Herrera e Aboubakar quebraram a resistência do Belenenses

O FC Porto venceu o Belenenses por 2-0 e vai manter-se na liderança da Liga, ficando agora à espera do que fazem os rivais

O FC Porto venceu este sábado o Belenenses por 2-0 e garantiu a continuidade na liderança da Liga, colocando agora pressão nos rivais Sporting e Benfica, que amanhã defrontam, respetivamente, Sp. Braga e V. Guimarães.

Sem fazer uma exibição brilhante, os dragões foram bastante superiores a uma equipa do Restelo que teve no guarda-redes Muriel Becker a sua grande figura, tendo adiado o primeiro golo dos portistas até aos 42 minutos, altura em que Herrera abriu o marcador na sequência de um canto de Alex Telles.

No segundo tempo, os lisboetas tentaram chegar ao empate com algumas jogadas perigosas junto da baliza de José Sá, mas foi o FC Porto a fazer o segundo golo em cima do minuto 90 através de Aboubakar, que concluiu com um chapéu ao guarda-redes uma rápida jogada de contra-ataque.

Eis as equipas que iniciaram o jogo:

FC Porto: José Sá; Ricardo Pereira, Felipe, Marcano, Alex Telles; Diego Reyes, André André, Herrera; Hernâni, Aboubakar, Brahimi.

Belenenses: Muriel Becker; André Geraldes, Gonçalo Silva, Nuno Tomás, Florent Hanin; Bouba Saré, Yebda; Diogo Viana, André Sousa, Roni; Maurides

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ricardo Paes Mamede

Legalização da canábis, um debate sóbrio 

O debate público em Portugal sobre a legalização da canábis é frequentemente tratado com displicência. Uns arrumam rapidamente o assunto como irrelevante; outros acusam os proponentes de usarem o tema como mera bandeira política. Tais atitudes fazem pouco sentido, por dois motivos. Primeiro, a discussão sobre o enquadramento legal da canábis está hoje em curso em vários pontos do mundo, não faltando bons motivos para tal. Segundo, Portugal tem bons motivos e está em boas condições para fazer esse caminho. Resta saber se há vontade.

Premium

nuno camarneiro

É Natal, é Natal

A criança puxa a mãe pela manga na direcção do corredor dos brinquedos. - Olha, mamã! Anda por aqui, anda! A mãe resiste. - Primeiro vamos ao pão, depois logo se vê... - Mas, oh, mamã! A senhora veste roupas cansadas e sapatos com gelhas e calos, as mãos são de empregada de limpeza ou operária, o rosto é um retrato de tristeza. Olho para o cesto das compras e vejo latas de atum, um quilo de arroz e dois pacotes de leite, tudo de marca branca. A menina deixa-se levar contrariada, os olhos fixados nas cores e nos brilhos que se afastam. - Depois vamos, não vamos, mamã? - Depois logo se vê, filhinha, depois logo se vê...