou não, há 36 anos abusar, ou mesmo violar, uma colega (quando tinham 17 e 15 anos), para além de tudo o que Kavanauhg pensa, pensou, já disse ou escreveu sobre o que quer que seja, em Portugal ninguém desconfia quem seja, o que pensa ou o que pretende fazer a senhora nomeada procuradora-geral da República, na noite de quinta-feira passada. Enquanto lá se esmiúça, por cá elogia-se (quem elogia) que o primeiro-ministro e o Presidente da República tenham muito discretamente combinado entre si e apanhado toda a gente de surpresa. Aliás, o apanhar toda a gente de surpresa deu, até, direito a que se recordasse como havia aqui genialidade tática. E os jornais que garantiram ter boas fontes a informar que ia ser outra coisa pedem desculpa mas não dizem se enganaram ou foram enganados. A diferença entre lá e cá é monumental.

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.

Premium

João Taborda da Gama

Le pénis

Não gosto de fascistas e tenho pouco a dizer sobre pilas, mas abomino qualquer forma de censura de uns ou de outras. Proibir a vista dos pénis de Mapplethorpe é tão condenável como proibir a vinda de Le Pen à Web Summit. A minha geração não viveu qualquer censura, nem a de direita nem a que se lhe seguiu de esquerda. Fomos apenas confrontados com alguns relâmpagos de censura, mais caricatos do que reais, a última ceia do Herman, o Evangelho de Saramago. E as discussões mais recentes - o cancelamento de uma conferência de Jaime Nogueira Pinto na Nova, a conferência com negacionista das alterações climáticas na Universidade do Porto - demonstram o óbvio: por um lado, o ato de proibir o debate seja de quem for é a negação da liberdade sem mas ou ses, mas também a demonstração de que não há entre nós um instinto coletivo de defesa da liberdade de expressão independentemente de concordarmos com o seu conteúdo, e de este ser mais ou menos extremo.