"Existiram abordagens, mas a minha prioridade era continuar"

Sérgio Conceição chegou a ser sondado por clubes italianos e ingleses, mas ontem acabou com as dúvidas sobre a permanência no Dragão ao renovar o contrato até junho de 2020

Ponto final nas dúvidas. Sérgio Conceição vai continuar a ser o treinador do FC Porto e ontem renovou o seu contrato para além da próxima época, sendo agora válido por mais um ano, ou seja, até 30 de junho de 2020. O anúncio foi feito ao final da tarde, após uma reunião que estava prevista há alguns dias, em que estiveram presentes o técnico, o presidente Pinto da Costa, os administradores da SAD Adelino Caldeira e Fernando Gomes e ainda o diretor-geral do futebol Luís Gonçalves.

"Tinha mais um ano de contrato. É verdade que existiu uma ou outra abordagem, mas a minha prioridade passou sempre por representar este clube e dar continuidade ao que foi feito este ano", disse Sérgio Conceição ao Porto Canal, confirmando assim as notícias adiantadas pelo DN, segundo as quais o técnico portista estaria a ser cobiçado sobretudo em Itália, onde o Inter Milão e a Lazio têm seguido de perto a carreira do antigo internacional português, que enquanto futebolista representou esses dois clubes. O nome de Sérgio Conceição também esteve na lista dos ingleses do Everton, clube que até ao momento ainda não anunciou o seu treinador para a próxima temporada.

Uma das questões que estavam em cima da mesa para a sua continuidade eram as garantias que Sérgio Conceição queria ter por parte da SAD para continuar a ter uma equipa competitiva para a próxima época. E, nesse sentido, a renovação de contrato com o guarda-redes Iker Casillas foi um sinal importante, apesar de há poucos dias Ricardo Pereira ter sido transferido para o Leicester por 20 milhões.

Há alguns dossiês em aberto, relacionados com Alex Telles, Brahimi e Marega , jogadores cobiçados no mercado, e ainda em relação aos defesas-centrais Diego Reyes e Marcano, que estão em final de contrato. Se não ficarem no clube, os dragões terão de ir ao mercado para completar o setor defensivo.

Pouco depois de ter colocado a assinatura no novo vínculo, Sérgio Conceição afirmou que está "extremamente feliz" por esta renovação, que diz ser "um "sinal de confiança de toda a gente em relação ao trabalho realizado até agora" e que culminou com a conquista do título de campeão nacional, interrompendo um jejum de quatro anos sem qualquer troféu conquistado.

Sobre os novos termos do contrato, Sérgio Conceição deixou a garantia que nem foram discutidos e explicou porquê: "A confiança do presidente não precisa de papel nem de caneta. A motivação para treinar não precisa de contratos. Até hoje, nunca discuti um contrato com o presidente, e já foram alguns que fizemos juntos." O treinador portista acrescentou que "o FC Porto achou importante fazer mais um ano de contrato", algo que o deixou "extremamente contente por ficar ligado ao clube até 2020".

"Uma pedra importantíssima"

Pinto da Costa garantiu que "esta renovação já estava pensada há muito tempo", acrescentando que o timing escolhido teve que ver com o final da época e, ao mesmo tempo, aproveitar os dias que antecedem as férias de Sérgio Conceição. "Entendemos que era importante colocar no papel aquilo que ambos já tínhamos idealizado, dado que estamos a fazer planos não só para o imediato mas também para mais além", justificou o líder portista ao Porto Canal.

"Ninguém estranhará a renovação de um homem da casa, que mostrou tanto interesse em vir para o FC Porto, que teve tanto sucesso, sendo uma pedra importantíssima nesta vitória do FC Porto", acrescentou Pinto da Costa, assumindo que os portistas estão "contentes" com o seu treinador. "É perfeitamente natural, quando se está bem não se tem de mudar", frisou.

O líder dos dragões garantiu ainda que não pediu nada de especial a Sérgio Conceição para as próximas duas temporadas. "Sabemos que ele continuará a dar o máximo por este clube. Vejo nele a mesma vontade de trabalhar no FC Porto, senão não teria vindo nem teria renovado", sublinhou.

O primeiro objetivo para a nova época é a conquista da Supertaça, na qual irá defrontar o Desp. Aves, o vencedor da Taça de Portugal. No entanto, o objetivo principal da nova temporada será a conquista do bicampeonato e, pelo menos, a repetição da carreira na última edição da Liga dos Campeões, em que chegou aos oitavos-de-final.

Ler mais

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.

Premium

João Taborda da Gama

Le pénis

Não gosto de fascistas e tenho pouco a dizer sobre pilas, mas abomino qualquer forma de censura de uns ou de outras. Proibir a vista dos pénis de Mapplethorpe é tão condenável como proibir a vinda de Le Pen à Web Summit. A minha geração não viveu qualquer censura, nem a de direita nem a que se lhe seguiu de esquerda. Fomos apenas confrontados com alguns relâmpagos de censura, mais caricatos do que reais, a última ceia do Herman, o Evangelho de Saramago. E as discussões mais recentes - o cancelamento de uma conferência de Jaime Nogueira Pinto na Nova, a conferência com negacionista das alterações climáticas na Universidade do Porto - demonstram o óbvio: por um lado, o ato de proibir o debate seja de quem for é a negação da liberdade sem mas ou ses, mas também a demonstração de que não há entre nós um instinto coletivo de defesa da liberdade de expressão independentemente de concordarmos com o seu conteúdo, e de este ser mais ou menos extremo.

Premium

Bernardo Pires de Lima

Em contagem decrescente

O brexit parece bloqueado após a reunião de Salzburgo. Líderes do processo endureceram posições e revelarem um tom mais próximo da rutura do que de um espírito negocial construtivo. A uma semana da convenção anual do partido conservador, será ​​​​​​​que esta dramatização serve os objetivos de Theresa May? E que fará a primeira-ministra até ao decisivo Conselho Europeu de novembro, caso ultrapasse esta guerrilha dentro do seu partido?

Premium

Catarina Carvalho

O populismo na campanha Marques Vidal

Há uma esperança: não teve efeito na opinião pública a polémica da escolha do novo procurador-geral da República. É, pelo menos, isso que dizem os estudos de opinião - o número dos que achavam que Joana Marques Vidal devia continuar PGR permaneceu inalterável entre o início do ano e estas últimas semanas. Isto retirando o facto, já de si notável, de que haja sondagens sobre este assunto.